magia-do-sangueNora Roberts
(3/5)
Editora Arqueiro
2015
281 páginas

PODE CONTER SPOILER DOS OUTROS LIVROS DA TRILOGIA
Magia do Sangue foi um dos livros mais esperados para mim no fim do ano, pois finalmente saberia o fim da maravilhosa trilogia dos Primos O’Dwyer e, bem, achei que a titia Nora errou na mão e escreveu um livro só para encerrar a história.
Em Bruxa da Noite vemos Sorcha, a Bruxa da Noite transferir seus poderes para seus filhos para que eles e seus descendentes acabem com todo mal deixado por Cabhan. Durante a narrativa vemos surgir o romance entre Iona e Boyle.
Já em Feitiço da Sombra o romance envolve o casal Connor e Meara. A batalha entre os descendentes de Sorcha e Cabhan permanece estável e o foco é o romance e o vínculo que cresce entre Iona, Boyle, Connor, Meara, Branna e Fin.
Agora em Magia do Sangue temos Branna e Fin lutando contra o amor que sentem um pelo outro. Branna O’Dwyer conhece Finbar Burke há muitos anos e eles já tentaram se relacionar uma vez, mas descobriram que seu amor é proibido. Branna é descendente de Sorcha, a Bruxa da Noite e Fin é descendente de Cabhan. Fin vive lutando contra a maldição de possuir a marca de Cabhan e tenta se mostrar fiel aos amigos apesar do sangue que corre em suas veias.

– Alguns laços não podem ser desfeitos, por mais que desejemos ou tentemos.
P.81

Achei que por ser o último livro veria a história mais intensa e digna de um final cinematográfico, mas me decepcionei profundamente.
A narrativa começa bem interessante, com os três de Sorcha (do passado) voltando a Mayo para encontrar com os primos O’Dwyer no presente e juntos lutarem para acabar com a maldição. Eles precisam descobrir como, quando e onde devem encontrar e acabar definitivamente com Cabhan e estão trabalhando nisto juntos. Os três de Sorcha, os três primos e os três “agregados” (Boyle, Meara e Fin).
Por possuir a marca, Fin acaba tendo uma enorme utilidade na batalha, mas o que é útil também pode ser perigoso. O tempo todo ele precisa lutar contra a vontade de seguir o mal.
Então a história se arrasta por vários capítulos sem que nada de emocionante aconteça… Precisamos acabar com Cabhan, mas não pode ser agora, temos que esperar, mas não temos tempo suficiente porque ele pode se fortalecer… Esse lengalenga consumiu boa parte da narrativa. Sem ação, sem luta e sem descobertas avassaladoras.
No quesito romance tudo o que poderia ter sido explorado no relacionamento Branna e Fin foi jogado no lixo. Eles ficaram 12 anos se evitando e esquecendo dos sentimentos para em dois parágrafos resolverem o problema. Acho que o relacionamento deles progrediu mais nos dois livros anteriores do que neste (que deveria tratar deste romance).
No meio disso temos a emocionante vida de Branna tomando chá, cozinhando, estudando feitiços e fazendo velas. Que Bruxa da Noite invejável!
E aí temos o fim com um desfecho revelador. E foi a única coisa de boa que aconteceu porque eu fiquei sabendo o que aconteceu com os personagens e a maldição.
Eu adoro histórias de bruxas e afins, mas este livro me decepcionou tanto que nem este fato conseguiu me animar na leitura.
A capa é belíssima, as cores, a ilustração e o título deram um charme todo especial. Esse é um livro que se vende pela capa, parabéns aos designers, o trabalho de vocês compensou.
Ótima diagramação e um miolo com papel de qualidade, mas a revisão passou longe do padrão Arqueiro de qualidade. Encontrei alguns erros ortográficos gritantes.