ESPERANDO_POR_DOGGOMark B. Mills
(3/5)
Editora Novo Conceito
2015
224 páginas

Dan acabou de ser deixado por Clara, sua ex-namorada que desapareceu em um dia e deixou apenas uma carta de despedida e um cachorro.
Doggo é um cão incomum, ele não é bonito, sua origem é suspeita e até seu nome é provisório (Clara e Dan ainda não tinha definido um nome para o animal quando Clara foi embora).
Além de sofrer pela desilusão amorosa, Dan precisa cuidar de Doggo e também arrumar um emprego que possa conciliar sua profissão com a responsabilidade de um “pai” de cachorro.
Dan é publicitário e por sorte ele consegue trabalho em uma agência que aceita a presença do animal. Aos poucos Doggo vai conquistando o coração de Dan e transformando a vida do moço. Por onde passa Doggo faz amigos e age como elo de ligação entre Dan e o resto do mundo.

-[…] Eu nunca tinha visto por esse lado… Você tem razão, como é possível amar outra pessoa quando você não se ama?
P. 118

Eu odeio livros de animal porque sempre acho que irei chorar no final e morrer desidratada, então antes de iniciar uma leitura assim eu me informo se eu posso ler o livro até o fim ou precisarei parar pela metade. Para quem é sensível como eu, Esperando por Doggo passa no meu padrão de qualidade. Podem ler que nenhum animal foi maltratado nas 224 páginas.
Comecei a leitura bem despretensiosamente e fiquei admirada com o livro. Não se trata uma leitura boba ou água com açúcar. É um livro com alma e bons ensinamentos. Ele mostra como a estranha relação entre Dan e Doggo evolui e como eles acabam se tornando amigos.
Dan não queria um cachorro, mas aos poucos ele começa aceitar Doggo melhor e eles se entendem tanto que Dan aceita até as manias mais estranhas de Doggo (como seu vício por filmes com a Jennifer Aniston).
Mais do que um livro sobre um cão e um homem é um livro sobre amizade.

– A imitação é a forma mais nobre de elogio – grito de volta, mais alto que a música.
P. 130

Há a utilização de linguagem coloquial, tornando a leitura bem fluida. A narrativa é em primeira pessoa e não encontrei erros de revisão. Mas achei que alguns pontos da história poderiam ter sido melhores desenvolvidos. Achei que ficou faltando alguma coisa.
Apesar de ser uma leitura fluida, eu senti preguiça de recomeçar a leitura algumas vezes porque o livro não tem aquele “gancho” entre um capítulo e outro. Faltou deixar o leitor ansioso para devorar a próxima página.
Gostei muito da capa e por ela eu achei que o cachorro morria logo no primeiro capítulo. Sem conhecer a sinopse eu não leria o livro por gostar de animais e ter muita sensibilidade em relação a este assunto. Toda vez que eu olho para a capa eu vejo o cachorro morto e “vivendo” como um anjo. Mas como eu já adverti: é uma leitura tranquila para amantes de cachorros. O nome do livro e a capa fazem mais sentido quando a leitura termina. Realmente tem alguém esperando por Doggo, mas para entender só lendo mesmo.
A diagramação é boa, a letra é de um tamanho razoável e possui páginas amarelas que facilitam a leitura.