Monthly Archives:July 2009

  • É vício msm

    Post Image

    Então ontem eu tive mais um momento caixa… antes, BEM antes de comprar a Nicola eu falei que se tivesse uma Pullip só teria uma, mas quem resiste?!
    Então trouxe a Norah p/ casa tbm! Ela é uma Pullip Rida e as fotos estão uma caca pq foram tiradas à noite, na hora que a caixa chegou, com mta emoção e um dedo cortado com a tesoura.
    Estou mto feliz com minhas meninas e prometo ficar um tempo sem comprar dolls, a menos que eu tenha dinheiro, surte e compre logo uma Craziia e uma Nina, que são as duas que eu preciso MTO xD

    01b

    06b

    12b

    PS: Quem precisar de Pullips, encha o saco da Sabrina, que ela resolve seu problema e encomenda as que não estiverem no site p/ vc ;D

  • Happy Spice Day!

    Post Image

    SG01

    Perdi o sono essa noite e fiquei pensando no monte de coisas que eu tenho que fazer antes das aulas começarem e fiquei pensando na frase p/ colocar no convite de formatura e lembrei de onde eu encontraria a tal frase: na minha gaveta de CD’s. E fui lá, peguei o DVD das Spice Girls, coloquei no notebook e fiquei assistindo aos clipes no meio da madrugada.
    Não lembrei apenas dos bons momentos vividos ao som das músicas, mas comecei a analisar minha vida e percebi que tudo de bom que eu consegui foi por causa delas.
    Meus amigos verdadeiros fazem parte da minha vida por causa delas, meu primeiro e único amor também foi por causa delas, se hoje eu sei inglês foi delas que veio a motivação p/ aprender e até se eu assisto jogos de futebol hoje é por causa delas (marido da Posh *____*~ ).
    Eu lembro que quando eu era uma pré-adolescente besta e ficava triste, era ouvindo Spice que eu conseguia apoio e força p/ levantar. Aprendi mais com elas do que com qualquer outra pessoa que conviva diariamente comigo. Teve até um dia que eu estava com preguiça de fazer a lição de casa e fui olhar no final do livro a resposta só p/ fingir que fiz alguma coisa e eu fui fazer ouvindo Spice e o que toca na hora que eu estava aprontando?! “You’re ain’t fooling nobody but yourself” (você não está enganando ninguém, a não ser você mesma) – Denying.
    E minha consciência ficou pesada por isso, era a verdade e se não fosse por elas, quem mais iria me dizer isso?! Elas costumavam ser a voz dentro da minha cabeça que tentava me dizer o que fazer.
    E quando elas faziam merda eu ficava com raiva, tirava todas as fotos e posteres que eu tinha na parede e não ouvia os CD’s (eu ouvia diariamente). Fiquei com raiva e chorei quando a Ginger saiu do grupo, quando Mel B e Victoria anunciaram a gravidez, quando saiu o álbum solo da Mel C, quando elas enterraram o álbum Forever sem mais nem menos e não anunciaram o fim e finalmente: quando elas cancelaram todos os shows no resto do mundo e encerraram a Return Tour sem o mínimo de compaixão com os fãs sul-americanos, africanos e asiáticos. E parei de ouvir Spice nesse dia também.
    Parece besteira, mas elas me deram grandes conselhos p/ vida, me deram amigos, me proporcionaram momentos de muita felicidade e me ensinaram o que é a decepção (essa eu já conhecia pela minha própria mãe, mas elas me decepcionarem foi um baque duplo).
    Estava até comentando com minha mãe hoje enquanto desenterrava os CD’s: “eu só tenho amigos por causa das Spice, depois que elas acabaram não fiz mais nenhum amigo.”
    E é verdade. Meus amigos são Spice fãs e se não são até hoje, são os que viveram a Spice Mania e adoravam aquilo!
    Então, hoje no Dia do Amigo, só queria dizer aos meus amigos, ao melhor estilo Wannabe: “Friendship never ends!” Feliz Dia dos Amigos!
    E Spice Girls, obrigada por tudo!

