NAO_OLHE_PARA_TRASJennifer L. Armentrout
(5/5)
Farol Literário
2014
438 páginas

Imagine você ser encontrada em uma estrada, descalça, machucada e suja de sangue e o pior: sem saber quem é você. Samantha sobreviveu a uma experiência traumática e perdeu a memória, o diagnóstico médico é que ela sofre de amnésia dissociativa. Ela não sabe quem é, quem são seus pais, seus amigos ou seu namorado. Até seu rosto é estranho no espelho.
Mas essa não é a pior parte, Samantha desaparece junto com Cassie, sua melhor amiga e só Samantha é encontrada. Cassie ainda está desaparecida e Samantha é a última pessoa que viu Cassie.
A luta de Samantha é consigo mesma, para recuperar a memória o mais rápido possível e ajudar a polícia a encontrar sua amiga, que ela não faz a menor ideia quem seja.

Porque nada estava bem, e nunca ficaria. Eu estava presa àquela vida da qual não me lembrava, presa no corpo daquela garota, a tal Samantha Jo Franco, e, quanto mais eu descobria a respeito dela, mais eu começava a detestá-la.
Pág. 37

Sam recebe alta do hospital e vai para casa, mas tudo ainda é novidade para ela. Tudo em sua vida parece novo. Ela é rica, linda, popular e namorada do cara mais popular da escola. Tudo bem clichê e parece ter saído de uma série americana. Mas quanto mais Sam descobre quem é, mais asco ela sente de si mesma.
Ela descobre que não é uma pessoa muito legal com os outros, ou melhor, ela descobre que ela e Cassie são as duas piores criaturas da Terra. Elas são esnobes, julgam os outros pelo dinheiro e fazem o inferno na vida de quem entrar no caminho delas.
Com essa perda de memória Sam tem a chance de recomeçar. Ela volta a andar mais com seu irmão Scott e volta a ser amiga de Carson e Julie, seus antigos amigos de infância que ela esqueceu quando entrou na adolescência e ficou popular.
O livro é cheio de mistério. E ao fim de cada capítulo acontece algo ainda mais misterioso que me fez ler vários “apenas mais um capítulo” antes de dormir.
Queremos saber a todo custo quem é Samantha, o que aconteceu com Cassie e quem conta a verdade e quem mente para Sam. A todo tempo nos perguntamos se Sam pode confiar ou não na pessoa com quem está falando e se o fato é ou não verdadeiro. A dúvida impera em todas as páginas da história.
Se não bastasse isso tudo, começam a aparecer bilhetes estranhos na bolsa, no armário e no quarto de Sam e ela acredita estar sendo seguida por um homem. Um homem que aparentemente está por trás do mistério do desaparecimento e que ela não consegue se lembrar do rosto.
Muitas vezes o real se mistura com as lembranças de Sam e não sabemos se aquilo está aconteceu ou é apenas uma memória.

Por mais que eu quisesse ignorar a pessoa que eu fora um dia, não havia como escapar de um passado do qual eu não me lembrava.
P.100

Eu comecei a ler o livro sem nenhum expectativa e me surpreendi muito. Fiquei aflita para terminar a leitura logo e desvendar o mistério e esperançosa que Sam se lembrasse de tudo.
Devorei o livro tão rapidamente que li metade antes de dormir e a outra metade na tarde seguinte, e só fui dormir porque não aguentei mais ficar acordada. Se não fosse por isso, eu teria virado a noite em cima do livro (e teria valido a pena porque é um livro viciante).
O ponto central da história (como Sam se machucou e quem era o homem misterioso) só é revelado no final da trama, mas outros mistérios que vão surgindo ao longo da história são bem óbvios de serem descobertos e essa brincadeira da autora me animou bastante.
Apesar de todo drama envolvido, é uma história divertida e envolvente. Há mistério e isso me prendeu muito na leitura. Ficava morrendo de curiosidade tentando adivinhar quem era “o vilão” e no final fui pega de surpresa (eu sempre sou!).
Há também um pouquinho de romance também, mas não é a questão central, fica em segundo plano.
Achei a capa linda e tem tudo a ver com a história. O título, Não olhe para trás, é parte de um bilhete que Sam recebe e o efeito de papel amassado na capa complementou essa ideia. Os pingos vermelhos lembram sangue, que é uma das poucas lembranças de Sam do acontecimento. Eu já gostava da capa sem ler a história, mas após iniciar a leitura eu passei a gostar muito mais dela.
O início de cada capítulo também tem detalhe de papel amassado e eu adorei isso. Com exceção desse detalhe, o miolo é simples, mas eu gostei porque a história em si já é intrigante e chamativa por si só.
Entrou para a lista dos favoritos do ano sem muito esforço.