Esperei muito para escrever esse post porque queria ter uma noção melhor das novidades para então contar tudo. Ainda não sei como escrever tudo que tenho que contar, mas com calma eu chego lá…
Minha vida acadêmica nem tinha começado e eu já tinha preocupações. Eu fiz a inscrição e passei para o período matutino, mas assim que fiz minha matrícula comecei a procurar por um transporte universitário (32km dentro de um ônibus lotado, sem ar-condicionado e carregando mil utensílios não rola, minha gente) e para minha surpresa não tinha ninguém que fazia esse trajeto de manhã.
Cansei de procurar, não encontrei nenhuma van e resolvi enviar um e-mail para o coordenador do meu curso e trocar de turno. Consegui a troca antes do Natal e voltei a procurar a van, agora no período noturno. Duas pessoas diferentes me deram o telefone do mesmo senhor, mas quando liguei ele estava viajando. Imaginem o grau de ansiedade da pessoa que já é ansiosa por natureza e gosta de ter tudo muito bem planejado? Pois é.
Só no meio de janeiro consegui resolver tudo, conhecer a van e fechar tudo com o motorista.
Então depois de muita expectativa, dia 03 de fevereiro começaram minhas aulas. Mas vamos com calma porque o início não foi tão simples assim.
Logo no primeiro dia de aula já cheguei em cima do horário e eu não fazia a menor ideia onde ficava o meu prédio. Tinha uma moça na mesma van que eu e na mesma condição de perdida em tiroteio. Descemos no “prédio rosa” e perguntamos para o porteiro que não sabia onde ficava a sala de gastronomia e falou para gente perguntar dentro do prédio. Perguntamos e o senhor lá dentro disse que ficava “para lá”. “Para lá” onde, tio? Saímos perdidas e descobrimos que deveríamos sair na rua e andar até o campus de Biopráticas (uns 100m de lá).
Fomos andando e finalmente achamos o campus, o local da sala e a sala. \o/
Vou dizer que a primeira semana de aula foi exatamente igual à minha antiga faculdade e à primeira aula de qualquer curso de médio ou longo prazo (idiomas, por exemplo). Em todas as aulas tivemos que nos apresentar e falar porque escolhemos o curso. A diferença que eu achei foi que todo mundo na sala falou que escolheu Gastronomia porque gosta de cozinhar.
E eu achei os professores tão carismáticos e felizes, como se estivessem apresentando o curso em uma mesa de bar, não em uma sala de aula. Comparando com o Direito, a diferença é gritante!
Depois da primeira semana de muito amor, a segunda semana já começou em um ritmo mais normal.
Temos aulas teóricas sim na faculdade de Gastronomia! Esse semestre eu tenho Teoria das Organizações (administração), História da Gastronomia, Nutrição e Dietética, Controle Higiênico e Sanitário dos Alimentos, Cozinha Básica e Confeitaria Básica. Só as duas últimas são práticas.
Nas primeiras aulas práticas só recebemos orientações dos materiais para comprar e como devemos nos comportar e nos vestir nos laboratórios (cozinhas). A lista é enorme e eu gastei mais de R$1.000,00 com uniforme, facas e utensílios (e olha que eu só comprei os itens mais essenciais para esse semestre).
Só tive duas aulas práticas de Confeitaria (meu amor eterno!) e uma de Cozinha Básica (cozinha quente/salgada). Queria sair correndo na primeira aula de Cozinha Básica porque é um saco cortar legumes e verduras (multiprocessador já foi inventado!) e é ainda mais chato ter que ficar medindo em um palito de fósforo, mas acho que o pior foi que a gente só picou as coisas, mostrou para o professor e guardamos em uma sacola. Não cozinhamos nada para degustar depois T_T
Mas vamos ver daqui umas aulas como eu vou me sair ^_^