Monthly Archives:September 2011

  • Decoração de geeks – parte II

    Post Image


    1. tampa de ralo de banheira com saboneteira
    2. porta-cartões pin up
    3. saleiro e pimenteiro
    4. porta-retratos
    5. porta-pijama
    6. quadro magnético brigadeiro
    7. aparador de livro de borboleta
    8. pinça
    9. relógio despertador
    10. capacho

    Objetos do site Coisa de Arquiteto

  • Memórias de uma Gueixa

    Post Image

    Memórias de uma gueixa (livro)
    Arthur Golden
    (5/5)
    Sinopse: “Memórias de uma Gueixa” é um romance fascinante, para ser lido de várias maneiras: como um mergulho na tradicional cultura japonesa, ou um romance sobre a sexualidade, e ainda, como uma descrição minuciosa da alma de uma mulher já apresentada por um homem. Seu relato tem início numa vila pobre de pescadores, em 1929, onde a menina de nove anos é tirada de casa e vendida como escrava. Pouco a pouco, vamos acompanhar sua transformação pelas artes da dança e da música, do vestuário e da maquilagem; e a educação para detalhes como a maneira de servir saquê revelando apenas um ponto do lado interno do pulso – armas e mais armas para as batalhas pela atenção dos homens. Mas a Segunda Guerra Mundial força o fechamento das casas de gueixas e Sayuri vê-se forçada a se reinventar em outros termos, em outras paisagens.

    Opinião: eu comprei porque estava em promoção no Submarino e porque vi gente falando bem do livro, mas não estava muito ansiosa para começar a leitura.
    Tive até um certo preconceito achando que seria um desses livros chatos que as professoras pedem p/ gente ler na escola. Mas por sorte minha eu estava terrivelmente enganada.
    Logo nas primeiras linhas fui me apaixonando pela narrativa. O livro narra as cenas muito detalhadamente e eu ia ficando deslumbrada com tanta perfeição na narrativa. E com o passar dos capítulos é impossível não se apaixonar pela história de Chiyo/Sayuri *_*
    Eu sempre achei interessante a cultura oriental, mas nunca parei para ler nada sobre e a riqueza de detalhes do livro me ajudaram bastante nisso. Adorei! (acho que um pouco do meu preconceito antes de iniciar a leitura foi pela história se passar no oriente)
    É um romance inacreditável que faz a gente viajar e sonhar.

    “Nenhum de nós recebe neste mundo a bondade que deveria receber.” – Presidente, Memórias de uma Gueixa

    Memórias de uma gueixa (filme)Memoirs of a gueisha (2005)
    (3/5)
    Sinopse: Chiyo (Suzuka Ohgo) foi vendida a uma casa de gueixas quando ainda era menina, em 1929, onde é maltratada pelos donos e por Hatsumomo (Gong Li), uma gueixa que tem inveja de sua beleza. Acolhida por Mameha (Michelle Yeoh), a principal rival de Hatsumomo, Chiyo ao crescer se torna a gueixa Sayuri (Zhang Ziyi). Reconhecida, ela passa a desfrutar de uma sociedade repleta de riquezas e privilégios até que a 2ª Guerra Mundial modifica radicalmente sua realidade no Japão.

    Opinião: Fui inventar de assistir ao filme depois de ler o livro e me ferrei, é claro! Achei o filme superficial e a história meio perdida, faltando fatos para entrelaçar o enredo.
    Mas mesmo assim é muito bonito.
    O impressionante é que a riqueza de detalhe do livro faz com que formemos a imagem na nossa cabeça que foi transmitida exatamente como no filme.
    A descrição dos trajes e dos rituais das gueixas foram tão bem narrados no livro que quando vi no filme achei que já tinha assistido a ele, mas não, era apenas minha visão do livro.
    Algumas coisas estão bem diferentes do livro e do filme, são apenas alguns pequenos detalhes, mas achei que deixaram o filme menos rico.
    E a lente de contato da Chiyo/Sayuri ficou muito evidente, me deu até vontade de rir de tão gritante e falso que ficou, mas as atrizes que interpretam a Sayuri e a Mameha são lindíssimas.



  • Crescendo

    Post Image

    Becca Fitzpatrick
    (5/5)
    Sinopse: Nora deveria saber que sua vida estava longe de ser perfeita. Apesar de começar uma relação com seu anjo da guarda, Patch (quem, título à parte, pode ser descrito como qualquer coisa, menos angelical), e sobreviver a um atentado a sua vida, as coisas não parecem melhorar. Patch está começando a se afastar e Nora não consegue descobrir se é para o seu próprio bem ou se o seu interesse voltou-se para sua arqui-inimiga, Marcie Millar. Sem contar que Nora é assombrada por imagens de seu pai e ela fica obcecada querendo descobrir o que realmente aconteceu com ele naquela noite em que ele partiu para Portland e nunca voltou para casa. Quanto mais Nora se aprofunda no mistério da morte de seu pai, mais ela começa a se perguntar se sua ascendência nefilim tem algo a ver com isso, assim como o por quê de ela estar em perigo com mais freqüência do que as garotas normais. Já que Patch não está respondendo suas perguntas e parece estar atrapalhando, ela tem que começar a procurar as respostas por si só. Confiar demais no fato de que ela tem um anjo da guarda põe Nora em perigo de novo e de novo. Mas ela pode mesmo contar com Patch ou ele está escondendo segredos mais obscuros do que ela pode imaginar?

    Opinião: Continuação da série Hush, Hush e, na minha opinião, melhor que o primeiro livro. O início é um pouquinho parado, mas isso é compensado pelo suspense envolvendo a morte do pai da Nora e o misterioso “Mão Negra”.
    Além disso, tem todo rolo dela com o Patch e Scotty, o novo personagem.
    O livro tem várias partes de suspense e emoção e, apesar de não ser meu estilo favorito, consegui ficar presa do início ao fim.
    Confesso que fiquei com raiva da Nora em várias passagens e a forma como ela agiu em diversos trechos não tinha nada a ver com o título “Crescendo”. Ela foi completamente imatura e irresponsável, praticamente na história inteira, mas mesmo odiando isso foi o que manteve o enredo e o suspense.
    A melhor parte é o final, termina com mais suspense ainda e faz uma ligação perfeita para a continuação da série (que estou louca para ler, falando nisso).
    Mesmo estudando consegui ler em menos de 24h! O que comprova que é um livro envolvente e viciante, mesmo sendo literatura adolescente – que eu amo, diga-se de passagem.