Cheguei na metade do desafio 52 semanas e vamos falar sobre profissões *o*

Polypop-Desafio-52-semanas-semana-26
Pixabay

Se eu pudesse trocar de profissão, eu seria…

JORNALISTA
Ou jornalista investigativa, dessas de ir atrás da notícia e fazer quase o trabalho do FBI para descobrir como, quando, onde, por que e quem. Ou uma jornalista de estúdio que só fala sobre fofocas inúteis no meio da tarde, bem estilo Sônia Abrão, só que sem ligar para sequestradores e colocar a vida de inocentes em risco.
Porque eu sou 8 ou 80 e gosto muito do mundo jornalístico para ser mais uma.

ESCRITORA
Ainda quero terminar meu livro. Eu tenho algumas ideias rascunhadas e um esqueleto de livro, mas falta tempo de organizar as ideias, sentar e escrever.
Eu sei que escrever um livro não vai me tornar escritora da noite para o dia, para isso é necessário dedicação e muito trabalho. No momento não é possível, mas quem sabe no futuro…

CINEASTA
Ou diretora de cinema (a profissão é a mesma, mas eu prefiro o primeiro nome). Criar uma obra cinematográfica, dirigir todo elenco e produção para se chegar a um resultado final maravilhoso como Gravidade ou Titanic era o meu sonho de adolescente. Mas fui crescendo, brincando muito de fazer filmes na faculdade de Direito e conhecendo gente da área da Comunicação Social e do meio artístico que me fizeram perceber que é melhor eu continuar onde estou mesmo e deixar essas profissões para quem tem mais estômago que eu.

WEB DESIGNER
Desde que comecei a blogar (lá em meados de 2001) que eu me interesso por web designer e até queria fazer uma faculdade de Design para trabalhar em casa só com freelas. Mas eu ainda tenho um pouco de juízo na cabeça e, sinceramente, não vale o investimento. Quero continuar aprendendo coisas úteis para utilizar no blog, mas apenas para uso pessoal, não para trabalhar com isso.

DEFENSORA PÚBLICA
No momento é a única profissão relacionada ao Direito que eu ainda admiro e gostaria de ser. Magistratura e Promotoria não me fazem brilhar os olhos tanto quanto a Defensoria Pública. Mas eu sei que eu não tenho o perfil para encarar o tranco, ainda não.
Talvez no futuro quando a defensoria for mais valorizada e eu tenha mais maturidade para lidar com os ônus da profissão…

PS: confesso que eu fiquei um pouco perdida com o tema dessa semana porque eu não tenho uma profissão definida, mas eu coloquei as que eu tenho uma certa afinidade e já pensei em ser, mas não estão nos meus “planos de carreira”.

E vocês? Gostariam de ser o que?