Monthly Archives:November 2013

  • Livro: Seis Coisas Impossíveis

    Post Image

    SEIS_COISAS_IMPOSSIVEISFiona Wood
    (5/5)
    Editora Novo Conceito
    2013
    271 páginas

    Sinopse: Dan Cereill levou um encontrão da vida: seu pai faliu, assumiu que é gay e separou-se de sua mãe, tudo de uma vez só. Enquanto isso, sua mãe recebeu de herança uma casa tombada pelo patrimônio histórico que cheira a xixi de cachorro, mas que não pode ser reformada… E, agora, Dan está vivendo em uma casa-relíquia que parece um chiqueiro, com uma mãe supertriste e sem conseguir falar com o pai — que ele ama muito. Suas únicas distrações são sua vizinha perfeita, Estelle, e uma lista de coisas impossíveis de fazer, como: 1. Beijar a garota. 2. Arrumar um emprego. 3. Dar uma animada na mãe. 4. Tentar não ser um nerd completo. 5. Falar com o pai quando ele liga. 6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí… Mas impossível mesmo será: 1. Não torcer para que Dan supere seus problemas. 2. Não rir muito com os devaneios dele. 3. Não querer ter um cachorrinho como Howard. 4. Não desejar que a mãe de Dan encontre a felicidade. 5. Parar de ler este livro. 6. Não querer abraçar o livro depois de tê-lo terminado…

    Opinião: Apesar do livro ter título de auto-ajuda e uma capa de auto-ajuda, ele não tem nada a ver com o gênero. É a história de um garoto teve uma grande reviravolta na vida e precisa aprender reaprender a viver.
    Esse foi um dos livros mais fofos que eu li esse ano. Mesmo o protagonista sendo do sexo masculino e a narrativa ser em primeira pessoa, a história é bem fofinha e com certeza agradará bem o público feminino.
    Quando recebi os lançamentos de outubro da Novo Conceito escolhi começar a ler esse livro por causa do número de páginas (sempre gosto de começar a ler pelo menor para adiantar os trabalhos) e não me arrependo nem um pouco.
    Os capítulos são bem curtinhos. Alguns têm apenas uma páginas e outros duas ou três folhas. Adoro livros com capítulos curtos porque a leitura sempre avança mais rápido. Nessa história de ler “só mais um capítulo” eu acabo lendo mais da metade do livro em apenas uma sentada.
    E a narrativa simples, objetiva e em primeira pessoa ajuda muito na fluidez da leitura. Até quem não gosta muito de ler ficaria simpático a essa soma de “ingredientes mágicos”.
    Apesar da capa não ser tão chamativa, ela é fofa, como a história e os desenhos da capa também estão presentes no miolo, demarcando cada início de capítulo. O trabalho de diagramação da obra ficou perfeito. Tudo combinou muito bem e o resultado final do conjunto ficou perfeito.
    O livro começa com Dan contando os dramas da sua vida. Sua mãe recebeu uma casa de herança de sua tia-avó, ao mesmo tempo em que seu pai faliu, assumiu que era gay e saiu de casa. Teria sido um golpe de sorte eles terem ganhado a casa justamente em um momento de crise, mas a casa estava velha, fria, com cheiro de xixi, cheia de objetos antigos e o pior de tudo: a casa foi tombada pelo Patrimônio Histórico, então Dan e sua mãe só têm o direito de uso da casa, não podem vender ou ficar com nada de dentro dela. Além da casa, eles também herdaram o cachorro da tia-avó, Howard, que está velho e precisa de cuidados especiais.

    – Que saco você não poder ficar com nada disso. Você estaria feito.
    É tipo viver cercado de muita água, água por toda a parte, e não beber nem uma gota – digo.
    – Total – concorda ele.
    P. 45

    Por causa de todos esses acontecimentos, Dan é obrigado a mudar de escola e encarar uma nova realidade.
    Claro que com todos esses problemas, Dan também arruma outro, ele se apaixona por sua vizinha, Estelle e, mesmo sem nunca ter trocado uma palavra com ela, ele tem como o primeiro item de sua lista beijar a garota.

