Escrevendo FanFics: guia completo

Escrevendo Fanfics

Ok. Eu sei que eu abandonei o blog, mas tudo o que eu queria nessa quarentena era tempo para ficar ociosa (e postar). Como querer não significa poder, só voltei hoje para falar de um assunto que já queria ter falado há muito tempo: FANFICS.

Conheci esse universo quando estava no ensino fundamental, mas recentemente ele voltou com força para minha vida.

Escrevendo Fanfics

O que é?

Fanfics (ou simplesmente fics) são contos ficcionais inspirados em histórias já existentes. Esse movimento teria se iniciado na década de 1960 com histórias inspiradas em Star Trek.

Hoje podem ser inspiradas em absolutamente qualquer coisa, até mesmo pessoas reais (famosas ou não).

Alguns autores apoiam, enquanto outros como George R.R. Martin e Anne Rice não gostam.

Diversos autores começaram sua carreira escrevendo fanfics: E.L. James, Carolina Munhoz, Cassandra Clare e Babi Dewet são alguns exemplos.

A maior vantagem das fanfics é a democratização da escrita. Todos podem escrever, basta ter uma ideia boa. Correção de ortografia e vocabulário vêm com o tempo, mas o foco principal é a criatividade.

Outra coisa que eu gosto é o feedback rápido. Você posta um capítulo e já sabe se o leitor está gostando ou não.

Sobre o que escrever?

Como eu disse, absolutamente qualquer coisa. O que eu acho mágico no universo das fanfics é que você não precisa ter uma história que seja coerente, qualquer tipo absurdo é aceito. Para onde sua imaginação mandar você vai. Quer fazer um crossover envolvendo Harry Potter, Jogos Vorazes e Riverdale? Só vai. Coloque suas ideias no papel e escreva.

Como escrever?

Bom, minhas dicas são:

  1. Tenha uma ideia.
  2. Organize e desenvolva.
  3. Pesquise sobre a história: onde acontecerá? Quando acontecerá? Por que o evento acontecerá? Quem são os personagens? Qual o objetivo dos personagens?
  4. Leia muito: ler é ótimo para você aprender a desenvolver a escrita, além de exercitar a criatividade.
  5. Pratique: escreva, escreva e escreva!

Onde ler/publicar?

Há diversos sites por aí, mas vou citar os que eu conheço: Wattpad, Spirit, Nyah!, Archive of our own, Fanfiction

Para ler em inglês eu gosto muito do Archive of our own e do Fanfiction.

Minha experiência

Eu comecei a escrever no Ensino Fundamental, escrevi umas 3 fics com as Spice Girls. Naquela época não tinha sites ou fóruns sobre fanfics e eu escrevia em folhas de fichário e trocava os capítulos com minhas amigas. A frequência de “postagem” dependia da quantidade de dever de casa e do grau de dificuldade das provas. Então veio o Ensino Médio e a necessidade de estudar para o vestibular, depois faculdade, cursinhos… vida de adulta e eu abandonei por um tempo.

Em 2017 decidi voltar a escrever. Eu estava com uma ideia fixa, já tinha os personagens e a história e comecei a escrever. Demorei para terminar a história? Demorei, mas finalizei. Agora estou com outras duas em andamento e eu não faço a menor ideia quando irei finaliza-las.

Meu processo de escrita funciona assim:

Eu imagino a cena, pesquiso sobre a ambientação (onde está acontecendo? é verossímil?), escolho uma trilha sonora, escrevo e reviso. Todas minhas histórias têm trilha.

Dicas

Tenha uma frequência de postagem e ganhe leitores fieis. Se possível, tenha um ou dois capítulos já escritos ao publicar um. Assim quando você tiver um bloqueio criativo você já tem conteúdo para os seus leitores enquanto novas ideias não surjam.

Ao receber um comentário positivo agradeça. Mantenha um bom relacionamento com os seus leitores.

