Brownie Tag Archive

  • A vida em tópicos

    Eu sei que eu ando meio afastada do mundo blogueiro. Na verdade, afastada do meu blog, porque eu continuo lendo os posts alheios, assistindo a vídeos, vendo postagens nos grupos no Facebook, mas sem vontade de uma participação mais ativa.
    Acontece.
    Vou abandonar o blog? Não, não vou.
    Só não acho justo fazer algo meia-boca ou deixar um comentário vazio só para dizer que estou presente, só para ter números. Cheguei naquela fase da vida que caguei para isso.
    Já cheguei para migues no privado e falei: “Sabe aquele seu post? Eu gostei.” As pessoas ficam mais felizes com comentários nos posts? Ficam. Mas olha, migue, nem na melhor fase blogueira da vida eu estou, o meu “eu gostei” significa que o seu trabalho está muito bem feito e que você está no caminho certo. Continue.
    Eu estou aqui cuidando da minha vidinha, colocando as coisas no lugar, ajeitando a vida fora da blogsfera para depois trazer conteúdo legal. Melhor assim, né?
    Já que estamos aqui tendo uma conversa legal e sincera, vou contar minha vida em tópicos e dizer coisas que aconteceram e estão acontecendo.

    1. Brownie morreu. No sábado ele estava bem, mas começou a sentir dor no fim da tarde. Ele estava bem, só com dor (a gente pegava e ele não gostava). Dei um remédio para dor e fiquei no WhatsApp com a veterinária dele durante a noite. Gengivas saudáveis, comeu e bebeu água de manhã, mas parou de se alimentar e durante a madrugada teve dificuldades em respirar. A vet disse que se ele tivesse alguma coisa diferente era para levar para o hospital que ela iria lá. Domingo de manhã, arrumei as coisas, coloquei ele na caixa de transporte e saí. Eu moro há 14km do hospital veterinário. Fiz o percurso em 13 minutos. Mas meus gatos são todos muito assustados. Eles odeiam ficar fora de casa, entram em pânico. A menos de 4km do hospital ele enfartou. O veterinário de plantão fez massagem cardíaca, mas não deu.
    Foi uma diferença de 20 minutos entre as mensagens que eu troquei com a veterinária. “Estou saindo de casa” (quando estava arrumando as coisas) e “Ele enfartou chegando no hospital” (depois que o veterinário falou que ele tinha morrido). Foi um choque para todo mundo.
    Mas fizemos um funeral completo para ele. Velório, enterro (no cemitério) e missa de 7º dia na igreja de São Francisco.
    Ajudou a superar.
    Acho que um ser que só nos deu amor merece um ritual digno. Considero meus bichos mais do que considero muita gente. Desculpa, prefiro animais.

    2. Não gravei mais vídeos de Planeje Comigo! para o canal porque estou sem planner! Comprei e paguei o bendito em outubro. Não chegou até hoje. Ficou parado em Curitiba quase dois meses e como eu comprei com a Chris, tem aquela parte de chegar para ela, ela me enviar. Quando chegar e tudo estiver em mãos eu volto a gravar.
    Essa falta de planner me desanimou tanto que nem vontade de editar o último Planje Comigo! do ano eu tive.
    Mas vamos vivendo bem sem isso e sem remorsos.

    3. Estou escrevendo uma fan fic. E isso é a coisa que mais me deixou feliz nos últimos tempos. Não é nada demais, não é uma obra prima, não é a melhor coisa que eu já escrevi na vida. Mas vocês têm noção de que eu não escrevo NADA desde 2008? Eu quis muito escrever e voltar a escrever antes, mas não vinha nada. Ou eu achava que não valia a pena. Mas então eu tive um estalo e comecei a escrever e saiu algo plausível de ser colocado em palavras e estou no terceiro capítulo.
    É uma fan fic sobre Penny Dreadful, eu peguei a última cena com a Vanessa e modifiquei, criei um final alternativo e a história se desenrola a partir daí. O nome é a tradução do último capítulo The Blessed Dark modificada. Talvez tivesse ficado melhor deixar tudo em inglês, mas quis aportuguesar e virou Após A Escuridão Abençoada. Está no Spirit e pode ser acompanha por aqui:

    Fanfic Após a escuridão abençoada

    Beijos de luz e até a próxima resenha. (sim, o próximo post será de resenhas)

  • Tag: Vida de Gateira!

