EU_TE_DAREI_O_SOLJandy Nelson
(5/5)
Editora Novo Conceito
2015
381 páginas

Noah e Jude são irmãos gêmeos apaixonados por arte. Noah é um garoto, com um grande dom para desenhos e tem a atenção constante da mãe por causa desse talento. Jude é uma garota sonha em ter a mesma atenção, mas acredita que seu dom para arte não seja tão apurado a ponto de chamar atenção da mãe. Por outro lado ela possui uma forte ligação com o pai, coisa que Noah não tem, mas queria muito ter.
Apesar de compartilhar tudo e serem muito unidos um não sabe desse anseio do outro de ser notado pelos pais.
Eles estão entrando na puberdade e Noah sente atração por meninos. Ninguém sabe, mas ele adora passar o tempo com o garoto que acabou de se mudar para o bairro e gosta de ver estrelas.
Os dois são diferentes das outras crianças da escola e por isso se dão tão bem.

Então nos encaramos e caímos na gargalhada como se fôssemos feitos da mesma substância.
P. 94

Noah e Jude sonham em estudar na melhor escola de arte da Califórnia e é esse o desejo da mãe deles, mas na narrativa descobrimos que a vaga é de apenas um deles.
Uma tragédia separa os irmãos e a forte ligação que eles têm. A fraternidade dá lugar a uma série de maus entendidos, inveja e ciúmes e eles mudam radicalmente.
Após três anos, Noah, que não gostava de praticar esportes, começa a fazer parte de um time, namora uma garota e, finalmente, consegue a atenção do pai.
Jude, que era popular e gostava de se vestir para atrair a atenção dos meninos se fecha, vive isolada e se torna “a estranha” que anda com a Bíblia da avó por todos os lados e segue um monte de superstições estranhas.

As pessoas acham que elas é que mandam, mas estão enganadas: são as árvores.
P. 69

A narrativa vai e volta no tempo, intercalando capítulos de Jude com capítulos de Noah. Alguns capítulos são narrados no presente, no qual Jude e Noah possuem 16 anos, outros no passado, com eles entrando na adolescência.
Eu te darei o sol é um livro bem diferente. Um dos mais emocionantes que eu li este ano, uma história que mexeu comigo de verdade e me fez refletir sobre diversas coisas. Os personagens são bem reais e em algumas partes senti a mesma emoção que eles. As partes que mostram o início da puberdade deles são as melhores, os detalhes e as angustias narradas são bem parecidas da realidade. Eles se descobrindo e lidando com todas as transformações que acontecem nessa idade são verdadeiras. É impossível não se identificar com os personagens e com seus dramas.
Apesar de ter gostado muito da capa, não foi um livro que me chamou a atenção para ler imediatamente, mas depois que iniciei a leitura não consegui mais parar.

Não sei como isso é possível, mas é: uma pintura é ao mesmo tempo exatamente igual e completamente diferente todas as vezes que você olha para ela.
P. 127

A cada capítulo descobria um fato novo que levou este ou aquele personagem a tomar a decisão de que tomou e vamos descobrindo durante a narrativa os mal-entendidos que se sucederam e levaram cada um dos irmãos a tomar o rumo que tomou. Somente no final do livro é que tudo é esclarecido.
Gostei bastante e fiquei encantada com a narrativa fluida e bem amarrada da autora. Não conhecia, mas foi paixão à primeira vista.
Adorei o kit de divulgação que a editora Novo Conceito enviou com um livro de colorir e gizes de cera. Quando recebi não entendi muito bem a relação entre os dois. A sinopse não esclarece muito bem a relação do kit promocional com o livro, mas ao ler tudo fez mais sentido e eu me apaixonei ainda mais pelo carinho recebido.

Às vezes, quando se surfa, você pega uma onda e percebe que está “sem chão”, e de repente, sem aviso, você se vê caindo diante da parede de água.
P. 216

A capa é linda, bem chamativa e simples. Gosto mais de capas com lettering e ilustrações. Minhas capas preferidas não são as que têm modelos na capa. Nada contra, mas prefiro as sem fotos de pessoas.
O miolo é bem simples e não encontrei erros significativos de revisão.