Se receber um comentário negativo, não guarde aquilo com você. Apague e ignore. Não alimente os haters. Só tenha atenção: o comentário foi realmente negativo ou a pessoa quis te dar uma dica e acabou usando palavras brutas?

Vendendo meu peixe

Quem quiser ler minhas histórias, eu gosto muito de postar no Spirit. Ainda estou tentando entender o Wattpad. Mas cliquem nos links para irem direto ao meu perfil.

Falando um pouquinho das minhas histórias:

Após a escuridão abençoada

A história acontece após o último episódio da terceira temporada de Penny Dreadful (The Blessed Dark – daí o nome estranho). Na verdade, a fic começa quando Ethan aperta o gatilho (quem assistiu sabe o que aconteceu), mas o alvo dele foi outro. Ainda segue o clima vitoriano, misturando terror, sobrenatural, todos os personagens originais. Eu tentei dar um fim mais digno para a série. Coloquei bastante citações de poesias, busquei muita inspiração no John Logan e na série em si. Coloquei cenas que eu quis tanto que acontecessem que meu coração doía. Está finalizada.

Alice in wonderland

Os mais antigos na internet lembram de uma menina que tinha um blog com fonte verdana, escrevia todas as palavras com letra minúscula e o topo era uma ilustração de Alice no País das Maravilhas. A Alice era minha amiga e tinha uma vida que dava uma novela, então por que não escrever sobre ela? Fatos reais, fatos da minha cabeça e totalmente escrita em formato de blog. Ainda em processo de escrita. Reestruturei alguns capítulos e voltei a escrever capítulos originais há pouco tempo.

Underground

Baseada na série Penny Dreadful (Hello darkness my old friend). Uma profecia antiga conta que o Diabo procura sua noiva e assim que ele a reencontrar o mundo se transformará em caos e terá início o apocalipse: Toda luz chegará ao fim e o mundo viverá na escuridão. Os escondidos subirão e comandarão. A história se passa em Londres, 2019 e
Vanessa Ives ainda não sabe, mas este foi o último ano normal na história da humanidade. Ela é a peça chave nesse embate entre luz e trevas. Totalmente inspirada nas desgraças de 2020. Atualização semanal e o fim depende da nossa realidade (estou falando sério, misturo bastante realidade e fantasia, com links de reportagens para provar meu ponto).

Continue Reading

Como estudar inglês sozinha

No início do ano, quis melhorar minhas habilidades na língua da rainha e comecei a pesquisar como estudar inglês sozinha. Eu estudei inglês minha adolescência toda e sei além do básico, compreendo bem textos, consigo assistir séries e filmes sem legenda e me viro bem com meus conhecimentos, mas precisava praticar mais.

Estava sentindo que estava ficando enferrujada, então decidi recomeçar a estudar. A melhor opção seria um professor particular ou um curso de conversação.

Também vi aplicativos de estudo, como Cambly e ABA e gostei muito da proposta. O Cambly são aulas com base na conversação professores nativos. O ABA também tem aulas com professores nativos, mas possui conteúdo premium (para assinantes) e gratuito. A parte gratuita você consegue assistir a vídeos-aula, assinando o app, você tem acesso a lições, avaliações e direito a certificados.

Mas também os app pagos também não eram uma opção para o meu bolso, então fui sozinha procurar meu próprio conteúdo para estudar. É fácil separar o material? Não. Precisa de disciplina? Sim.

Mas como eu sou uma alma muito boa e caridosa, separei algumas dicas e links que estou usando e gostando muito.

Dica #1

Saiba qual é o seu nível de inglês. Existem vários sites que fazem isso gratuitamente, eu fiz o meu pelo ABA.

Você vai precisar saber seu nível para filtrar seu material de estudos. O meu é B2.

Dica #2

Separe 2h por dia de estudos. Quando eu fazia cursinho eram 3h de aula por semana. Com 2h diárias de dedicação dá para aprender até mais que no cursinho.

