Michel Bussi
(3/5)
Editora Arqueiro
2017
352 páginas

Ninfeias Negras conta a história de três mulheres que moram na mundialmente conhecida cidadezinha de Giverny, na França, onde Claude Monet pintou a série Nenúfares. As três personagens são completamente diferentes entre si, mas estão ligadas de um modo, pois todas têm o desejo comum de irem embora da cidade.
Nesta cidade bucólica o respeitado oftalmologista Jêromé Morval é encontrado morto com uma punhalada no coração, a cabeça esmagada por uma pedra e submerso em um lago. Os investigadores encarregados do crime encontram junto ao corpo um cartão-postal com a reprodução de uma das Ninfeias de Claude Monet, com uma mensagem de aniversário com a frase escrito: “O crime de sonhar eu consinto que seja instaurado”.
Neste cenário embarcamos na história de Michel Bussi tentando compreender a ligação entre todos esses fatos.
A história é contada por uma mulher de 84 anos que observa o desvendar do crime da janela de sua casa. É por meio dela conhecemos todos os fatos.

A coincidência lhes parece perturbadora, talvez? Exagerada? Tenham certeza de uma coisa, uma só: não há coincidência alguma em toda essa série de acontecimentos.
P. 75

As três mulheres do vilarejo são Fanette, uma garota prodígio de 11 anos que sonha em ser uma grande pintora. A segunda é Stéphani Dupain, professora da escola local, ela é casada, tem 36 anos e sonha em encontrar um amor libertador. A terceira mulher é a senhora de 84 anos que não revela seu nome.

– Tá, se eu estiver entendendo bem o que você diz, vamos supor que haja uma dúvida. Por qual ângulo você gostaria de abordar a história?
P. 134

Eu sou fã de thrillers policiais e estava muito empolgada em começar a leitura, mas demorei muito para engrenar e a leitura não rendeu tanto quanto eu queria.
É um livro surpreendente, uma história muito criativa e inteligente. O final é incrível e inimaginável e me chocou muito. Um dos melhores finais de thriller. Todas as resenhas elogiando este ponto do livro estão mais do que acertadas.
Mas eu não gostei da escrita do Michel. Não embalei e nem peguei ritmo para ler sem parar e fiquei muito decepcionada pois esperava que este livro fosse me tirar da ressaca literária.
Pensei que fosse gostar do autor tanto quanto gosto de Dan Brown, pois há arte envolvida, fala um pouco de Monet e das Ninfeias, mas infelizmente a leitura não foi como imaginei.

– Não sabemos, chefe. Na verdade, não estamos entendendo mais nada.
P. 238

É um livro muito bom. A capa é linda e a editora tomou um cuidado muito especial com o livro. Um ótimo trabalho, mas eu dei só 3 estrelas por não ter me encantado com a leitura.