    Peguei essa tag gateira no blog da Renata. Achei tão linda e cheia de amor que eu tive que fazer na hora *-*
    gateira
    1) Quantos gatinhos você tem?
    6

    2) Qual nome dele (a)? Quais apelidos?
    Cookie – Chato, Branco e Memeu
    Brownie – Olho azul, São Torquato e Nini
    Pudim – Pudinha, Patinha e Gorda
    Muffin – Funcho, Rabudo e Rabo
    Biju – Brancão, Biscoito, Gordo e Entrão
    Pipoca – Biboca, Birosca, Chiquinha e Francisca

    3) Qual a idade do seu gatinho?
    Cookie 5 anos
    Brownie 3 anos
    Pudim 3 anos
    Muffin 2 anos
    Biju 7 meses
    Pipoca 5 meses

    4) Como ele (a) chegou até você?
    Resumindo a ópera: todos foram “jogados” no meu quintal.
    Cookie encontrei no meu às 11 da noite, na chuva, no frio e com a boca machucada
    Brownie ganhei de presente da minha prima
    Pudim ficou 3 dias escondida no meu quintal com fome. Consegui pega-la em um domingo à noite, depois da missa
    Muffin encontrei no portão da minha casa às 6h de manhã (também no frio e chuva)
    Biju minha mãe o encontrou esturricado no sol de meio-dia todo machucado de sarna, feio e sujo
    Pipoca encontrei no meu muro pulando de um lado para o outro e querendo correr para o meio da rua

    5) Vocês tem fotos dele(a) bebê/antigas?
    Tenho!
    Cookie, Brownie, Pudim, Muffin, Biju e Pipoca

    6) Como é a personalidade do seu gatinho(a)?
    Cookie – sistemático, só come e usa liteira se for no banheiro fechado e comigo perto
    Brownie – dorme muito, é dengoso, ama mamar no cobertor da minha mãe e apanha do Cookie
    Pudim – dorme o dia inteiro, é uma lady para miar (quase nunca escuto ela miando), não pede nada, não reclama de nada, acho que ela me ama porque me deu camundongos e taruíras.
    Muffin – Dorme o dia inteiro no meu quarto, muito medroso, me abraça apertado e dorme fazendo cafuné na minha cabeça
    Biju – Come muito (muito mesmo), brinca na mesma proporção e dorme em cima da cabeça da gente
    Pipoca – Ligada no 220v, pula, corre e brinca o dia inteiro

    7) Ele (a) gosta de brinquedinhos? Se sim, quais?
    Cookie só gosta do ratinho com catnip.
    Os outros brincam com arranhadores, bolinhas de pena, bolinhas de papel e qualquer outra coisa que encontram pela frente.

    8) Qual tipo de carinho que ele (a) mais gosta?
    TODOS gostam de coçar a cabeça e embaixo do pescoço.
    A Pudim gosta de coçar a barriga e Cookie de abraçar <3

    9) O que ele mais gosta de comer? Qual marca de ração/molhinho você costuma dar?
    Eles comiam ração Proplan e molhinhos Friskies e Whiskas e Petiscos Whiskas. Mas o Brownie teve gastrite e trocamos para a ração da Royal Canin para estômago sensível e paladar exigente.
    Os filhotes comem a Cat Premium Kitten.

    10) Como é a caixinha de areia do seu gatinho (a)? Você usa areia, sílica, receita alternativa?
    Temos caixas abertas com areia KatBom e caixas fechadas com areia de sílica.

    11) Que recado você daria para as pessoas que não tem gatinhos, ou tem preconceito com gatos?
    Como você não consegue gostar DISSO?

    É para indicar alguém? Se não era estou indicando todo mundo que tem gatos e ler esse post para responder :D

  • Adoção consciente e guarda responsável (ou como eu ‘ganhei’ 16 patinhas)