    Parece que fico pensando em Estelle na maior parte do tempo. É como se alguém tivesse mudado as minhas configurações para “Estelle” sem a minha permissão, ou se ela tivesse se tornado a imagem de proteção de tela do meu cérebro. O desejo se misturou com um sentimento nobre (totalmente extraterrestre) de querer oferecer a Estelle só o melhor de mim. O que complica, porque não sei o que existe de melhor em mim. Mas precisa ser mais do que isso que está rolando agora.
    P. 31

    Dan é um adolescente que aprende a amadurecer rapidamente. Ele precisa ser forte por ele e pela mãe e também precisa cuidar deles e de Howard, arrumar algum dinheiro para que não morram de fome e sobreviver à escola.
    Para meninos meio nerds e responsáveis sobreviver à escola é a tarefa mais complicada de todas, principalmente quando se desvencilhar desse estereótipo é impossível e Dan sabe muito bem o que é isso.

    Acho que seria mais fácil tatuar loser na testa e acabar com isso de uma vez por todas.
    P. 37

    O único amigo de Dan é Fred. Eles se conhecem desde pequenos e quando Dan se muda de escola, ele passa o período escolar sozinho.
    Em casa, a situação do garoto não é muito agradável. Ele vive brigando com a mãe, porque ela montou um negócio de bolos de casamento, só que além de fazer os bolos ela também dá conselhos matrimoniais, que fazem com que as clientes desistam do casamento e por isso não compram mais os bolos. Dan não aceita essa falta de maturidade da mãe e por isso, eles vivem em guerra.

    E estou chorando de novo. Isso não pode ser saudável. Estou me afogando. Tudo parece tão implacável e impossível. É como tentar correr no solo sem nenhum atrito. Não posso depender de ninguém, não tem ninguém para resolver os problemas, ninguém para pagar a conta, ninguém para passar a bola. Estou sozinho aqui, sem dinheiro, sem soluções – e a minha mãe, com um negócio que não vai para frente e sua obsessão por Thom Yorke, certamente não precisa de mais notícias ruins.
    P. 151

    Dan é um menino bem metódico e tudo dele é em listas (de seis coisas). Além da lista das coisas impossíveis ele também cria listas de comidas favoritas, perguntas que ele faz, acontecimentos recentes, etc. É bem interessante e algumas delas são bem engraçadas. Achei que as listas deram um toque especial à característica de responsável do Dan. Quantos adolescentes são tão organizados a ponto de criar listas o tempo todo?
    Apesar de todo drama, o livro é bem humorado e tem várias partes engraçadas. É uma história bem levinha e ótima para ser lida após leituras mais densas e de maior reflexão.
    Conforme a trama avança, Dan vai fazendo amizades na escola. Principalmente, Lou, que é uma versão feminina de Fred e se torna a melhor amiga dele lá. E também Estelle e sua melhor amiga, Janie. Os quatro (e Fred) acabam formando um grupo bem bacana e se envolvem em situações bem inusitadas e típicas de adolescentes.
    Dan também consegue um emprego remunerado no Café Phrenology e aos poucos as coisas vão chegando nos eixos.

    De repente, eu não tenho tanta certeza de que estou desenvolvendo um entendimento mais maduro da situação do meu pai, e bate aquela ansiedade. Não estou pronto para vê-lo. Isso envolveria ter de falar com ele. Para acabar com essa conversa, digo que tudo bem ele ter ido embora, que estou bem. Mas não consigo. Estou ricocheteando como uma bolinha de fliperama, da ambivalência à incredualidade e então à raiva, e quicando perto da vergonha de novo. Justo quando eu achava que as coisas estavam evoluindo. Até parece que eu sei alguma coisa.
    P. 197

    Gosto muito de livros adolescentes para passar o tempo e esse foi um que me conquistou de verdade, mas o diferencial dele, foi o fato da história se passar na Austrália. Nunca tinha lido nenhum história que se passasse por lá e gostei bastante de ler algo assim. Apesar da ambientação da história ser na Austrália, não tem muita diferença entre esse e os livros que se passam em outros países, acho que no fim das contas, adolescentes são todos meio parecidos.
    E sim, em relação à sinopse todos os seis itens impossíveis para o leitor são verdade.
    Torci pelo Dan do princípio ao fim, ri bastante com os devaneios, quis ter um cachorrinho (não necessariamente como o Howard, porque ele já está velhinho, mas um com a personalidade dele sim), desejei muito que a mãe do Dan saísse da fossa, só consegui parar mesmo de ler esse livro quando ele terminou e o abracei no fim, porque eu gosto de abraçar livros bons quando eles acabam.
    A autora, Fiona Woods, cresceu na Austrália. Formou-se em Artes e é uma conhecia roteirista de TV. Ela começou a escrever quando teve filhos e Seis Coisas Impossíveis é o seu primeiro livro.

