SOCIEDADE_DOS_MENINOS_GENIOSLev A.C. Rosen
(3/5)
Editora Novo Conceito
544 páginas
2014

Sinopse: Chantagem, mistério, confusões de gênero, coelhos falantes e um assassino autômato: mergulhe na trajetória de Violet Adams, que assume a identidade de seu irmão gêmeo para conseguir uma vaga na mais prestigiada universidade de Londres, que é exclusiva para meninos. Inspirado em clássicos como Noite de reis, de Shakespeare, e A importância de ser honesto, de Oscar Wilde, SOCIEDADE DOS MENINOS GÊNIOS traça um retrato pitoresco e provocativo da aristocracia vitoriana, oferecendo diversão, aventura e uma reflexão bem-humorada sobre a questão do gênero.

Opinião: Vou começar essa resenha falando sobre a capa… Gente! Que capa linda! Foi a primeira coisa que me encantou e me fez ter vontade de começar a leitura. Logo depois veio a sinopse bem interessante.
A soma desses dois ingredientes me fez ficar bem empolgada para iniciar a leitura e quando peguei o livro e vi a diagramação interna, fiquei ainda mais empolgada.
O miolo tem detalhes no início dos capítulos, o que enriqueceu ainda mais o trabalho. A fonte é em um bom tamanho e facilita a leitura.
Mesmo assim eu não tive uma experiência muito prazerosa ao ler esse livro. Sabe quando ficamos agarrados na história e a leitura não avança? Foi o que aconteceu comigo.

Violet fitou Londres lá fora e engoliu em seco. Não deixava de considerar a advertência do irmão. Era inteligente o bastante para saber dos riscos imprevisíveis de seu plano.
P. 43

O livro conta a história de Violet, uma jovem de 17 anos que se interessa muito mais por mecânica e ciência do que por roupas e coisas mais femininas.
Violet tem um irmão gêmeo, Ashton, eles moram com o pai, um dos astrônomos mais importantes da época e a governanta. A mãe deles morreu no parto.
Violet mantém um laboratório no porão, onde faz seus experimentos, mas seu sonho mesmo é estudar na Faculdade de Illyria, em Londres. Só tem um pequeno problema: Illyria não aceita estudantes do sexo feminino.

– Apenas que sempre sonhei em vir para Illyria, e que me empenharei com mais afinco do que qualquer outro aluno.
P. 87

Mas Violet e Ashton têm um plano para ela estudar em Illyria, realizar seu sonho e mudar a sociedade. Enquanto o pai deles viaja para os Estados Unidos, Violet irá se candidatar e estudar como se fosse Ashton. Após um ano de estudos, na feira cultural da faculdade, ela irá apresentar um trabalho maravilhoso e revelará sua verdadeira identidade.

O duque se escondera, escondera sua ciência, porque sabia que não era igual ao pai, mas não queria que o resto do mundo soubesse seu segredo.
P. 251

Violet vai conhecer a Faculdade como ela mesma, afirmando que foi entregar os documentos do irmão e nesse dia ela conhece o Duque de Illyria.
Eles têm uma conversa agradável e a história entre eles poderia evoluir para um romance, se fosse em outras circunstâncias. No momento Violet tem outros planos e muita coisa na cabeça para pensar em romance.

– Azar nas cartas – disse Ashton, começando a rir -, sorte no amor.
P. 277

Violet é aprovada para estudar em Illyria, ou melhor, Ashton é. Violet, vestida de Ashton vai para a faculdade e começa a estudar. Ela divide o quarto com Jack, um amigo de infância de Violet e Ashton e somente ele sabe seu segredo, não deixando nenhum outro estudante perceber seu segredo.
Jach e Violet fazem amigos e vivem grandes aventuras na faculdade. Há muitos segredos e mistérios envolvidos e alguns deles podem ser bem perigosos.

– Você está mudando, irmã, parece alguém completamente diferente.
– Ser homem talvez tenha me ensinado um pouco a ser mulher.
P. 306

A história é interessante e o livro é muito bem escrito, mas não foi uma leitura que me prendeu. Achei algumas cenas muito descritivas e repetitivas e não conseguia me envolver tão bem. Em alguns momentos eu enrolei para continuar a leitura, pois sabia que não seria tão agradável quanto eu esperava.
Também não me interessei tanto pelo enredo steampunk. Essa coisa de máquinas, autômatos e coisa e tal não me prende muito a atenção.
Em se tratando de máquinas, prefiro histórias com enredos mais modernos, esses que se passam no período vitoriano não me agradam muito.
Foi o primeiro livro no estilo que eu li, mas também não gostei dos filmes que eu assisti e que se passavam em igual período.
Mas acho que vale a pena para quem está procurando algo diferente para ler.