UMA_PROVA_DE_AMOREmily Giffin
(4/5)
Editora Novo Conceito
2013
432 páginas

Sinopse: Primeiro vem o amor, depois vem o casamento e depois… os filhos. Não é assim? Não para Claudia Parr. A bem-sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe, e até desistiu de encontrar alguém que aceite esta sua escolha, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e — assim como Claudia — também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos? Uma Prova de Amor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não servem mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Opinião: Já sabia que o livro seria bom só por ser da Emily Giffin, mas não imaginava que seria uma leitura tão gostosa assim.
Comecei a ler de manhã, à caminho da aula e terminei de ler de tarde, depois do almoço. A escrita da Emily tem uma linguagem muito fácil e gostosa de se ler e como a história é boa, tudo flui bem.
O livro conta a história de Claudia, uma moça bem sucedida na carreira, que já passou dos 30 anos de idade, mas não quer ter filhos. Ela é casada com Ben, um homem também bem sucedido profissionalmente, que ama viajar e curtir a vida ao lado de Claudia, mas que muda de opinião a respeito de ter filhos.

Eu nunca quis ser mãe. Mesmo quando eu era pequena e brincava de boneca com minhas duas irmãs, sempre fazia o papel da tia Claudia boazinha, que dava banho, trocava fraldas, embalava seus bebês de plástico e depois ia embora, à procura de coisas mais animadas para fazer no quintal ou no porão.
P. 11

Achei bem interessante essa abordagem da autora. Acho que é difícil encontrar uma mulher que não quer ter filhos, ainda mais com uma personalidade tão forte quanto a de Claudia. Geralmente quem não quer saber disso são os homens, então me surpreendi bastante com a temática.
Desde o início da história, dava para notar que Ben e Claudia eram almas gêmeas. Ben é um fofo, o tipo de marido que toda mulher idealiza e mesmo quando decide que quer ter um bebê e Claudia não, ele mantém a calma e a paciência com ela.

– Claudia, se tivermos um filho, prometo que você será a primeira mulher na história do mundo a não perder nenhum minuto de sono.
P. 50

Mas Claudia é tão imparcial e inflexível que só diz “não” e “nunca” para Ben. Ela não quer conversar sobre o assunto e não está aberta para possibilidade de ter um filho no futuro. A personalidade dela é tão fácil que tinha horas que eu tinha vontade de esbofetá-la e dizer, como todos os outros personagens no livro, que ela estava perdendo o amor da vida dela.
Por causa disso, o inevitável acontece e eles se divorciam, apesar de se amarem.

– É por que você não quer ter filhos ou por que você não o ama?
P. 109

Apesar do assunto principal do livro ser a questão de ter ou não ter filhos do casal Claudia e Ben, os personagens secundários estão sempre presentes e enriquecendo a história com seus exemplos de vida.
Claudia tem duas irmãs Maura e Daphne. Ambas são casadas. Maura tem três filhos, dois meninos e uma menina de 6 anos, Zoe, que é uma graça e me encantou todas as vezes que apareceu na história. Ela casada com Scott, que é um canalha e a trai. Daphne é casada com Tony e eles estão tentando ter filhos sem sucesso.
Além da presença constante das irmãs de Claudia na história, há também a melhor amiga dela, Jess. Claudia conheceu Jess quando estavam na faculdade e moraram juntas durante o curso e depois de formadas. O problema de Jess é que ela tem um dedo podre para homem, só namora os caras incertos para ela.

Quero meu marido de volta sem a condição do filho. Daphne quer um bebê e nem se importa com o marido. Maura quer que seu marido pare de traí-la. Jess quer que o marido de outra a traia ainda mais.
P. 148

Não foi o melhor livro da Emily que eu já li, mas eu gostei bastante. O que eu mais gostei foi de ter identificado nos personagens pessoas que eu conheço na vida real e que assim como Claudia preferem manter sua opinião a ser feliz.

– Bom, você faria qualquer coisa para ter sua alma gêmea de volta, não faria? Quero dizer, essa é a essência das almas gêmeas. Romeu e Julieta tomaram veneno para ficar juntos… Então, se Ben é realmente o único homem feito para você não acha que deveria ir em frente e ter um filho dele?
P. 313

Não gostei muito da capa. Ela é bem simples, só com um brilho no título do livro e no nome da autora, mas o que eu não gostei foi da sobreposição das imagens, achei que deixou o visual um pouco poluído. Acho que se não fosse o livro de uma autora que eu conheço eu passaria batido por ele na livraria. Mas a lombada é linda na estante. O coraçãozinho separando o nome da autora do título do livro ficou muito fofo. Simples e harmoniosa.
O miolo não tem nada de excepcional, é bem simples e os capítulos se iniciam todos na página da direita (meu TOC agradece).
Os capítulos não são muito longos e isso facilita ainda mais a leitura.