  • Livro: Terras Metálicas

    Post Image

    TERRAS_METALICASRenato C. Nonato
    (4/5)
    Editora Novo Século
    2012
    616 páginas

    Sinopse: A Última Guerra lavou a atmosfera com uma massa nuclear, tornando-a incapaz de sustentar a vida. Para continuar sobrevivendo, a humanidade precisou se adaptar, isolando-se numa atmosfera artificial: a Esfera, local onde tem se mantido com o passar das gerações. A utopia da sociedade reinou desde então, com a paz sendo mantida com mão de ferro pela Elite. Mas essa paz pode acabar… Raquel é uma recém-formada em primeiro nível na Academia, que passa seu tempo livre entre Saturno – o parque temático da Esfera – e divagações sobre seu sonho de voar. Ao iniciar uma nova etapa de vida, ela vai encarar a cerimônia de implante que pode tornar esse sonho realidade, se a habilidade dos Túneis lhe for conferida. Mas essa nova etapa também vai levá-la por caminhos perigosos… Raquel descobrirá que o IA, responsável por todos os sistemas de sobrevivência da Esfera, está com os dias contados. Como manter a sanidade sabendo que a vida tal qual você conhece está para acabar? Raquel ainda não tem essa resposta, mas vai precisar encontrá-la. E para isso ela precisará, mais do que nunca, da ajuda de seus amigos… Tashi, Tales, Ângelo, Camila, Liceu, Isabela e Nirvana lhe darão sustentação quando tudo o mais na utópica Esfera estiver ruindo.

    Opinião: Quando li a sinopse desse livro fiquei bastante curiosa, principalmente porque eu adoro distopias e nunca tinha lido nada nacional sobre o assunto.
    Pessoalmente a capa não é tão atrativa e isso só não me desmotivou porque minha fila de leitura estava bem tranquila.
    Lemos o livro sobre a perspectiva de Raquel, uma jovem de 12 anos que acaba de se formar na Academia (uma espécie de escola da Esfera). Raquel mora com os pais e Tashi, seu mascote, em um dos blocos residenciais da Esfera. A Esfera nada mais é do que uma estrutura dentro do globo terrestre que abriga a população sobrevivente à Última Guerra.
    Tudo na Esfera é altamente tecnológico e cheio de máquinas, Tashi, inclusive é uma delas. Ele é uma estrutura esférica, metálica, que consegue flutuar pelo espaço e têm uma incrível inteligência artificial, chegando a ser quase humana e se chama tashi. Cada tashi possui personalidade e nome próprio, que é dado pelo seu dono. Raquel recebeu o seu quando ainda era criança e como não tinha muita criatividade, acabou chamando o seu mascote de Tashi.
    Eu via o Tashi (e os outros mascotes) e lembrava do Linguado, da Ariel. Claro, se Ariel não vivesse no mar e Linguado não fosse um peixe.

    O tashi era uma pequena esfera, um pouco maior que as extintas bolas de tênis. Metade de sua superfície era recoberta por metal e microcircuitos, com minúsculos pontos e linhas azuis, a outra era um visor côncavo capaz de reproduzir imagens, dar notícias ou acessar a televisão local, mas que na maior parte do tempo apresentava um fundo branco com dois pontos robustos e um risco, numa imitação simplória do rosto humano.
    P. 9

    Quando os jovens se formam na Academia eles participam da cerimônia de Implante, onde cada um recebe um chip na nuca que interage com o sistema nervoso dando uma espécie de “super poder” (habilidade) a quem recebe o implante. Cada “poder” está relacionado a um grupo de pessoas: Sibérios, Túneis, Bios, Antenas e Exilados. Quando os jovens recebem os chips, eles passam a ter aulas específicas de acordo com o grupo a que pertencem. Nessas aulas eles aprendem a controlar e a dominar os poderes do chip.

