Alyson Noël
(3/5)
Editora Intrínseca
2011
174 páginas

Sinopse: Algum tempo após o acidente de carro que a matou, Riley Bloom deixou sua irmã, Ever, no mundo que conhecemos e atravessou a ponte da vida após a morte até um lugar chamado Aqui, onde o tempo é sempre Agora. Riley reencontrou os pais, também vítimas do desastre, e Buttercup, o cão da família. Todos estavam se adaptando a uma morte boa e tranquila, até que ela foi chamada perante o Conselho e um segredo lhe foi revelado: a pós-vida não significa simplesmente uma eternidade de lazer. Riley tem tarefas a realizar. Ela é designada como Apanhadora de Almas, e Bodhi, um garoto diferente, que ela não consegue decifrar muito bem, é seu guia. Riley, Bodhi e Buttercup voltam à Terra para sua primeira tarefa: fazer o Menino Radiante, que há anos assombra um castelo na Inglaterra, atravessar a ponte. Muitos Apanhadores de Almas já tentaram convencê-lo e não obtiveram sucesso. Mas isso foi antes que o menino conhecesse Riley…

Opinião: Nunca tinha lido nada da Alyson e como achei os livros da série Riley Bloom em promoção resolvi comprar para ver como era. Mesmo sem ter lido a série Os Imortais, achei que dá para compreender muito bem a história.
Riley morre e descobre que as coisas continuam do mesmo jeito depois que ela morre. Quer dizer, ela ainda está lá com seu cachorro, continua tendo que ir à aula e não consegue atravessar as paredes. Exatamente como era quando ela estava viva.
Então ela é levada para uma missão. Ela deve ajudar o garoto Radiante que assombra as pessoas em um castelo na Inglaterra a atravessar a ponte e seguir a vida.
Achei que seria uma história mais elaborada, com mais dilemas e desafios, mas não é. É bem simples. Tanto a linguagem, quanto o enredo são simples e quando percebemos, já terminamos de ler.
Em alguns momentos achei a história bobinha demais, não sei ao certo o público alvo, mas acredito que seja para o público mais jovem (o que não justifica, já que temos livros infanto-juvenis bem complexos).
É legalzinho apenas, nada excepcional. Como é curtinho, dá para ler em uma sentada.