MANUSCRITOS_DO_MAR_MORTOAdam Blake
(5/5)
Editora Novo Conceito
2013
480 páginas

Sinopse: A ambiciosa policial Heather Kennedy está em seu trabalho mais difícil: seus métodos de investigação são criticados e ela está sendo assediada por colegas rancorosos porque não lhes dá atenção. Até que lhe é atribuída o que parece ser uma investigação de rotina, sobre a morte acidental de um professor da Faculdade Prince Regent, mas a autópsia deste caso volta com algumas descobertas incomuns: o inquérito vincula a morte deste professor às de outros historiadores que trabalharam juntos em um obscuro projeto sobre um manuscrito do início da Era Cristã. Em seu escritório, Kennedy segue com sua investigação e logo se preocupa com o rumo para onde está sendo levada. Mas ela não está sozinha em sua apreensão. O ex-mercenário Leo Tillman — seu futuro parceiro — também tem angustiantes informações sobre estes crimes. E sobre a misteriosa organização mundial a que os crimes se relacionam… Escondido entre os pergaminhos do Mar Morto, um códice mortal pretende desvendar os segredos que envolvem a morte de Jesus Cristo. Entre um terrível acidente de avião no deserto americano, um brutal assassinato na Universidade de Londres e uma cidade-fantasma no México, Manuscritos do Mar Morto é o mais emocionante thriller desde O código Da Vinci.

Sinopse: Alguns livros mais grossos me desanimam de ler pelo simples motivo de ter que levar peso dentro da bolsa (eu leio mais dentro do ônibus e antes da aula do que em casa), então eu fui adiando a leitura dessa belezinha.
Confesso que os primeiros capítulos são chatos e um pouco confusos. Qual a relação entre a morte de um professor universitário, no Reino Unido, que possivelmente caiu da escada, a queda de um avião nos Estados Unidos e um mercenário no Oriente Médio?
Acho que eu demorei a primeira parte toda do livro tentando entender essa relação, mas só com o avanço na leitura que passei a entender o que estava acontecendo.
O livro é divido em partes: RUM, 124… Além dos capítulos.
O capítulos não são muito grandes e a leitura é bem rápida, só que o próximo capítulo se passa com outro personagem, em outro lugar. Em um thriller policial, isso é interessante porque nos força a continuar a leitura, mesmo morrendo de sono, porque a curiosidade é maior que tudo.
A primeira parte, além de dar uma introdução na história também fala do Código de Rum, que é um documento encontrado em inglês, que mostra o Evangelho de Judas.

Ou pelo menos parece ser a tradução de um códice – um livro no qual o Evangelho de João é seguido pelo Evangelho de Judas. Mas, se esse for o caso, então o original – o códice verdadeiro, escrito em aramaico, a partir do qual essa tradução parcial para o inglês foi feita – nunca foi encontrado, nem sequer positivamente identificado.
P. 129

A Sargento Kennedy foi designada para investigar novamente a morte do professor universitário e descobre que ele não caiu acidentalmente da escada, mas teve seu pescoço quebrado e só depois ele foi jogado para parecer um acidente.
Ao investigar essa morte, eles descobrem a morte de outros dois professores, que aparentemente não tinham nenhuma relação entre si, mas em conversa com a irmã do primeiro professor morto, a Sargento descobre que eles faziam parte do mesmo fórum virtual.
Pesquisando sobre esse fórum, a Sargento e seu companheiro de equipe descobriram uma professora de TI, que conhecia os outros mortos e contou que juntos eles estavam fazenda uma nova análise sobre o Código de Rum.
A emoção começa mesmo depois que a Sargento Kennedy presencia o assassinato de uma importante testemunha e é quase vitimada nesse incidente.
A partir desse ponto do livro, as coisas começam a se relacionar mais e a história fica mais intrigante.

No sétimo dia Deus descansou. Kennedy não era Deus: ela voltou ao trabalho e ao comitê do incidente.
P. 168

Apesar de todas as descobertas, a polícia não levou muito a sério as investigações e não deu apoio as operações da Sargento Kennedy, somente quando acontece o incidente com a testemunha é que o chefe de Kennedy toma uma providência e começa a investigar melhor o caso.
Mesmo com todo o progresso que Kennedy fez no caso, ele a afasta das investigações, apenas por picuinhas internas e o caráter nada amigável da Sargento.
Só que a polícia não esperava por Kennedy ter conhecido e ter sido salva pelo ex-mercenário Leo Tillman. Então, apesar de todos os obstáculos colocados por seus colegas, Kennedy continua as investigações, juntamente com Tillman.
Heather Kennedy e Leo Tillman estão em busca de Michael Brand, um elemento importante no caso de Kennedy e principal alvo de Tillman.
Juntos, Heather e Leo descobrem sobre Michael Brand muito mais do que imaginavam e toda relação dele com o Código Rum e os descendentes de Judas.

– Se pudessem ser derrotados?
Ele se virou para ela, a expressão desolada.
– Bom, então eles não estariam por aí até hoje, não é? Não depois de todos esses séculos. Se fossem vulneráveis em qualquer aspecto concebível, alguém já teria acabado com eles.
P. 324

O livro tem um ótimo ritmo e apesar do número de páginas, não é uma leitura demorada.
Eu achei a temática tão envolvente que depois de ler, fiz uma rápida pesquisa no Google para entender mais sobre o Código do Rum e o Evangelho de Judas e saber o que era realmente verdade da história.
Gostei muito da capa e da diagramação do livro.
O miolo não tem muitas firulas, mas eu gostei da simplicidade e objetividade.
Encontrei alguns erros de concordância e digitação, mas nada muito relevante ou que atrapalhasse a leitura.