Quando eu tinha uns 12 anos, mais ou menos, a Spice Mania estava no seu apogeu. Meu sonho como Spice fã era ter uma Spice Cam, desde a primeira vez que soube da existência dela. Na época que não existiam câmeras digitais, uma polaroid era o máximo, pois vc podia ver a foto na hora e isso era ótimo!

O preço do filme não era acessível, a Spice Cam não era fácil de encontrar, mas eu queria tanto que ela foi meu presente de aniversário. Depois de meses namorando aquela belezinha preta, roxa e rosa, fui ao shopping com minha mãe e a trouxe para casa. Estreiei-a no mesmo dia tirando fotos de todo mundo e de todos os gatos (eu tinha uns 10 felinos) da casa. Foi um dos dias mais feliz da minha vida de pré-adolescente. Tinha realizado um sonho e tinha um produto oficial das Spice Girls (o que era raro por aqui).

Guardava a câmera com todo carinho e cuidado, era minha relíquia e só queria usar em ocasiões especiais. Só gastei um filme e meio com ela e depois de seis meses aconteceu uma tragédia: ela parou de funcionar.

Não lembro mais qual era o defeito, mas a levei na loja e a loja mandou para fábrica e eu fiquei na angustia esperando por notícias e pelo conserto da minha querida SpiceCam. Acho que ela ficou bastante tempo no conserto (e eu sem ter notícias do ‘estado’ dela), pois um dia voltamos na loja e a vendedora informou tragicamente que não tinham peças na fábrica para consertar minha câmera e eles me dariam uma câmera nova, melhor e mais cara em troca.

Fiquei triste, pois não teria de volta a minha SpiceCam. A câmera que tanto pedi, esperei para ter e no fim, foi embora sem que eu pudesse me despedir. Demorei um tempo para amadurecer a ideia de que eu saí no lucro, pois a câmera nova, que não era uma Polaroid, tinha mais recursos e a qualidade das fotos era bem melhor. No fim acabei me apaixonando pela nova câmera, que me acompanhou por muito tempo, e consegui superar a ideia de perder a SpiceCam.

Fazendo um paralelo com relacionamentos… não vejo a hora de “me oferecerem uma ‘câmera nova'”.