O_AMOR_MORA_AO_LADODebbie Macomber
(4/5)
Editora Novo Conceito
2013
160 páginas

Sinopse: Lacey Lancaster sempre quis ser esposa e mãe. No entanto, depois de um divórcio bastante doloroso, ela decide que é hora de dar um tempo em seus sonhos e seguir sozinha mesmo. Mas não tão sozinha: sua gatinha abissínia, Cléo, torna-se sua companhia de todas as horas. Até é uma vida boa — um pouco aguada, é verdade — a de Lacey. A não ser por seu escandaloso vizinho, Jack Walker. Quando Jack não está discutindo, sempre em voz muito alta, com sua namorada — com quem insiste em morar junto — está perseguindo seu gato, chamado Cão, pelos corredores do prédio. E Cão está determinado a conseguir que a gatinha Cléo sucumba aos seus avanços felinos. Jack e Cão são realmente muito irritantes. Mas acontece que a primeira impressão nem sempre é a que fica…

Opinião: Esse é um livro fininho e bem gostosinho de se ler. Além de ser um charme só com suas páginas internas cheias de gatinhos e uma diagramação absurdamente linda!
Quem gosta de gatos (como eu) vai se deliciar com tantos gatinhos: na capa, no marcador e nas ilustrações que marcam os capítulos.
A história não tem grandes reviravoltas e é bem previsível.
Lacey Lancaster após um divórcio difícil e traumático vai morar sozinha em um apartamento em São Francisco. Aliás, sozinha não, porque assim que se mudou, ela encontrou essa gatinha abissínia solitária no pet shop (seus irmãos já tinham sido ‘adotados’ há duas semanas) e resolveu levá-la para casa. Cléo (a gata) acabou se tornando a melhor amiga de Lacey e juntas elas tinham uma boa rotina e uma confiança mútua.
Lacey tinha um casal de vizinhos no apartamento da frente que viviam brigando. Um dia Lacey resolveu bater na porta deles e pedir que eles diminuíssem o tom para que ela pudesse telefonar. Foi então que Cão, o gato sem raça de Jack, o vizinho briguento de Lacey, saiu correndo, entrou no apartamento da moça e se aproveitou de Cléo.
Lacey ficou indignada com aquilo tudo (óbvio) e brigou com Jack, só que o rapaz não levou a sério o sermão de Lacey e ainda deu em cima dela.
Isso foi o bastante para que Jack interpretasse o caráter de Jack como sendo igual ou pior que o de seu ex-marido.
Pouco tempo depois Lacey descobriu que Cléo estava grávida e o culpado, obviamente era Cão. Lacey foi até o apartamento de Jack confrontá-lo novamente e pedir que ele se responsabilizasse pelos atos do gato atrevido. Jack concordou, mas solicitou visitas constantes a Cléo, para acompanhar de perto a gestação da gata.
Essa foi a chance que Jack deve para mostrar a Lacey que ele era um cara diferente de seu ex e que e estava afim de conhecer melhor a vizinha.
A história é bem óbvia, cheia de clichês e sem nenhum ponto de virada.
Felizmente, o livro é fininho e dá para ser lido em pouquíssimo tempo. Se não me engano, nem cheguei a me levantar da cadeira enquanto lia, nem mesmo para tomar água ou ir ao banheiro, e quando percebi já estava lendo a última página.
Eu gosto muito da autora, mas fiquei um pouquinho decepcionada com o livro. A história é curtinha demais e previsível demais, gostaria que fosse um pouco mais elaborada e profunda. Mesmo assim é uma leitura legal para passar o tempo.