    Os chips agem diretamente na medula, sendo ativados pelos impulsos elétricos que passam por ela. Cada pessoa produz determinada quantidade de impulsos, e é isso que lhes confere as diferentes habilidades. Porém, há uma delicada faixa que é incapaz de ativar o chip e é o que acaba tornando a pessoa um Exilado.
    P. 37

    Raquel e seus amigos acabaram de ser implantados e estão muito ansiosos para começar a suar seus poderes.
    Raquel e sua melhor amiga, Camila, se tornam Túneis e possuem uma habilidade de criar túneis (que é mais imaginar como sendo braços) mentais que podem movimentar objetos e fazer outras coisas do tipo e também voar.
    Tales, se torna um Bio e pode mudar o seu visual com o poder da mente, assim como aumentar sua força física.
    Ângelo desmaia durante a cerimônia e não faz o teste. Como a grande maioria dos estudantes que desmaia durante a cerimônia se torna um Exilado, ou seja, alguém sem nenhum poder específico, o teste não precisou ser feito no garoto.
    Apesar de habilidades diferentes e estarem em aulas diferentes, os quatro continuam amigos inseparáveis e vão a todos os lugares juntos, principalmente ao parque temático Saturno.
    Além deles, Raquel ainda convive com sua arqui-inimiga, Luana e sua tashi Sagitária e Isabela, uma Sibério, neta de Alastor, um membro muito importante da Elite (governo a Esfera). Isabela acaba se tornando amiga do quarteto por acaso, mas nem por isso a amizade é menos significativa.
    Os primeiros capítulos são basicamente de apresentação dos personagens e de explicação de como é o funcionamento da Esfera. Apesar de parecer meio monótono não é. O livro é cheio de ação do início ao fim e não dá vontade de interromper a leitura.
    Mas nem só de vida Acadêmica e diversão é o livro. Raquel descobre que existe uma Facção (rebeldes) que quer tirar a Elite do poder e que há um atrasado no mainstream da Esfera, o que pode colocar a vida de todos em risco. Sabendo desses acontecimentos, Raquel e seus amigos saem em busca de informação e de meios de salvar a Esfera e a vida humana.

    – Povos que só conhecem a guerra buscam a paz, povos que só conhecem a paz buscam a guerra… Essas são as palavras do Setor de Memórias. Palavras escritas pelo povo que construiu a Esfera, um povo que encontrou a guerra…
    P. 335

    Terras Metálicas é o primeiro livro do autor Renato Nonato e ele não deixa nada a desejar em relação a outros autores de renome. Ao fim do livro há um gancho ótimo para uma possível continuação da história e tenho certeza de que fará tanto sucesso quanto este.

    – Nem sempre os mocinhos fazem coisas boas…
    P. 458

    A diagramação do livro também é muito boa e há pouquíssimos erros de português. Como já disse, eu não gostei muito da capa, mas a sinopse por si só “vende” o título. Só não dei nota máxima porque por mais que a leitura fluísse bem e a história ser bem interessante, eu não consegui gostar por completo da trama.
    Não sei explicar exatamente o que eu não gostei, mas em determinados momentos eu só queria chegar ao fim da página 616.

  • Concurso Cultural: O que faz um Natal especial?

    Post Image

    promo1
    Para comemorar o Natal, o Polypop se juntou aos blogs By Bruna Kitty, Parreira do Gil e Sweet Luly para dar a um único ganhador quatro prêmios incríveis!
    Será um kit do livro Olho por Olho, um kit do livro A casa das orquídeas, um DVD Dumbo (edição de 70º aniversário) e uma caneca personalizada.
    Para participar basta responder à pergunta: O que faz um Natal especial? A resposta mais criativa leva os prêmios.
    O resultado será divulgado dia 25/12 nos blogs participantes.
    Não é obrigatório seguir as páginas dos blogs no Facebook, mas se você quiser ajudar a divulgar nosso trabalho agradecemos muito!

    REGULAMENTO:

    O Concurso terá início no dia 25 de novembro de 2013, a partir das 12:00h, horário de Brasília, e prazo final às 23:59h do dia 20 de dezembro de 2013. O nome do vencedor do Concurso será divulgado nos blogs participantes da promoção no dia 25 de dezembro de 2013 até as 18:00h.
    Leia o regulamento e se informe sobre o concurso. Depois preencha o formulário com a sua resposta.
    Continue Reading…