  • Inferno astral

    Alguns acreditam nisso, outros não, mas isso não interfere no fato de que o dia em que ficamos mais velhos se aproxima. Se de fato existe, digamos que eu fui recepcionada pelo capeta no último exato 30° dia antes do meu aniversário e não foi anda divertido.
    Bom, eu já disse que eu tenho uma tia que mora aqui com a gente, e já mencionei isso milhões de vezes no twitter. O fato é que eu não aguento mais as coisas que ela faz, não aguento mais ela querendo mandar na minha mãe, não aguento mais ela batendo no meu cachorro e não aguento mais ela na minha casa. Como ela me irrita profundamente eu tenho uma tática: eu não fico no mesmo cômodo que ela.
    Isso seria ótimo, se ela não entrasse no cômodo em que eu estou. Pois bem, no início da semana, estava todo mundo almoçando e meu cachorro começou a latir com ela (pq todo dia na hora das refeições meu cachorro chama todo mundo p/ se sentar a mesa e comer e ela NUNCA come junto com ngm. Aí ele fica latindo e ela fica andando de um lado p/ outro só p/ pertubar a refeição dos outros), eu não aguentei e subi p/ sala p/ não discutir com ela. Então, 2 minutos depois que eu subi, ela veio me pertubar na sala, me dar um papel da minha mãe p/ eu guardar, sendo que o papel já estava guardado e ficou me enchendo o saco pq eu estava segurando o papel nas mãos. Eu não consigo ficar perto, eu sinto mal, ela tem uma energia muito ruim que me faz mal então eu mandei ela sair da sala e chamei minha mãe. Já chorando nessa hora. O pior é que tinham mais 2 tias minhas em casa e ficaram defendendo ela, dizendo que o cachorro não podia mandar em ngm. Hã? Eu perdi algo? A velha implica e a culpa é do cachorro?! Se ela não quer comer e não tem nada p/ fazer lá, então não apareça na cozinha na hora do almoço. Simples assim! Mas não adianta, o lema dela: “se vc não pode ajudar, atrapalhe, afinal, o importante é participar.”
    Enfim, eu fui ver One Tree Hill e a velha foi pertubar outro e passou.
    Até o dia seguinte quando eu e minha mãe estávamos preocupadas com 2 mendigos que estão dormindo no portão e fomos avisá-la do perigo que era ficar entrando e saindo de casa a cada 5 minutos e ficar perambulando pelo quintal à noite no escuro. E a resposta da velha? “Estou trabalhando”. Trabalhando o cacete! Minha mãe que faz todo o trabalho pesado da casa, a única coisa que ela faz é colocar panos de prato de molho no sabão e ficar observando de 5 em 5 minutos se eles já estão limpos. Tentamos ser gentis, tentamos falar do perigo de que se for algum malandro pode simplesmente fazer ela abrir a casa e ferrar com a vida de todo mundo, mas ela não entende. É burra como uma porta e teimosa como uma mula. Empaca e pronto. E a gente perde a paciência. Claro! Paciência tem limite, o meu é curto, quando me respondem com deboxe o limite cai pela metade e aí eu tento me segurar, eu juro que tento. Com pessoas normais, civilizadas e que não querem brigar, eu simplesmente viro as costas e saio, mas com ela não dá. Ela provoca de um jeito deboxado e fica feliz quando vê as pessoas irritadas por isso, que dá mais raiva ainda e vontade de dar uns tapas na cara, uns socos, uns chutes ou qualquer coisa que tire aquele risinho deboxado da cara dela. Claro que eu não iria fazer isso, existe a merda do Estatuto do Idoso e não valeria a pena sujar as mãos por ela. Mas aí ela disse que a minha casa não era minha. É de quem? Dela? Isso sim me tirou do sério, me desrespeitando dentro da minha própria casa… Não dava p/ deixar baixo mesmo! Comecei a gritar coisas feias p/ ela e peguei uma garrafa com água e joguei tudo na cara dela. O risinho se apagou na hora e ela saiu tanto do sério quanto eu.
    O foda é a situação que eu coloquei minha mãe. Eu falei (na hora eu estava mais gritando, que falando) com ela o quanto eu odeio o capeta em forma de velha e que quero ela fora de casa… Ou a velha, ou eu. Minha mãe tem alma de Madre Tereza, quer fazer o bem p/ outros. Foda-se. Eu tenho mais pena da minha alma do que da dos outros. Eu não tenho liberdade na minha própria casa, eu não tenho paz na minha própria casa, então que a velha saia, que vá p/ um asilo, que vá morar embaixo de uma ponte, que morra de gripe num hospital público e eu não ligo. Eu só quero que meu inferno astral acabe e que o capeta em forma de velha vá embora junto com ele.