Monthly Archives:November 2009

  • Bagunça na porta da faculdade

    Post Image

    BAGUNÇA25 de novembro foi o melhor dia da minha vida na faculdade. :D Bom, é tradição de sei lá quanto tempo lá na minha faculdade dos 10º’s períodos fazerem uma bagunça na porta da faculdade na última semana de aula. E nosso dia foi quarta-feira, 25 de novembro.
    Compramos fogos de artifícil, bebidas, apetrechos como perucas e coroinhas, apitos, piscininha de plástico, churrasco, contratamos escola de samba e MC, arrumamos caminhonete com som e isolamos uma área na rua onde os carros ficam estacionados e no horário de aula ficamos lá atrapalhando as pessoas a estudar e a fazer prova…
    Só sei que antes das 6 da matina já tinha gente lá bebendo, eu cheguei lá só as 7h e já tinha gente legal. Eu fiquei só na coca-cola e no pro seco, pq sou fiiiina, beim!
    Fizemos até abadá rosa marca texto LINDO!!! Mas foi tão legal, mas tão legal que todo mundo da facul ficou nos olhando na hora do intervalo xD
    O MC teve uma hora que mandou TODAS as meninas da sala fazerem uma fila e dançarem e até a “mãe” da sala entrou no meio.
    Foi a melhor bagunça do período pq nas outras duas rolou confusão e baixaria a da nossa sala foi organizada, não teve problemas com polícia, nem com disk silêncio, nem teve pegação… foi uma bagunça saudável (não no sentido literal pq beber as 6 da manhã e comer chips com churrasquinho não é nada saudável) e divertida. Claro que algumas pessoas passaram mal, foram parar no hospital, mas nenhum problema que prejudicou outras pessoas.
    Depois da bagunça na porta da faculdade fomos p/ casa de uma colega almoçar e confraternizar na piscina. Muuuito legal!!
    Uma pena que só agora que terminamos que a turma ficou mais unida e curtindo junto, mas isso quer dizer uma coisa: a formatura promete!
    Na foto eu e minha amiga de fundão a Paulinha ^_^

