E aí? Como foi o Carnaval de vcs?
O meu foi chatinho e terminou péssimo, pq ganhei uma dor na coluna que não passou até hoje e só piora. Fins de semana estou passando de repouso absoluto, deitada na cama ou na poltrona da sala, aí segunda-feira eu acordo melhor, mas na sexta-feira já virei caco de novo… Acho que vou precisar ir a um médico mesmo (coisa que eu odeio), mas preciso da coluna pra viver.
Aproveitei o feriado p/ ver alguns filmes da Julia Roberts, ler um pouco e saí algumas vezes p/ ver o trio saindo na praia e só, nada muito animador, até pq Carnaval p/ mim só é bom pq é feriado, do contrário seria a pior invenção da humanidade.
No sábado após o Carnaval e minha coluna já pedindo arrego de tanta dor, fui com o primo, a mulher (que ainda estavam aqui) e minha mãe ver o jogo do filho dele, lá no estádio do Vitória. Acabou que o menino não jogou, ele era reserva e um jogador do Vitória foi expulso no início do primeiro tempo, aí não teve vez p/ ele. O jogo terminou empatado. Tirei algumas fotos e postei no Flickr, quem quiser conferir, passe lá.
Nessa semana agora foi a colação de grau (em Ciência da Computação, eu acho) do meu padrinho, lá no Clube Ítalo e depois fomos p/ barzinho comer pastel. Felicidade e orgulho por mais um formado na família :) a elite intelectual da família está crescendo uhuuuuuu!!!


Agora os filminhos e o livro:

Hook (Hook, 1991)
(4/5)
Sinopse: Peter Pan cresceu, tem 40 anos, virou executivo, casou-se e tem dois filhos e nem lembra mais da sua infância. Por causa do trabalho, deixou de dar atenção à família. Mas o Capitão Gancho, seu arquinimigo, resolve seqüestrar os filhos de Peter Pan, a fim de forçá-lo a retornar à Terra do Nunca.
Opinião:Típico filme de Sessão da Tarde, mas bem divertido!! É uma aventura infantil (por isso típico de Sessão da Tarde)e é ótimo!! Tem partes bem engraçadas, de suspense, romance… bom p/ crianças de todas as idades ^_^ E eu percebi vendo esse filme que eu choro mais com filme “infantil” do que com filme de “gente grande”. Sério!! Nas cenas de conquista e tals eu confesso que derramei algumas lágrimas, sendo que filmes extremamente tristes que eu não choro nem um pouquinho… vai entender, né?!

O Dossiê Pelicano (The Pelican Brief, 1993)
(3/5)
Sinopse: Darby Shaw, uma estudante de Direito de Nova Orleães, descobre um esquema que envolve o assassinato de dois membros da Suprema Corte na mesma noite e prepara um dossier contendo as suas opiniões e estudos sobre os crimes.Ela chega a uma surpreendente conclusão e, nas mãos erradas, as informações daquele documento significariam uma revolta na política do país. Assim, quando Darby vê que a sua vida corre perigo e tem apenas ao seu lado Gray Grantham, um jornalista, ele passa a ajudá-la a tentar solucionar o esquema por completo.
Opinião: já ouvi vários comentários positivos a respeito desse filme, mas não o achei tão bom assim. Em vários momentos a Darby se comporta como uma idiota e faz todas as coisas que as mocinhas estúpidas não devem fazer. Razoável.