Dica #3

Tenha um cronograma de estudos. O meu tem estudos de segunda a sábado e domingo é o dia que eu tiro para separar material de estudos para a semana.

Meu calendário é:

  • Segunda-feira: Reading
  • Terça-feira: Listening
  • Quarta-feira: Listening + Speaking
  • Quinta-feira: Grammar
  • Sexta-feira: Writing
  • Sábado: Filme
  • Domingo: Separar material de estudos

Depois que eu comecei a estudar, eu percebi que seria melhor começar a semana com o Grammar e basear o resto das lições na gramática da semana. Enfim… depois de um mês estudando se eu mudar agora vai complicar minha cabeça. Mas fica a dica.

Dica #4 – Reading

Eu acho o reading a habilidade mais fácil de ser praticada porque é muito fácil encontrar qualquer coisa escrita em inglês. Mas eu comecei a praticar com o site English News In Levels. São as notícias da semana de forma resumida para a compreensão em 3 níveis: 1, 2 ou 3. Por este site meu nível é o 3.

Outra dica, é ler este site completo que além de praticar o reading você ainda pega dicas de como estudar.

Outro site interessante é o VOA Learning English. É bem completo e não tem apenas as notícias para ler, mas também áudios e lições.

Você também pode entrar em qualquer site de notícias como BBC, CNN, New York Times e ler alguns artigos.

Se quiser algo mais informal e divertido, procure fanfics em inglês. Nem todo mundo escreve corretamente, mas é um conteúdo divertido.

Dica #5 – Listening

Como eu escuto muita música em inglês eu também acho bem fácil de praticar. Eu comecei a estudar com as músicas mesmo, pegava uma música que eu não tinha ouvido ainda e ouvia no repeat até conseguir entender. Mas confesso que não é uma forma muito eficaz, apesar de ser divertida.

Nas minhas buscas eu encontrei este site (Interlink Language Centers) maravilhoso de spelling practice com muitos testes para fazer.

Mas o que eu estou usando é o site do Bristish Council. Eu estou muito apaixonada por ele. Além de praticar listening, também dá para praticar reading, writing e speaking. É um poço de diversão para quem quer estudar.

Quem quiser mais modernidade, há app para smartphone e tablet. Eu uso mais o app no iPad porque fico com preguiça de ligar o notebook.

Os áudios possuem transcrição e exercícios de compreensão com correção online.

Outro app que uso muito é o da BBC Learning English. Uso um para complementar o outro.

Dica #6 – Speaking

Como estudar inglês sozinha e conversar? Parece estranho, mas é possível. A solução mais fácil é falar sozinha. Pode parecer coisa de louco, mas funciona. Ouvir os áudios dos listening e depois ler em voz alta é bem interessante.

Se isso parece estranho, tem o app IELTSpeaking. Achei na Apple Store, mas deve ter para Android também. É um treino para o teste do IELTS, o app te faz perguntas e você responde. Suas respostas ficam gravadas e você ouve sua voz.

Se ainda parece estranho, arruma um amigo online e converse com ele. Eu uso os app HelloTalk e Tandem.

Dica #7 – Grammar

Eu comecei a estudar gramática pelo Grammar In Levels. A vantagem é que tem o livro de O Pequeno Príncipe em áudio ao final de cada lição gramatical, mas o conteúdo deixa a desejar.

Eu complemento com o British Council e pego exercícios no English Grammar. Aliás, o English Grammar foi o segundo (British Council foi o primeiro) melhor achado da minha vida estudando sozinha. Tem MUITOS exercícios online e conteúdo para baixar.

Dica #8 – Writing

Também não é difícil de treinar porque basicamente tudo o que você precisa fazer é escrever.

Aí vale desde legenda em foto no Instagram, conversar com as pessoas pelo Tandem e HelloTalk, fazer post no blog, escrever fanfics…

Mas eu tenho muita dificuldade em escrever sem uma temática. E toda semana escrever um artigo de umas 15 linhas com um tema aleatório é complicado. Foi aí que eu achei a parte teen do site do British Council.

