Nicholas Sparks
(4.5/5)
Editora Novo Conceito
2011
1ª Edição
349 páginas
Sinopse: “Mas não estava em outra época e lugar, e nada daquilo era normal. Trazia a fotografa dela consigo há mais de cinco anos. Atravessou o país por ela.” “Era estranho pensar nas reviravoltas que a vida de um homem pode dar. Até um ano atrás, Thibault teria pulado de alegria diante da oportunidade de passar um fm de semana ao lado de Amy e suas amigas. Provavelmente, era exatamente isso de que precisava, mas quando elas o deixaram na entrada da cidade de Hampton, com o calor da tarde de agosto em seu ápice, ele acenou para elas, sentindo-se estranhamente aliviado. Colocar uma carapuça de normalidade havia-o deixado exausto. Depois de sair do Colorado, há cinco meses, ele não havia passado mais do que algumas horas sozinho com alguém por livre e espontânea vontade. (…) Imaginava ter caminhado mais de 30 quilômetros por dia, embora não tivesse feito um registro formal do tempo e das distâncias percorridas. Esse não era o objetivo da viagem. Imaginava que algumas pessoas acreditavam que ele viajava para esquecer as lembranças do mundo que havia deixado para trás, o que dava à viagem uma conotação poética. prazer de caminhar. Estavam todos errados. Ele gostava de caminhar e tinha um destino para chegar.


Opinião: Segundo livro do Nicholas Sparks que leio e gosto. Odiei “Querido John” de tal forma que fiquei com preconceito com o autor, até ler “Um amor para recordar” e gostar bastante.
Mas falando de “Um homem de sorte”, o começo me fez lembrar muito “Querido John”, o que já me deixou irritada. Thibault é um ex fuzileiro que lutou no Iraque por 5 anos e encontrou a foto de uma mulher no meio do campo de batalha e passou a acreditar que aquela foto o trazia sorte e, seguindo o conselho de seu amigo Victor, foi atrás da mulher da foto e ver o que o destino tinha reservado para ele.
A história não tem como ser mais clichê. O Nicholas escreve exatamente o que as mulheres gostam de ler: romances açucarados e um homem perfeito que cai aos pés da sua amada e a faz sentir a melhor das mulheres.
Não vou falar que não gosto de ler coisas assim, porque eu gosto, mas não é meu estilo favorito. Em alguns pontos a história é tão falsa que chega a dar raiva >_< claro que eu fico torcendo para o casalzinho se dar bem no final, mas depois do primeiro encontro um declarar "eu te amo" para o outro é meio sem sentido. Não gosto desse tipo de coisa. A narrativa do Nicholas Sparks é sempre do mesmo jeito, as histórias possuem o mesmo clima de romance açucarado e os homens são príncipes encantados perfeitos. Então nada que acontece no livro me surpreende mais, tanto faz se o final é feliz como todo mundo quer e espera, ou se um dos dois morre/some no final. Os ingredientes e a receita são os mesmos, só muda um pouco a decoração do bolo. Apesar disso tudo, eu gostei do livro e recomendo principalmente para os fãs do Nicholas.