Meus preferidos: O melhor de setembro

Quando olho tudo o que fiz em Setembro parece que foi um mês que durou 500 dias, mas a sensação foi de que durou apenas 2 semanas, de tão rápido que passou.
Estava com muita saudade de fazer um post com os meus preferidos do mês. Com vocês, o melhor de setembro!

O melhor de setembro

Músicas


polypop-playlist-setembro

Livros

De todas as leituras do mês escolhi dois livros que representaram um pouco meu mês. Li e resenhei aqui no blog:

A VOZ DO ARQUEIRO

a_voz_do_arqueiro Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história sobre o poder transformador do amor.
Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.
Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.
Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.
Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.

A IRMÃ DA SOMBRA

a_irma_da_sombra Em A irmã da sombra, terceiro volume da série As Sete Irmãs, duas jovens igualmente determinadas, porém de séculos distintos, conectam-se por meio de diários que retratam uma vida intensa de superação, amor e perdão.
Estrela D’Aplièse está numa encruzilhada após a repentina morte do pai, o misterioso bilionário Pa Salt. Antes de morrer, ele deixou a cada uma das seis filhas adotivas uma pista sobre suas origens, porém a jovem hesita em abrir mão da segurança da sua vida atual.
Enigmática e introspectiva, ela sempre se apoiou na irmã Ceci, seguindo-a aonde quer que fosse. Agora as duas se estabelecem em Londres, mas, para Estrela, a nova residência não oferece o contato com a natureza nem a tranquilidade da casa de sua infância. Insatisfeita, ela acaba cedendo à curiosidade e decide ir atrás da pista sobre seu nascimento.
Nessa busca, uma livraria de obras raras se torna a porta de entrada para o mundo da literatura e sua conexão com Flora MacNichol, uma jovem inglesa que, cem anos antes, morou na bucólica região de Lake District e teve como grande inspiração a escritora Beatrix Potter. Cada vez mais encantada com a história de Flora, Estrela se identifica com aquela jornada de autoconhecimento e, pela primeira vez, está disposta a sair da sombra da irmã superprotetora e descobrir o amor.

Séries

Jane The Virgin
Jane The Virgin
Apesar de ainda não ter terminado a primeira temporada, foi uma das séries que eu mais gostei de assistir em Setembro. Já falei dela no blog e podem saber todas as minhas impressões aqui.

How To Get Away With Murder: Tem Viola, né amores? Preciso maratonar e ficar em dia com a terceira temporada. Cada episódio uma porrada. Também já falei dela aqui e dei todas as razões do mundo para você assistir e se viciar. Releia aqui.

Justiça: a Globo anda produzindo umas séries muito boas. Cada produção maravilhosa, mas de todas já feitas Justiça foi a minha preferida. Em uma única série eles colocaram todos os motivos pelos quais eu quis fazer Direito e pelos quais eu desisti da profissão. Assinantes Globosat, corram lá e assistiam. Principalmente aos episódios contando a história da Fátima. Adriana Esteves lacrou demais.
Plus: a trilha sonora é perfeita.
Justiça

Fotos

As fotos do meu Instagram que eu mais gostei.
fotos-de-setembro
1. Fitas K7; 2. Livro A garota italiana; 3. Re-ments da Hello Kitty; 4. Cookie; 5. Pipoca; 6. Tsurus; 7. Alfajor argentino; 8. Biscoito da sorte; 9. Pastel de leite Ninho com recheio de brigadeiro

Posts

Planning 101: Planejando e organizando
Planning 101: 5 motivos para planejar

E para vocês? Como foi o mês da primavera?