Como é voltado para adolescentes, os temas para escrever são bem interessantes (blog, artigo de revista, e-mail formal e informarl). Antes de cada lição ainda tem uma compreensão e dicas de como escrever.

Dica #9

Consuma o máximo possível de conteúdo em inglês. Músicas, filmes, séries, vlogs, blogs, jornais, etc.

Eu estou assistindo a filmes e séries em inglês com legendas em inglês. Meu objetivo atual é compreender o máximo possível das coisas. Com a legenda eu vejo como se escreve algumas palavras e acho que aprendo mais com isso.

Dica #10

Todos os sites que eu uso:

Espero que tenham gostado das dicas, se tiver mais alguma deixa aí nos comentários. E pode ser para aprender qualquer outro idioma estrangeiro também.

Continue Reading

Cadê o carro?

Eu tenho carteira de motorista desde os 19 anos, mas nunca tive interesse em dirigir e ter meu próprio carro. Sabe quando você coloca na ponta do lápis os prós e contras e acaba se decidindo em continuar andando de ônibus?
Mas para a maioria das pessoas ter a carteira de motorista e não dirigir por opção é algo muito intrigante. Desde quando tirei minha carteira que eu sou constantemente questionada a respeito do meu próprio carro.
Já tem carro?
Está dirigindo?
Quando você vai comprar um?

Mas enquanto eu estudava eu achava muito desnecessário dirigir. O ponto de ônibus é quase na porta da minha casa, o ponto de ônibus da faculdade também era. Não via mesmo a necessidade, até porque eu usava o tempo no ônibus para estudar e dormir (o que eu jamais poderia fazer dirigindo).

Agora que estou livre da faculdade estou começando a pensar no assunto. Não tenho mais despesas com xerox e mensalidade e um carro pode me dar uma maior liberdade para sair para qualquer lugar e voltar na hora que eu quiser, sem ficar me preocupando com horário de ônibus ou se o motorista do app vai me matar depois de roubar meus órgãos.
Como estou começando a empreender agora, não cogito comprar um carro zero. Penso muito em seguir o conselho do meu oftalmologista (que eu conheço desde criancinha) e procurar entre carros usados. Além do valor ser mais em conta, dependendo do modelo, ele será menos visado por assaltantes. E a vantagem seria que eu não ficaria tão apreensiva em dirigir (sabe aquele medinho de arranhar ou sujar o carro recém saído da concessionária? Não aconteceria).
Não é fácil se decidir. Eu preciso que colocar os prós e contras na ponta do lápis. Nessa conta eu preciso considerar também carros seminovos. Os modelos seminovos são ainda mais interessantes, muitos são tão bem conservados que nem parece que já tiveram um dono antes.
Para um primeiro carro, seminovos e usados são ótimas opções. Acho melhor deixar o carro zero só para quando a pessoa tiver mais experiência e segurança ao volante.

Se você também está pensando em comprar seu primeiro carro, pense nessas questões antes de colocar a mão no bolso:

Depreciação

O carro novo começa a ser desvalorizado assim que sai da concessionária, já um seminovo ou usado já sofreu a depreciação e o valor fica mais em conta. Pesquise antes de comprar para saber se o investimento vale à pena.

Custo-benefício

Não olhe só o valor, cada modelo traz seus benefícios e desvantagens, pesquise sobre valor do seguro e gastos com combustível.

Gastos com manutenção

Antes de comprar um carro saiba quais são serão os gastos com a manutenção do carro. Alguns carros possuem um custo de manutenção muito alto (peças muito caras) e pode não compensar para o seu bolso.

Documentação

Veja os custos com IPVA e DPVAT. O carro novo precisa de despesas com emplacamento e licenciamento. No usado, é necessário pagar os custos de transferência.

Continue Reading