COLIN_FISCHERAshley Edward Miller, Zack Stentz
(5/5)
Editora Novo Conceito
2014
176 páginas

Sinopse: Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…

Opinião: Diferentemente fofo! Não é fofo no sentido mulherzinha da palavra, mas fofo no sentido de ser inocente e puro como a infância.
Colin Fischer é um garoto de 14 anos que possui a síndrome de Asperger. A síndrome é uma condição neurológica ligada ao autismo, que faz com que o indivíduo não desenvolva bem suas habilidades sociais. Colin é bastante inteligente, mas não gosta de contato físico, odeia a cor azul, não entende sarcasmo e é extremamente metódico.
Qualquer semelhança com o personagem Sheldon Cooper, de The Big Bang Theory não é mera coincidência, ambos personagens sofrem com os mesmos problemas. Como eu sou fã do seriado, ao ler as cenas de Colin imaginava o que Sheldon faria no lugar e me divertia ao perceber que os resultados seriam bem parecidos.

Se Colin fosse uma zebra, ou um cervo, ou praticamente qualquer outro mamífero, teria feito a coisa sensata e se afastado. No entanto, Colin era um primata. Em vez de agir sabiamente, ele procurou um ângulo de visão melhor.
P. 53

Colin é inocente como uma criança por não perceber o sarcasmo ou não entender a comunicação entre as pessoas, por causa desse problema ele acaba se metendo em algumas situações inusitadas (e algumas engraçadas).
O livro é bem nerd e traz algumas curiosidades inúteis que apenas um nerd gostaria de saber.

Colin deveria ter sido detido e sabia disso. Esse era um risco calculado, aceitável apenas porque sua janela para investigar esse caso já estava se fechando. Tal era a natureza das coisas. O tempo tinha uma maneira de minar tanto as evidências quanto a memória da testemunha ocular. Colin precisava de ambas para provar a inocência de Wayne Connelly.
P. 89

Colin adora investigação e mistério e resolve investigar quando alguém leva uma arma para a escola e dispara um tiro no meio do refeitório. O principal suspeito é Wayne Connelly, um garoto que Colin não gosta e que já aprontou muito com ele, mas Colin tem certeza de que ele é inocente.
Colin começa a investigar e a reunir provas para inocentar seu principal “inimigo” apenas para resolver o mistério, mas ele descobre muito mais do que o culpado.
blockquote>Quando o investigador é um tubarão de duas toneladas e meia, até mesmo uma tentativa suave na exploração pode ser fatal.
P. 136

A leitura é extremamente leve e flui perfeitamente. O livro é dividido em três partes e os capítulos são bem curtos. No início de cada capítulo há uma curiosidade nerd narrada pelo próprio Colin, o restante da narrativa é em terceira pessoa, mas mesmo preferindo livros narrados em primeira pessoa, gostei bastante da forma como a história do Colin foi contada. Dá para ler tranquilamente em uma tarde.
Amei a capa e consegui imaginar o personagem principal exatamente com o cabelo compridinho e o óculos. Achei bem fofas as carinhas da capa e elas estão presentes também no início de cada capítulo, adorei o charme que elas deram ao miolo.