    Post Image

    patinhas_ipad12
    Todo mundo que entra no blog sabe de cara que eu sou mãe de 4 gatinhos (ta escrito ali na lateral), mas não sei se todos sabem da nossa história de amor.
    Em 24 de setembro de 2010 eu perdi meu grande amigo e cãopaneiro, Nicholas, um Yorkshire Terrier. Eu e minha mãe decidimos que não queríamos mais bichos aqui em casa, porque a gente sofre muito quando eles ficam doentes e se vão. Mas não escolhemos algumas coisas na vida.
    Apenas 15 dias depois do falecimento do Nicholas, jogaram um gatinho no meu quintal. Um filhotinho sem raça definida, branquinho e com manchas pretas e uma “máscara do Batman” na cara. Eu vi aquele bichinho ali no frio, à noite, assustado e com a boquinha machucada e não pensei duas vezes antes de pegar para dar muito amor e carinho.
    Coloquei o nome dele de Cookie e por muito tempo ele só confiava e gostava de mim. Ele tinha me adotado como “mamãe”.
    Dois anos mais tarde, me deram o Brownie. Uma coisinha que não foi abandonada no meu quintal, mas veio de um lar onde a mãe gata não o amamentava e os outros irmãos não deixavam ele chegar perto da mamãe deles. A ideia de ter dois gatos me pareceu boa, um fazia companhia ao outro e o Cookie poderia deixar de ser tão dependente da gente.
    Estava feliz com meus dois felinos e dando muito amor, quando em 9 de dezembro de 2012 encontrei mais um gatinho no meu quintal. Um filhote todo alaranjado, cheio de carrapicho, sujo e muito assustado. Pela cor da pelagem desconfiei que fosse macho e o chamei de Pudim, mas não… Pudim era fêmea. Um em cada 999 gatos laranjas que nascem são fêmeas e tivemos a sorte de termos uma para chamar de nossa.
    Nossa família felina estava linda e completa e não tínhamos a menor intenção de adotar bicho nenhum (não sou a louca dos gatos, por favor!), mas em 3 de novembro de 2013, às 6h da manhã apareceu uma lindeza pequenininha, simpática e implorando por um lar. Não queríamos outro gato (3 já era demais!) e tentamos encontrar um dono para o pequeninho, mas fomos nos apegando, ele ficou e é o nosso bolinho, Muffin.
    Meus gatos
    Antes de ter meus amados filhotes em casa eu nunca tinha pensado em adotar. Eu escolhia uma raça com padrões de comportamento que eu achava que se adaptava melhor ao meu estilo de vida e procurava para comprar. Mas depois que esses amores entraram na minha vida eu acho que nunca mais vou pensar em comprar um bicho.
    Bicho dá o mesmo amor e carinho que você dá para ele e isso independe da raça.
    Se você quer mesmo ter um bichinho não deve pensar nas aparências, ou porque esta ou aquela raça está na moda. Um animal é um ser vivo que requer atenção, carinho e cuidados. Custa caro manter um animal, dá muito trabalho, é necessário ter paciência, mas o amor que recebemos como recompensa é tanto que é impossível não amá-los de volta.
    Cachorros, mesmo os de pequeno porte, necessitam de um espaço para praticar exercícios e descarregar energia. Passeios são essenciais para não deixar o bicho estressado. Não tenha um cachorro se você não tem tempo de cuidar e se dedicar. Para que manter uma vida presa e triste, se ela pode ser feliz em outro lar? Tenha essa consciência antes de adotar.
    Gatos se dão melhor em ambientes fechados e menores. Não necessitam de passeios (mas se você acostumar seu gatinho a usar coleira e sair na rua, ele também o fará), mas precisam tomar banho de sol diariamente (eles AMAM sol), olhar o movimento pela janela e 15 minutos de brincadeiras por dia. Eles podem brincar sozinhos ou com você, a decisão nesse caso, será sempre do gato.
    Cachorros precisam ser treinados para fazer suas necessidades em lugares determinados. Gatos vêm “de fábrica” com a habilidade de usar a caixinha de areia, que você precisa manter limpa, bichanos odeiam sujeira.
    Gatos x Cachorros
    Em qualquer um dos casos (gato ou cachorro), lembre-se de manter o animal protegido dentro da sua propriedade. Não deixe-os ter acesso à rua desacompanhados. Eles podem se perder, serem atropelados ou vítimas de pessoas maldosas. Coloque telas em todas as janelas e portas e não deixe nunca seu gatinho sair para conhecer a vizinhança.
    Castre seus animais, isso elimina a curiosidade deles com a rua ao sentir o cheiro de outro animal. Centros de Zoonose e algumas faculdades de medicina veterinária fazem esse serviço gratuitamente, se informe na sua cidade.
    A recuperação deles nessas cirurgias é bem rápida e valerá a pena.
    Pense nessas coisas antes de adotar seu bichinho, tenha consciência do seu estilo de vida antes de assumir uma responsabilidade desse tamanho. Um animal pode viver cerca de 18 anos. Durante a vida toda dele, ele irá confiar em você, não o desaponte, nem o abandone quando ficar doente ou velho. Você não gostaria que fizessem isso com você. Não faça isso com quem só vai te dar amor.
    Adoção responsável
    Você tem algum bichinho? É um dono responsável? Então me conta aí como é o seu relacionamento com o seu peludo e como vocês “se conheceram”.

    Esta blogagem coletiva faz parte do projeto Abraçando Patinhas, uma iniciativa do Rotaroots em parceria com a marca de ração Max – da fabricante Total Alimentos. Esta iniciativa reverterá na doação de 1 tonelada de ração para a ABEAC, ONG responsável pelo bem estar de cerca de 1100 cães. Saiba mais sobre o projeto no site do Abraçando Patinhas ou participando do grupo do Rotaroots no Facebook.