  • Victoria Frankstein

    E depois de 9 meses de gestão nasceu na última segunda-feira minha filhinha, a Victoria Frankstein, pesando 2 volumes e com 512 páginas de conteúdo.
    Pra quem não sabe, Victoria Frankstein ou Tor Frankie (p/ íntimos) é o apelido carinhoso da minha monografia que eu depositei na faculdade no dia 23.
    Mas pra falar da Tor, é preciso contar todo o drama, do início ao fim, então vamos lá… (pq a história dela dá outra monografia)
    No 6º período eu estava pagando dependência de filosofia junto com o 2º período e era com um outro professor, que não a “tia” que me reprovou. Eu sempre odiei filosofia, nunca gostei mesmo, mas nas aulas do professor eu prestava atenção pq eu precisava passar de qualquer jeito ou tava perdida… E numa dessas aulas, nem me lembro mais qual era o filófoso, mas eu comecei a relacionar a matéria toda com o que os jornais e TVs faziam e me veio a idéia de monografar algo envolvendo a mídia.
    Aí eu guardei meu tema comigo e esperei o período seguinte qdo ia cursar Metodologia: Projeto de Monografia p/ ver o que eu faria com aquilo.
    Eu lembro como se fosse hoje, a professora pediu p/ gente pensar em algum tema ou matéria p/ escrever a monografia e todo mundo louco, menos eu. Aí, no dia de falar o tema ou a matéria p/ começarmos a fazer o projeto a professora perguntou p/ todo mundo o tema ou a matéria e qdo chegou na minha vez eu lááá no fundão, quietinha, como sempre, respondo: “Mídia e Direito”. Umas 40 cabeças viraram p/ mim na hora e eu pensando: “opa! o que eu fiz de errado?”. Só que ngm sabia que professor poderia me ajudar, nem nada… aí minha professora de metodologia, fofíssima, falou p/ eu conversar com o professor de metodologia das turmas B e C, que por acaso é marido dela e por acaso foi meu professor de filosofia.
    Aí beleza, eu fiquei umas 2 semanas procurando o bendito pra conversar e mais sei lá quanto tempo p/ começar a escrever, mas saiu o projeto. O marido da fofa (q tbm é fofo) me sugeriu escrever sobre a “influência da mídia no Sistema Penal” p/ delimitar ainda mais o tema e me indicou uns livros e com uma semana eu fiz um projeto lindo, com o único erro de ABNT na folha de rosto pq eu coloquei espaçamento 1,5 onde era simples… enfim, fui aprovada com 10 na disciplina e agora só precisava começar a escrever a monografia.
    Deixei p/ começar a escrever apenas no 9º período pq meus planos eram: cursar criminologia (matéria que eu precisava pra escrever a mono) e cursar previdenciário (disciplina que eu nunca tive tempo antes de fazer e que nao faz parte da grade), mas pra minha surpresa não abriu turma p/ nenhuma das duas u.u
    Aí no início desse ano resolvi começar a monografia, mesmo sem a matéria, pra ver se eu conseguia adiantar e p/ minha sorte tbm abriu turma de criminologia.
    Bom, em fevereiro começaram as orientações e meu orientador não sabia por onde a gente ia começar o trabalho, aí ele me indicou alguns milhões de livros e ficou de me passar os tópicos e a forma de elaboração do trabalho (objeto de pesquisa, método de trabalho…). Só sei que fomos trabalhando por partes pq o último capítulo seria triste… e em maio eu tive certeza de que nao conseguiria terminar a Tor e decidi deixar pra esse semestrei. Finalizei o primeiro capítulo sobre criminologia e meu orientador ficou 2 meses me enrolando pra me falar como seria o segundo capítulo e me emprestar uns livros… Só em agosto eu vi a cara dos livrinhos e soube como seria o desenvolvimento do 2º capítulo.
    Ahhh sim, como eu disse, fomos trabalhando por partes e a única coisa que eu tinha noção era que eu ia pesquisar reportagens com fotos nos dois maiores jornais daqui: A Tribuna e A Gazeta (praticamente os únicos). Então aproveitei as férias de julho p/ ir lá na Rede Gazeta coletar as informações que eu precisava e baixar reportagens no site do jornal A Tribuna. Pesquisei 6 meses.
    Em agosto fiquei por conta do 2º capítulo, que era uma continuação do primeiro e envolvia criminologia também, em setembro não fiz nada por causa das provas e em outubro voltei com tudo p/ 3º capítulo que fala sobre teoria da comunicação (meu capítulo preferido, por sinal) e descobri que tinha que pesquisar mais jornais, por mais 6 meses… Aí eu comecei a notar o tamanho da criança.
    O mínimo de páginas eram 60 (em outubro eu já estava escrevendo minha 85ª página!) o pessoal da sala escreve no máximo 90 e eu tinha certeza que ia passar da 100ª, mas continuava sem querer olhar mto p/ frente… nessa mesma época eu comecei a imprimir meus anexos: eram mtos!! Imprimia uns 90 por semana p/ não ficar muito caro e difícil p/ trazer p/ casa.
    Só lembro que quanto mais eu escrevia, mais coisa tinha p/ eu escrever e quanto mais anexo eu imprimia, mais tinha anexo p/ eu imprimir. E eu não tinha sumário não tinha noção de quanto faltava, nem como eu ia terminar aquilo e eu lembrei do monstro: Frankstein. E daí saiu o nome da minha monstrinha, que já estava começando a criar vida…
    Eu tinha vergonha de falar quantas páginas eu já tinha escrito pq eram muitas, mas o fim (do prazo) começou a se aproximar e eu comecei a não ter mais fins de semana, ia dormir de madrugada p/ terminar as coisas e entregar p/ meu orientador: 25 a 30 páginas escritas por semana. E p/ último capítulo entreguei de vez umas 35 páginas com gráficos.
    A Tor Frankie tinha de tudo! Criminologia, Direito propriamente dito, Teoria da Comunicação/Jornalismo, gráficos, tabelas, reportagens, utilização de livros, teses de doutorado, artigos, sites… tinha tanta coisa, mas tanta coisa, que até a Déborah Blando deu uma palinha no meio. x.x
    Enfim, terminei a Tor, corrigi, passei pelo programa de plágio, escaneei as reportagens que nao estavam digitalizadas e dia 23 de manhã fui lá “parir” a menina. Fiquei 5h na copiadora p/ tirar cópia, imprimir e encadernar. E qdo eu saí todo mundo me perguntava: “é uma monografia?” e me olhavam com a cara:
    O______________O’
    Eu juro que fiquei envergonhada do tamanho da criança x.x
    O tio da copiadora falando p/ uma menina no início da faculdade que era pra ela se inspirar em mim e que aquilo nas minhas mãos era uma monografia e a menina quase infartou achando que ela ia ter que fazer um trabalho daquele tamanho e eu falando pra ela não escrever um monstro…
    Precisava nascer desse tamanho todo Tor?!
    Meu orientador estava todo feliz, querendo utilizar nas aulas de Criminologia (ah sim, ele TBM é professor de Criminologia) e falando que não tem tese de mestrado que fica tão boa e tals, mas acho que a Tor não precisava ficar TÃO grande, né?!
    Aí eu fui lá na secretaria depositar e a secretária me olha:
    “É uma monografia?” E eu respondo: “sim”
    “Tem duas vias?” Eu estava com 4 volumes gigantes (2 de anexo e 2 de monografia) e ela achando que não teria 2 vidas? o.O Cuma? Não entendi!
    Só sei que depois ela ficou olhando p/ Tor, fazendo sinal positivo com a cabeça e resmungando: “hmmmm”.
    E eu saí falando: “It’s alive! It’s alive!”
    Agora só preciso apresentar minha monstrinha linda pra ser aprovada e virar bacharel em direito e poder beber todas na formatura!
    Só sei que a Tor me fez descobrir que eu tbm tenho super poderes! O poder da multiplicação. Minha amiga pediu ajuda p/ fazer tabelas e ver umas coisas na mono dela, eu ajudei e a mono dela aumentou umas 2 páginas, no dia seguinte outra amiga me pediu ajuda, eu sentei perto dela e aumentou 1 capítulo e uma terceira me ligou e eu dei uma sugestão de incluir anexos e a dela aumentou 80 páginas!
    Quem vai me dar uma nota de 100 reais p/ eu multiplicar dinheiro??