Continue Reading

Série: Jane The Virgin

janethevirgin
Jane The Virgin é uma série americana que eu conheci por causa do Clube do Livro ES e viciei porque sim. Ela é uma adaptação da novela venezuelana Juana la virgen e tem todos os clichês dos dramalhões mexicanos.
Jane
A primeira temporada está disponível na Netflix (grata) e são 22 episódios de 43 minutos. É uma série longa, se formos comparar com outras que estão fazendo sucesso.
Vou ser muito sincera e dizer que a série é ruim, mas tão ruim, tão ruim, tão ruim que chega a ser boa! No meio das reviravoltas e muitos dramas nos afeiçoamos aos personagens e começamos a fazer #teamMichael e #teamRafael.
Jane
Quando Jane era apenas uma garotinha sua avó a ensinou que novelas são a melhor forma de entretenimento e que as mulheres não podem conhecer o cegonho antes do casamento. Atualmente, Jane tem 23 anos, trabalha em um hotel e está noiva de Michael, mas durante um exame ginecológico de rotina ela foi inseminada artificialmente.
O pai do bebê de Jane não é Michael (óbvio), mas ele apoia toda e qualquer decisão de Jane em relação à criança, inclusive ficar com ela, se for o caso.
Jane
Jane descobre que os pais biológicos da criança são Petra e Rafael (seu patrão), que estão com problemas conjugais e conforme os capítulos vão se passando mais complicada fica a vida de Jane.
Não acho que seja uma série para maratonar, mas eu gosto de ficar assistindo os episódios aos poucos, antes de dormir. Um ótimo passatempo.
Alguém já assistiu ou assiste? #TeamMichael ou #TeamRafael? Ainda não tem na Netflix a segunda temporada e agora que estou terminando a segunda estou entrando em depressão porque não sei onde assistir haha (ahh! Já foi renovada para a terceira temporada #ficadica)

Jane

Continue Reading

Filme: Esquadrão Suicida

suicidesquareSuicide Square
(4/5)
Elenco: Will Smith, Jared Leto, Margot Robbie, Joel Kinnaman, Viola Davis, Jai Courtney, Karen Fukuhara, Jay Hernandez, Adewale Akinnuoye-Agbaje, Ike Barinholtz, Scott Eastwood, Cara Delevingne
Distribuição Warner Bros
2016

Amanda Waller está convencida de que o governo norte-americano necessita de sua própria equipe metahumanos para combater ameaças. E ela tem a ideia genial de criar o projeto Esquadrão Suicida, selecionando os maiores vilões para participar de missões para o governo.
Como convencer os vilões a trabalhar para o governo? Implantando um chip na cabeça deles que explodirá caso alguém decida abandonar a missão. Bem motivador, né?
A primeira convocada por Amanda foi Magia, mas ela conseguiu fugir do controle e o governo precisou colocar o Esquadrão Suicida em ação.
Fazem parte do Esquadrão: Pistoleiro, Arlequina, Capitão Bumerangue, Crocodilo, El Diablo e Amarra.
O Coringa não faz parte do Esquadrão, mas está a postos tentando resgatar sua amada Arlequina.

Esquadrão Suicida era um dos filmes que eu estava esperando para assistir no cinema apenas por ser o “filme da moda”. Fui com meus amigos e esta foi a parte boa (além de pagar apenas R$4,50). Não estava com muitas expectativas, só queria assistir mesmo, mas não esperava que fosse o filme do ano, então gostei muito.
Me apaixonei pela loucura da Arlequina, ela fala cada coisa maluca que é impossível não rir. A submissão dela pelo “Pudinzinho” (aka Coringa) é doentia e quem aprova esse tipo de relacionamento só pode ser a mesma pessoa que torcia para Jessica Jones ficar com Kilgrave. Nojento!
O Jared Leto não fez trabalho ruim, mas graças a Deus a participação do Coringa foi pequena, porque achei o personagem muito chato. Queria o Batman ali torturando o infeliz lentamente…
Viola Davis estava perfeita, como sempre. E eu como besta passei o filme todo querendo lembrar o nome da atriz que faz a Arlequina (Margot Robbie) porque estava com a sensação de conhece-la de algum lugar e aí descubro que ela é a Jane de Tarzan (que eu tinha assistido no cinema poucas semanas antes)!
Vale o ingresso, mas pelo amor de Deus, assistam LEGENDADO! A dublagem tirou ótimas piadas, infelizmente.

SUICIDE SQUAD
SUICIDE SQUAD
SUICIDE SQUAD
SUICIDE SQUAD
SUICIDE SQUAD

Fotos: Adoro Cinema

Continue Reading