ateeuteencontrarGraciela Mayrink
(5/5)
Editora Novo Conceito
2013
382 páginas

Sinopse: O quanto uma mudança de cidade pode afetar uma vida? Você acredita em alma gêmea? Como você se sentiria se não gostasse do grande amor da sua vida? É o que Flávia vai descobrir ao deixar Lavras, onde mora com os tios desde o acidente que matou seus pais, quando era criança. Aos dezoito anos, ela decide estudar Agronomia na Universidade Federal de Viçosa, trocando o sul de Minas pela Zona da Mata do mesmo Estado na esperança de uma “mudança de ares”. Em sua nova vida, ela conhece Sônia, amiga de infância de sua mãe e agora sua vizinha, que lhe conta a história de sua família materna, até então desconhecida para Flávia. Embora o passado não seja sua maior preocupação, Flávia reluta em aceitar seu destino e ainda precisa superar uma paixão não correspondida pelo seu melhor amigo. Para se ver livre dessa rejeição, ela tenta atrair sua alma gêmea para Viçosa e descobre que o grande amor de sua vida é uma pessoa que ela não suporta.

Opinião: Esse foi um dos livros que eu não dei muita bola quando foi lançado. Gostei da sinopse e quis ler principalmente por ser de autoria nacional, mas coloquei ele na minha fila de leitura e não tive pressa nenhuma para chegar nela.
Até que eu comecei a ler e não consegui mais desgrudar do livro de tão gostosa que era a leitura.
O livro tem o clima da minha novela queridinha de 2002, Coração de Estudante. Ele se passa todo em Viçosa, interior de Minas e tem todo aquele clima jovial e esperançoso de início da faculdade, que é uma delícia!

Como te falei, certas pessoas são colocadas em nossa vida, nosso caminho, por algum motivo especial.
P. 108

Flávia, caloura de agronomia na universidade, conhece Felipe logo no primeiro dia de aula, quando estava prestes a entrar na sala de aula onde iria acontecer um trote. Felipe, veterano, a “salva” do trote e depois disso eles se tornam amigos.
Como a cidade é pequena e é tudo muito perto, eles acabam se encontrando na padaria e ele se oferece para lanchar com ela, na casa dela.
Felipe é de Alfenas, cidade vizinha de Lavras, cidade de Flávia e eles descobrem que já estiveram próximos diversas vezes, sem nunca terem se encontrado até o primeiro dia de aula em Viçosa. Felipe foi para Viçosa junto com seu melhor amigo, Ricardo e o irmão dele, Luigi. Lá eles dividiam a casa com Mauro e formaram a república Máfia. Os quatro eram melhores amigos e inseparáveis, até que um dia, voltando de uma festa, aconteceu um trágico acidente de carro, que tirou a vida de Ricardo e marcou profundamente a vida dos moradores da república da Máfia. Luigi trancou a faculdade para um ano sabático na Europa, junto com a mãe. Mauro e Felipe continuaram em Viçosa, estudando, mas Felipe sentia-se culpado pelo acidente e decidiu que viveria por ele e por Ricardo, aproveitando todas as festas universitárias e todas as oportunidades de alegria que a vida lhe proporcionasse.
Entre Flávia e Felipe cresce aquela amizade genuína e sincera de dois jovens longe de casa, encarando os desafios de uma nova vida fora de casa.
Felipe a leva para as festas universitárias e a apresenta a Mauro e aos bares e restaurantes da região.
Além de Felipe, Flávia imediatamente faz amizade com Gustavo, um colega de curso, que está tão deslocado quanto eles.
Achei interessante o fato da Flávia só ter amigos universitários homens e a forma como ela interage com eles, joga sinuca e toma cerveja. Achei que isso mostrou bem a característica descolada e independente da personagem, que é bem diferente dessas jovens que só tem amigas do sexo feminino, bebe batida de vodca e nem sabe como se pega em um taco de sinuca.
Logo nos primeiros dias, Flávia conhece Sônia, dona de uma loja de produtos esotéricos, que ela logo descobre que é sua vizinha e que foi uma das melhores amigas de sua mãe.
Por meio de Sônia, Flávia conhece Lauren, filha dos amigos de Sônia e que também eram amigos de sua mãe. Lauren e Flávia se tornam melhores amigas e começam sair juntas e a trocar confidências. Lauren e Sônia são as únicas amigas mulheres de Flávia. No meio de tanto homem, achei bem bacana ela ter outras mulheres para tricotar e compartilhar segredos femininos.

– Aproveite o momento, mas não se envolva. Ainda não é a hora nem a pessoa.
P. 109

O que Flávia não esperava era que tanto Sônia quanto sua mãe e a mãe de Lauren eram bruxas e praticantes da Wicca. Gostei da forma como a Graciela aborda a Wicca e explica alguns princípios, porque muitas pessoas, como a própria Flávia, possuem um preconceito muito grande com a religião. Acho que a forma como a autora abordou isso foi ótima para diminuir o preconceito e a aversão.
Mas como a vida não é feita apenas de festas universitárias e jogos de sinuca, Flávia acaba ficando com Felipe e isso atrapalha um pouco a amizade entre eles, porque ela acaba se apaixonando pelo rapaz.
Só que Felipe é o tipo de cara que não namora e não se apega a ninguém. Flávia sabe disso desde o início e sofre porque não consegue deixar de se apaixonar por ele.

– Não sofra querida. Sua alma gêmea está no seu destino. Ele vai aparecer. Mas não tem problema você apressar isso.
P. 154

Aos poucos Flávia vai se interessando pela Wicca e decide fazer uma simpatia para atrair sua alma gêmea, para assim ela poder esquecer de vez Felipe e ser feliz plenamente.
Claro que as coisas não serão tão simples assim, principalmente depois que Luigi volta da Europa.
A vida de Flávia não fica mais fácil depois que ela faz a simpatia, nem depois que ela descobre quem é a sua alma gêmea. Ela acaba ganhando inimigos, que querem fazer mal de verdade a ela.

– Eu sei disso, mas fazer o quê? O coração não obedece à cabeça, embora eu saiba que é uma furada me apaixonar por ele.
P. 173

Eu gostei tanto do livro e do clima de faculdade da história que fiquei triste quando cheguei ao fim e li o epílogo. Queria manter a imagem dos personagens sempre jovens e estudantes na minha cabeça, mas no epílogo eles já se formaram e seguiram com a vida de adulto. Fiquei #chatiada.
Apesar das 382 páginas, a leitura é bem rápida, pois o livro é cheio de diálogos e a linguagem é bem simples. Os capítulos são curtos e dá para ler tudo em uma única tarde.
Os personagens são bem carismáticos e a gente se apaixona de cara pelo Felipe e pela Lauren. Foram os meus favoritos e pelo o que eu andei vendo por aí, de muita gente também.
Não achei que a capa tivesse muito a ver com a história e só fui entender direito o chapéu de bruxa no meio da leitura, quando eu vi que a mãe de Flávia era bruxa e que tinha uma pitada de Wicca na trama. Talvez se fossem utilizadas imagens relacionadas com o universo universitário eu teria gostado mais. Não ficou feia desse jeito, mas me lembrou muito Sabrina, a aprendiz de feiticeira e não é nesse sentido que a história flui.
O miolo do livro é simples e o acabamento também, mas eu gostei.