Monthly Archives:April 2014

  • BC: Discos da minha vida

    Post Image

    E lá vem o Rotaroots com mais um tema adorável para Blogagem Coletiva do mês de abril (desculpa, não deu para fazer antes, mas fiz, tá?!).
    Eu sei que daria uma dissertação de mestrado falar sobre todos os discos que marcaram minha vida, mas vou resumir bem e colocar apenas os principais.

    polypop_bc_albuns1
    SPICE: O primeiro album das Spice Girls e também o meu preferido. Já era fim de 1997 e eu ainda não tinha ouvido falar em Spice Girls, mas fui na lojinha de discos do meu bairro comprar alguns CDs de Natal e encontrei uma coletânea com várias músicas pop. Eu gostei do nome de uma das bandas (Spice Girls) e comprei o CD. Cheguei em casa e não consegui mais tirar o CD do mini-sistem, nem parar de ouvir a música das Spice Girls (Wannabe).
    Pouco tempo depois, pedi para minha mãe comprar uma revista na banca para mim (nem lembro qual) e ela me trouxe uma das Spice Girls. Era apenas o livro com a biografia oficial, uma camiseta e um adesivo, lançados pela Jovem Pan. No mesmo dia pedi para minha mãe o CD das Spice Girls, fomos na lojinha, mas lá só tinha o segundo disco, Spice World. Comprei, mas ainda queria o Spice.
    Somente dia 19 de março de 1998 consegui meu querido Spice. Minha tia foi ao centro de Vitória e o trouxe para mim. Virou meu preferido.

    NO ANGEL: A música Stan estava tocando em todas as rádios e eu queria porque queria a música, as coisas não eram tão fáceis como é hoje e para eu ter a música legalmente eu precisava comprar um CD inteiro. Fui na loja (querida falecida Lazer Discos) e comprei o CD da moça que cantava com Eminem, só por causa dos “Thank Yous” e me apaixonei completamente. Foi um dos CD que eu mais ouvi no fim dos anos 90/início dos anos 2000.

    ROCK BALLADS: Eu era um ser que ouvia muito axé porque na escola a gente tinha que cantar Beleza Rara antes de entrar em aula e minhas coleguinhas dançavam essas coisas na hora do intervalo, então rock era algo que eu jamais imaginaria ouvir… mas nessa época eu tinha um primo abençoado morando na minha casa e ele tinha CD e ouvia direto. Fui lá comprei também e não conseguia parar de ouvir One of us, Ode to my family e I Still haven’t found what I was looking for.

    WORDSHAKER: Esse CD foi o primeiro CD internacional autografado que eu consegui. Claro que ele é mais que especial. Comprei em pré-venda diretamente com a Universal UK e recebi ele bonitinho e autografado na minha casa. Ter um de uma banda que a gente gosta já é bom, agora imagina um CD autografado? Não é o que tem as minhas músicas preferidas das The Saturdays, mas é o primeiro autografado, então tem uma importância ainda maior.

  • Livro: O lado mais sombrio

    Post Image

    O_LADO_MAIS_SOMBRIOA. G. Howard
    (5/5)
    Editora Novo Conceito
    2014
    367 páginas

    Sinopse: Alyssa Gardner ouve os pensamentos das plantas e animais. Por enquanto ela consegue esconder as alucinações, mas já conhece o seu destino: terminará num sanatório como sua mãe. A insanidade faz parte da família desde que a sua tataravó, Alice Liddell, falava a Lewis Carroll sobre os seus estranhos sonhos, inspirando-o a escrever o clássico Alice no País das Maravilhas. Mas talvez ela não seja louca. E talvez as histórias de Carroll não sejam tão fantasiosas quanto possam parecer. Para quebrar a maldição da loucura na família, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e consertar alguns erros cometidos no País das Maravilhas, um lugar repleto de seres estranhos com intenções não reveladas. Alyssa leva consigo o seu amigo da vida real – o superprotetor Jeb –, mas, assim que a jornada começa, ela se vê dividida entre a sensatez deste e a magia perigosa e encantadora de Morfeu, o seu guia no País das Maravilhas. Ninguém é o que parece no País das Maravilhas. Nem mesmo Alyssa…

    Opinião: Assim que li a sinopse e vi o booktrailer sabia que esse seria um livro sensacional, mas não imaginava que iria gostar tanto. Claro que eu gosto da história da Alice no País das Maravilhas, mas no início eu fiquei com receio de ler e me decepcionar. Sabe, ter todas as imagens da história original deturpadas? Mas nada disso aconteceu, para minha felicidade!

