A_NAMORADA_DO_MEU_AMIGOGraciela Mayrink
(5/5)
Novo Conceito | Novas Páginas
2014
334 páginas
Sinopse Quando voltou das férias de verão, Cadu não imaginava a confusão em que a sua vida se transformaria. Era para ser um ano normal, mas ele entrou em uma enrascada e está correndo o risco de perder a amizade do cara mais legal do mundo. O que fazer quando a namorada do seu amigo vira uma obsessão para você? Os churrascos da turma da faculdade talvez ajudem a esquecer Juliana, e, se depender do esforço do divertido Caveira, não faltarão garotas gente boa para preencher o coração de Cadu. Mas não adianta forçar… Quem consegue mandar no coração? Alice, a irmã de Beto, é só mais uma das dores de cabeça que Cadu tem que enfrentar. A vida inventa cada cilada!

Opinião: Que. Livro. Fofo! O livro é todo contado do ponto de vista de Carlos Eduardo, o Cadu, em primeira pessoa. Não é na forma de diário, mas com demarcações claras de tempo e espaço.
O prólogo do livro mostra Cadu lembrando de quando era criança e brincava de Os três mosqueteiros com seus melhores amigos, Caveira (Murilo) e Beto. Na época, a vizinha de frente de Cadu, Juju, sempre “atrapalhava” a brincadeira deles e queria fazer parte do grupo, como D’Artagnan. Eles nunca deixavam porque Juju era menina e não podia fazer o papel de um militar, homem. Cadu odiava Juju e sua maior alegria foi quando a família da menina se mudou “para sempre” para outro estado.
O primeiro capítulo é com um Cadu crescido, estudante universitário do curso de Direito. Cadu acaba de voltar de Florianópolis, onde passou as férias de verão. Ele quase não acredita quando contam que Juju voltou para a cidade e estava matriculada na escola secundária. Cadu ainda tinha na memória aquela menina chata que atrapalhava a brincadeira dele com os amigos.
Para a surpresa de Cadu, quando ele viu a moça ficou de queixo caído. Além de bonita e simpática, Juju, agora conhecida apenas como Ju, era namorada de seu melhor amigo, Beto.

Isso nunca tinha acontecido comigo, e eu não podia aceitar que acontecesse. Não podia desejar a namorada do meu amigo, era canalhice demais.
P. 25

O livro conta de uma forma muito natural como acontecem os relacionamentos entre adolescentes. Aquele turbilhão de emoções, sentimentos confusos e hormônios à flor da pele estão tão presentes, que eu tive a sensação de que voltei aos meus 16 anos.

Sorri, ,ou tentei sorrir, fingindo estar interessado nas confidências do meu amigo, mas na verdade queria voar no pescoço dele. Não, isso não. Só queria estar no lugar dele.
P. 116

Outra coisa que eu adoro nos livros da Graciela e que felizmente também estava presente nesta obra, é como ela narra os mineiros. São tão tipicamente mineiros que é impossível não gostar dos personagens. Eu quase consigo ouvir a voz deles carregada de sotaque dentro da minha cabeça.
Como todo capixaba, eu odeio quando os mineiros invadem nossas praias no verão e trazem todo caos possível para o litoral, mas é só birrinha e ciúmes por dividir o mesmo território. Não tem como não amar o carisma desse povo, que é tão bem retratado nos livros da autora.

Os momentos de decisão são importantes em nossa vida, mas nem sempre significam algo bom ou fácil.
P. 309

O livro tem todo clima de uma de minhas novelas preferidas até hoje, Coração de Estudante. A maior parte da história se passa com jovens e adolescentes, no momento da descoberta do amor e na dificuldade em se relacionar com os outros, principalmente as pessoas do sexo oposto.
A autora também mostra que ninguém manda no coração. Os sentimentos surgem sem explicação e não há nada que podemos fazer contra isso. É natural e acontece.
Não preciso dizer que amei a história, não é mesmo? Acho que ficou um pouco claro na minha resenha.
Mas eu preciso confessar que também fiquei apaixonada pela capa cheia de vida, alegre e colorida. É um livro que chama a atenção, mas não é colorido ou espalhafatoso demais. A lombada também é linda para guardar na estante.
O miolo não tem muitos detalhes, é bem simples, mas como ando em um momento de preferir livros simples e com poucos detalhes, amei.
Como é uma leitura fácil e gostosa, dá para ser lido no fim de semana.