eu fico lokoChristian Figueiredo de Caldas
(3/5)
Editora Novo Conceito
2015
160 páginas

Desculpa por parecer leiga, mas quem é o Chris? Juro que eu só fui tomar conhecimento da criatura por causa do livro. E o cara é um dos YouTubers mais famosos. Se você também não o conhece toca aqui que estamos velhos o/
Então, até este exato momento eu nunca tinha visto nenhum vídeo do cara no YT, fui procurar para aprimorar minha resenha e obviamente em nenhum dos universos paralelos eu veria um vídeo do canal Eu fico loko. Não por ser ruim, mas por não ser condizente com minha faixa etária.
Quando eu li o livro eu saquei que era um livro para adolescentes e imaginei que o público alvo do canal do cara deveria ser adolescente (e é muito adolescente para o meu gosto).
Mas deixando os méritos do canal para quem entende melhor de YT que eu, vamos ao livro… Em primeiro lugar, nota 10 para a editora pelo ótimo trabalho gráfico. O livro ficou lindo! Um estilo bem despojado, com diferentes tipos de fontes, fotos e imagens, uma narrativa de fácil leitura, fininho, perfeito para adolescentes.
A forma como o Chris contou sua vida também foi bem interessante. De forma bem humorada ele contou alguns fatos de sua vida, no formato de crônicas/memórias, uma autobiografia bem divertida.
Todas as histórias com temática adolescente. Situações que todo adolescente passou ou vai passar um dia, primeiro beijo, primeiro porre, primeira transa…
A linguagem utilizada é bem jovem, com uso de gírias e alguns palavrões, alguns fatos que ele narrou foram realmente hilários de se ler e parece que ele é assim em seus vídeos (mas eu não tive paciência de assistir nenhum até o fim).
Apesar de ser um livro com bom trabalho gráfico, cheio de imagens e linguagem acessível eu não gostei. Pode até parecer que ele tentou dar um “conselho às avessas”, mostrando que o que ele fez foi errado e que o jovem não deve repetir o erro, mas para mim isso não colou.
Ele é um formador de opinião e acho que algumas coisas não deveriam ser escritas, principalmente quando estamos lidando com o público adolescente.
A linguagem informal demais também me incomodou. Acho que no papel devemos ser um pouco mais sérios e não é preciso falar palavrões ou gírias para contar uma história engraçada.
Eu gosto de livros adolescentes e mesmo quando eu não me identifico com o livro eu costumo me lembrar de alguém ou indicar para alguém, mas neste caso específico eu não consegui me identificar ou identificar alguém próximo a quem eu indicaria o livro.
Se alguém acompanha o canal e gosta do Chris o livro é uma boa forma de se aproximar dele e conhecer um pouco mais do Lokão.