    “Deseje com todo o seu coração” O comando vaga em minha cabeça, silencioso como um eco do meu passado. “Em seguida, entre”.
    P. 91

    Alyssa Victoria Gardner é tataraneta de Alice Liddel, a garota que inspirou Lewis Carroll a escrever a história de Alice no País das Maravilhas. Alyssa sofre de uma maldição: ela ouve plantas e insetos falando. E tudo isso é culpa de sua tataravó e do que ela aprontou no País das Maravilhas. Por causa dessa maldição, todas as descendentes do sexo feminino de Alice podem ouvir plantas e insetos e por isso são consideradas loucas.
    Para acabar com a maldição e tirar sua mãe do sanatório, Alyssa precisa entrar na toca do coelho e desfazer a bagunça de Alice.

    Ele se afasta com os olhos sombrios. – Quer que eu pare?
    – Não. – Eu tantas vezes adormeci rezando para que você me olhasse desse jeito. Me tocasse desse jeito. – Não parta meu coração.
    P. 192

    O livro é cheio de mistério e aventura. Tem ação do início ao fim e é impossível se segurar ao fim de um capítulo para não começar o próximo.
    É uma leitura muito envolvente. Tem um tom meio misterioso e sombrio, como os filmes de Tim Burton e também toda a loucura presente no original de Lewis Carroll.
    Ou seja, é impossível não querer ler e não sentir qualquer coisa pela leitura.

    É estranho como ele às vezes pode me ler tão bem, embora em outras seja tão distraído.
    P. 225

    O toque de romance fica por conta da paixão platônica que Alyssa tem pelo seu amigo de infância, Jeb. É muito bonitinho ver os dois juntos e todas as descobertas da primeira paixão adolescente.
    Jeb além de amigo é o típico caso de irmão mais velho da melhor amiga que trata a amiga da irmã como irmã, sem saber que a menina nutre um sentimento de algo mais por ele.
    Eu sei que é totalmente clichê, mas não deixa de ser absurdamente fofo.

    Mas a fome dentro de mim esmaga minha consciência. É mais do que o desejo por comida. Estou faminta de poder também. Poder fazer o cara que eu quero se ajoelhar. Fazê-lo pagar por não me querer de volta.
    P. 231

    Além de Jeb, um ser intraterreno (que faz parte do País das Maravilhas), Morfeu, também mexe com o coração de Alyssa e a deixa meio dividida entre os sentimentos.
    Morfeu é um dos personagens mais complexos da história e também o mais misterioso. Em vários momentos me perguntei se era apenas egoísmo ou ele sentia alguma coisa verdadeira por Alyssa.

    O medo fez morada em meu coração, e eu não sei como isolá-lo.
    P. 276

    O ótimo enredo do livro vale por si só, mas a editora fez um excelente trabalho de diagramação. A capa é linda e consegue transmitir a essência da história. O material da capa é comum, apenas com brilho. Apesar de preferir papeis com textura e outros detalhes como alto relevo, gostei da simplicidade nesse ponto, pois aumenta a durabilidade do livro.
    O miolo é lindo. Cheio de detalhes nas páginas e uma fonte bem desenhada para escrever o nome dos capítulos. Só não gostei muito dos detalhes nas margens inferiores, no lugar onde ficam as páginas, tive dificuldade para ler alguns números. Nada que atrapalhasse a leitura em si, mas não facilitou o trabalho na hora de fazer as citações.

    Pois essa é a essência de uma alma. Esperanças, sonhos e amor.
    P. 284

    A boa notícia para quem gostou da história é que O lado mais sombrio é apenas o primeiro livro de uma série. A saga Splintered possui 3 livros lançados no exterior Splintered (O lado mais sombrio), que é o primeiro livro, The Moth in the Mirror (livro 1.5) e Unhinged (livro 2) e a previsão é de que em 2015 seja lançado o terceiro livro, Ensnared.
    Vamos aguardar ansiosamente.
    Lance-os logo, Novo Conceito! Prfvr?

  • #100happydays

    Post Image

    polypop100happydays
    #100happydays é um projeto que várias pessoas estão fazendo nas redes sociais. O objetivo é postar uma foto por dia com a tag #100happydays de algo que te fez feliz naquele dia.
    Achei o tema lindo e agora que estou com um celular com câmera decente vou tentar fazer o desafio no instagram. Quem quiser ver as fotos, procure lá pela minha hashtag #polypop100happydays

    71% das pessoas que tentaram completar esse desafio falharam, citando a falta de tempo como principal razão. essas pessoas simplesmente não tinham tempo para ser feliz. você tem?

    Vem brincar também, gente! Se cadastre no site, escolha a plataforma para postar suas fotos e vem ser feliz :)