Inferno astral

Alguns acreditam nisso, outros não, mas isso não interfere no fato de que o dia em que ficamos mais velhos se aproxima. Se de fato existe, digamos que eu fui recepcionada pelo capeta no último exato 30° dia antes do meu aniversário e não foi anda divertido.
Bom, eu já disse que eu tenho uma tia que mora aqui com a gente, e já mencionei isso milhões de vezes no twitter. O fato é que eu não aguento mais as coisas que ela faz, não aguento mais ela querendo mandar na minha mãe, não aguento mais ela batendo no meu cachorro e não aguento mais ela na minha casa. Como ela me irrita profundamente eu tenho uma tática: eu não fico no mesmo cômodo que ela.
Isso seria ótimo, se ela não entrasse no cômodo em que eu estou. Pois bem, no início da semana, estava todo mundo almoçando e meu cachorro começou a latir com ela (pq todo dia na hora das refeições meu cachorro chama todo mundo p/ se sentar a mesa e comer e ela NUNCA come junto com ngm. Aí ele fica latindo e ela fica andando de um lado p/ outro só p/ pertubar a refeição dos outros), eu não aguentei e subi p/ sala p/ não discutir com ela. Então, 2 minutos depois que eu subi, ela veio me pertubar na sala, me dar um papel da minha mãe p/ eu guardar, sendo que o papel já estava guardado e ficou me enchendo o saco pq eu estava segurando o papel nas mãos. Eu não consigo ficar perto, eu sinto mal, ela tem uma energia muito ruim que me faz mal então eu mandei ela sair da sala e chamei minha mãe. Já chorando nessa hora. O pior é que tinham mais 2 tias minhas em casa e ficaram defendendo ela, dizendo que o cachorro não podia mandar em ngm. Hã? Eu perdi algo? A velha implica e a culpa é do cachorro?! Se ela não quer comer e não tem nada p/ fazer lá, então não apareça na cozinha na hora do almoço. Simples assim! Mas não adianta, o lema dela: “se vc não pode ajudar, atrapalhe, afinal, o importante é participar.”
Enfim, eu fui ver One Tree Hill e a velha foi pertubar outro e passou.
Até o dia seguinte quando eu e minha mãe estávamos preocupadas com 2 mendigos que estão dormindo no portão e fomos avisá-la do perigo que era ficar entrando e saindo de casa a cada 5 minutos e ficar perambulando pelo quintal à noite no escuro. E a resposta da velha? “Estou trabalhando”. Trabalhando o cacete! Minha mãe que faz todo o trabalho pesado da casa, a única coisa que ela faz é colocar panos de prato de molho no sabão e ficar observando de 5 em 5 minutos se eles já estão limpos. Tentamos ser gentis, tentamos falar do perigo de que se for algum malandro pode simplesmente fazer ela abrir a casa e ferrar com a vida de todo mundo, mas ela não entende. É burra como uma porta e teimosa como uma mula. Empaca e pronto. E a gente perde a paciência. Claro! Paciência tem limite, o meu é curto, quando me respondem com deboxe o limite cai pela metade e aí eu tento me segurar, eu juro que tento. Com pessoas normais, civilizadas e que não querem brigar, eu simplesmente viro as costas e saio, mas com ela não dá. Ela provoca de um jeito deboxado e fica feliz quando vê as pessoas irritadas por isso, que dá mais raiva ainda e vontade de dar uns tapas na cara, uns socos, uns chutes ou qualquer coisa que tire aquele risinho deboxado da cara dela. Claro que eu não iria fazer isso, existe a merda do Estatuto do Idoso e não valeria a pena sujar as mãos por ela. Mas aí ela disse que a minha casa não era minha. É de quem? Dela? Isso sim me tirou do sério, me desrespeitando dentro da minha própria casa… Não dava p/ deixar baixo mesmo! Comecei a gritar coisas feias p/ ela e peguei uma garrafa com água e joguei tudo na cara dela. O risinho se apagou na hora e ela saiu tanto do sério quanto eu.
O foda é a situação que eu coloquei minha mãe. Eu falei (na hora eu estava mais gritando, que falando) com ela o quanto eu odeio o capeta em forma de velha e que quero ela fora de casa… Ou a velha, ou eu. Minha mãe tem alma de Madre Tereza, quer fazer o bem p/ outros. Foda-se. Eu tenho mais pena da minha alma do que da dos outros. Eu não tenho liberdade na minha própria casa, eu não tenho paz na minha própria casa, então que a velha saia, que vá p/ um asilo, que vá morar embaixo de uma ponte, que morra de gripe num hospital público e eu não ligo. Eu só quero que meu inferno astral acabe e que o capeta em forma de velha vá embora junto com ele.

Veja também

5 Comentários

  1. O bom do blog é isso. Desabafar!
    Poxa, enquanto eu li seu texto, me fez lembrar de um cara do meu serviço que simplesmente não suporte ele, ele me irrita tanto, mas tanto, que já briguei feio duas vezes com ele. Eu sempre tento me controlar, mas ele consegue me tirar fora do meu estado, juro.
    haUeuHeuHeuhue…
    Mas é assim mesmo, a gente tem que as vezes entrar em uma guerra, pra lutar pelo o que é nosso. fazer o que não?
    Nem todos são civilizados!
    Adorei seu blog, parabéns pelo designe!
    muito bom! =)

    BJo…boa semana!

  2. Eu acredito plenamente nessas coisas…
    Sua tia mora ai? nossa, deve ser realmente um inferno, niguem merece ¬¬
    Pelo que vc falou ela deve ser mesmo o capeta em forma de velha…

    Boa sorte ai *-*

    Bjs:*

  3. Ai nossa!
    Tu consegue me passar toda a tua raiva escrevendo assim!
    E eu, só de ler, já fico com muuuuita raiva da tua tia! Nossa, eu se fosse vc já tinha mandado ela embora a muuuito tempo! Eu mesma! hahaha
    Sério..eu n tenho tanta paciência assim…
    E q desaforo hein!! Ora a casa n ser tua! hahahaha…dela muito menos!
    Ela deveria ficar quieta e não abrir a boca mais depois dessa!
    Ai ai ai…força pra ti hein! Força pra aguentar isso!

    bjoo ;**~

  4. Cara, imagino o quanto deve ser ruim essa situação pra pessoas normais como você…ai, eu nem sei se teria tanta paciencia viu >.< Tomara que dê tudo certo, flor e esse abutre suma dai! =/ Bjos e boa sorte.