Andei vendo minhas postagens antigas (do início do blog) e as novas e percebi o quanto eu mudei na forma de postar. E não foi por influência da blogosfera que meus posts tão pessoais e cheios de emoção se tornaram neutros e superciais. Mudei a forma de me expressar para o mundo e passei a deixar o que realmente importa guardado só para mim. As consequências à longo prazo pelos não desabafos só o tempo irá dizer, mas até lá deixa a vida assim.
Eu amo ler e escrever minhas opiniões sobre os livros que li. Também gosto de fazer o mesmo com filmes, mas as vezes acho que um blog só disso fica um pouco vazio. Ok, eu também posto algumas sobre minhas preferencias pop no Segunda Pop e mostro o que viajou pelo Correio na Mailbox, mas eu ainda sinto falta dos posts gigantes detalhando dia a dia, dramas, alegrias, conquistas, etc.
Eu sei que eu perdi esse lado blogueiro em algum lugar e devo deixá-lo perdido por aí enquanto as pessoas não percebam o verdadeiro significado de um blog pessoal, mas como esse é um post nostálgico, voltar no tempo na forma de blogar é permitido. Então vamos lá: ^_^
Estou voltando à programação normal de estudos. O significa dizer: 5h diárias em cima de livros, apostilas, cadernos e códigos. Mas ainda não. Estou me organizando primeiro. Fiz meus horários novos, arrumei a sala de estudos, de modo a encontrar os materiais de forma facilitada e organizei meus arquivos digitais.
Também comecei a fazer um novo Cartaz dos Sonhos, que na verdade, será um mural dos sonhos, com fotos das coisas que eu quero. Estou há uns 4 dias viajando por sites de fotos, pegando as mais bonitas e inspiradoras para o mural e resolvi voltar com meu Tumblr para postar algumas delas. Tem fotos do Tumblr que não estão no mural e fotos do mural que não estão no Tumblr, mas estou tentando seguir uma lógica para manter o foco em algumas coisas e não sair postando tudo que eu acho bonitinho.

Além disso, também estou fazendo medições, orçamentos e lista de compras para mudar minha sala/home office/ biblioteca. Falta tirar tudo do papel e meter a mão na massa, mas estou no caminho, quando tiver pronto eu posto, mesmo saindo fora da minha linha atual de blogagem. ^_^
E por último, mas não menos importante. Tirei um dia de folga e fui ao cinema com mamys. Depois de anos sem sair com ela para passear, tiramos umas horinhas para nos distrair e ver filme. Comentários abaixo:

Filme: Jogos Vorazes

The Hunger Games, 2012
(3/5)
Sinopse: Num futuro distante, boa parte da população é controlada por um regime totalitário, que relembra esse domínio realizando um evento anual – e mortal – entre os 12 distritos sob sua tutela. Para salvar sua irmã caçula, a jovem Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) se oferece como voluntária para representar seu distrito na competição e acaba contando , com a companhia de Peeta Melark (Josh Hutcherson), desafiando não só o sistema dominante, mas também a força dos outros oponentes.

Opinião: Transformaram o que poderia ser O FILME, num filme. Tirando um ou outro detalhe, o filme foi bastante fiel ao livro. Todas as cenas importantes estão lá, mas só. Quem lê a sinopse pensa “credo” (é um reality show com as pessoas se matando, claro que é asqueroso) e o sentimento que foi para o filme foi esse. Apenas.
Cadê a Katniss impulsiva, nervosa, apaixonada, “quente”?! Só vi uma menina insossa, atirando flechas e subindo em árvores. E a química dos atores?!
Elenco muito fraco para um filme que tinha tudo para ser bom.
O livro tem ação, aventura, não deixa a gente desgrudar das páginas. E o filme? É um filme parado de mulherzinha que até mulherzinha dorme. Transformaram Jogos Vorazes num novo Crespúsculo! E isso é uma merda.
O trailer transmite toda emoção do filme. Eu odiei o trailer pra valer, mas até que consegui engolir 2h20 de filme, sem reclamar.
Do elenco quem salva é o Haymitch (Woody Harrelson), que tinha cenas bem engraçadas e o Gale (Liam Hemsworth), mas só porque era lindo!
O Peeta é totalmente sem graça no filme e o namorico não convence. Se eu fosse o presidente Snow, deixava os dois na arena para sempre.
Falando nisso, a melhor cena dentro da arena é a das feras, a única com emoção mesmo.
A trilha sonora é legal, mas basicamente por causa da Taylor Swift e os efeitos especiais ficaram muito a desejar. Acho que a Globo poderia emprestar um pouco de tecnologia para eles. Estavam sem orçamento, foi isso?
Não estou reclamando que o filme “é ruim” porque eu li o livro. Estou reclamando porque é um filme parado e monótono. Se não fosse a grande divulgação ninguém nem ligaria para a trama.