Adoro Problemas (I Love Trouble, 1994)
(5/5)
Sinopse: Um veterano jornalista descobre que bela novata deu um furo de reportagem na sua frente, sobre um acidente de trem, que foi fruto de sabotagem, mesmo ambos se odiarem, precisam unir forças para salvarem suas vidas.
Opinião: Muito bom!!! Os dois jornalistas se odeiam e no fim acabam juntos tentando desventar o caso e salvar suas vidas e tem toda aquela tensão sexual envolvida, além da tensão por eles serem de jornais rivais. Como ele é mais um filme de ação de várias cenas de suspense, nas quais vc acha que vão matar a Julia ou o “par” dela e fazer alguma coisa. E eu adoro esse tipo de filme :D Um corre-corre e pega-não-pega na medida que eu gosto ^_^ Acho que ninguém nunca deu muito valor a esse filme, pq eu nunca nem tinha ouvido falar dele, mas é recomendadíssimo! (pelo menos por mim)

Prêt-à-Porter (Prêt-à-Porter, 1994)
(2/5)
Sinopse: A história se desenrola a partir de pequenos casos e personagens que se interligam ou não durante o filme, como o casal de amantes ansiosos e atrapalhados vividos por Marcello Mastroianni e Sophia Loren, a jornalista deslumbrada de Kim Basinger ou a trinca de editoras de moda (Linda Hunt, Sally Kellerman, Tracey Ullman) que se digladiam e se humilham para conseguir os serviços exclusivos para suas respectivas revistas de um super fotógrafo, vivido por Stephen Rea, tendo como pano de fundo a própria estação de desfiles de alta costura em Paris.
Opinião: Sem graça. O filme era p/ ser um desses filmes inteligentes que criticam a semana de moda de Paris e tem um humor sutil, mas não colou. Muitas histórias juntas, quebrando o tempo todo, que deixou o filme chato. Destaques p/ jornalista chata e p/ fotógrafo maluco que quer fotografar momentos íntimos da elite.

O poder do amor (Something to talk about, 1995)
(3/5)
Sinopse: Esposa carinhosa se dedica aos filhos e a participar de eventos de caridade. Ela leva uma vida aparentemente perfeita até flagrar o marido com outra mulher em um restaurante. Ela, então, resolve tomar uma atitude e deixar sua passividade de lado.
Opinião: É um filme bem água com açúcar, mas eu gostei. Só fala mesmo dos conflitos familiares da Grace e toda confusão que ela arruma com isso, mas é legalzinho. Achei super fofa a Caroline, as cenas dela com o cavalo são as melhores! O que eu não gostei foi do personagem da Julia ter sua vida ferrada e por isso tenta ferrar com a vida todo mundo… odeio gente assim! Ainda mais que meu lema é: “ema, ema, ema, cada um com seu problema”. Mas ainda assim, vale a pena assistir ^_^

As memórias do livro, Geraldine Brooks (livro)
(5/5)
Sinopse: Da Espanha de 1480 até a enfraquecida Sarajevo de 1996, um livro sagrado de valor incalculável é caçado por fanáticos políticos e religiosos. Seu destino está nas mãos de uma talentosa conservadora de livros a charmosa protagonista Hanna, e sua recuperação resulta em um mistério histórico arrebatador.
Quando Hanna é chamada a Sarajevo para examinar o Hagadá, um código judaico do século XV que havia desaparecido durante a guerra da Bósnia, ela não pode acreditar que um documento tão maravilhoso estava preservado depois de tantas guerras e tanto preconceito. A partir de pistas encontradas no próprio manuscrito uma asa de inseto, manchas de vinho e um pêlo branco Hanna desvenda uma série de enigmas fascinantes e reconstrói as memórias do livro. E o resultado é um verdadeiro épico, uma corrida contra o tempo para revelar o passado e dar espaço à crônica da história do livro, enquanto Hanna procura a cura para uma criança vítima da intolerância da guerra, um amor impossível, sua própria identidade e proteção: do Hagadá e de sua própria vida.
Opinião: Perfeito!!! Há muito que eu não lia um livro tão bom assim! Fala um pouco sobre a 2ª Guerra Mundial (tá na moda falar da 2ª GM? Praticamente todos os últimos livros que li trata disso), mas é completamente diferente de tudo que eu já li. Nem preciso falar que lembrei o tempo todo da Luly ao ler né?! xD Fico imaginando ela como a Hanna um dia haha ^_^ Tava procurando informações do livro pra postar a sinopse e acabei achando o site, confiram!