Livro: Cidade das Almas Perdidas

cidade_das_almas_perdidasCassandra Clare
(3/5)
Galera Record
2014
434 páginas

Cidade das Almas Perdidas começa exatamente no ponto onde terminou Cidade dos Anjos Caídos: quando Jace, após ter sido deixado sozinho no telhado com Sebastian, desaparece. Semanas se passam e ninguém tem notícias do paradeiro de Jace. A Clave realizou diversas buscas, mas sem sucesso. Conforme o tempo vai passando, a busca por Jace e Sebastian deixa de ser prioridade e a Clave vai cuidar de assuntos mais relevantes.
Clary, Alec e Izzy estão desesperados e ansiando por notícias, principalmente por saber que Sebastian está envolvido.

[…] – Já parou para pesar que talvez as coisas não sejam tão preto no branco quanto você julga?
P. 85

Mas o pior não é Sebastian ter desaparecido junto com Jace, mas sim a ligação que eles estabelecem. Jace e Sebastian estão ligados de modo tão forte que se um for ferido o outro sente. A ligação é tanta que não é possível simplesmente matar Sebastian e libertar Jace. E com essa ligação eles se tornam melhores amigos.
Mas mesmo se divertindo com seu amigo maligno Jace não se esquece de Clary e vai busca-la. Apesar de não ser o mesmo, Clary o segue, afinal de contas, é Jace, né? A partir daí eles formam um estranho trio do mal.
Enquanto isso, Simon, Alec, Izzy e Magnus tentam descobrir um modo de separar o laço entre Jace e Sebastian e trazer Clary de volta.
Fora tudo isto que acontecendo com os Caçadores, Simon ainda tem seus problemas no Submundo por ser um Diurno.

Pois frequentemente, quando algo preciosos se perde, ao voltarmos a encontra-lo, pode não ser mais o mesmo.
P. 94

Estou achando os últimos livros da série muito desnecessários. As histórias estão caindo na mesmice.
O relacionamento meloso de Clary e Jace já deu. Começam a pegação e depois param no melhor estilo Crepúsculo (desculpa te ofender, Cassandra, mas é verdade). O mesmo acontece com Izzy e Simon. Me dá muita preguiça esse doce todo.
Algumas coisas ficaram forçadas na história também, achei pontos soltos e sem explicação. Espero que no último volume eu tenha essas respostas, porque não está sendo tranquilo terminar a série.
Uma pena, pois era uma das minhas preferidas no início.

– O que você é novo demais para entender é que todos nós escondemos coisas. Escondemos dos nossos amantes porque desejamos nos apresentar da melhor forma possível, mas também porque, se for amor verdadeiro esperamos que o objeto da nossa paixão simplesmente entenda, sem precisar perguntar.
P. 208

Já disse que eu amo essa capa holográfica? Eu amo demais! Os livros da Cassandra têm as capas mais lindas. Mas, galera da Galera, vamos cuidar um pouquinho mais do miolo? Tá difícil ler com tantos erros de digitação, ortografia e tradução, viu? Revisor mandou lembranças.

Continue Reading

Livro: O livro de Cam

O_LIVRO_DE_CAM Lauren Kate
(5/5)
Editora Galera
2016
304 páginas

Após a história de Luce e Daniel, Cam continua sozinho e começa a pensar no amor. Da única vez que ele amou de verdade.
Então ele resolver ir atrás de Lilith, sua amada que foi condenada a viver eternamente em um ciclo de vidas repletas de sofrimento.
Lilith está no Ensino Médio, mora com a mãe e o irmão Bruce. Eles não tem uma vida estável, vivem em uma espelunca onde falta todos os itens básicos de sobrevivência. A mãe vive de trabalhos de meio período, Bruce está sempre doente e passa a maior parte do tempo em casa e Lilith é a pessoa mais sem sorte do mundo. Ela cursa o Ensino Médio na Escola Preparatória Trumbull e lá vive seus piores pesadelos
Cam decide fazer um pacto com o diabo para libertar a alma de Lilith desse tormento em que ele a colocou. Cam tem 15 dias para reconquistar Lilith e liberta-la desta vida para poderem viver felizes para sempre. Se não conseguir, Cam terá um lugar de destaque além da Muralha das Trevas.

– A existência de alguém só é completamente horrível quando se prova um gostinho do que é belo – retrucou Lúcifer. – Isso serve para lembrar a pessoa de tudo aquilo que jamais poderá ter.
P. 35

A história de O livro de Cam se passa toda no ambiente de Ensino Médio, o que eu gosto bastante. É bom reviver esta fase por meio da ficção norte-americana.
Cam aparece com todo o seu esplendor na escola e procura Lilith, mas ela o odeia sem saber porquê. Desde o primeiro instante em que coloca os olhos em Cam, Lilith o odeia, algo em seu íntimo diz para ela odiá-lo, mesmo que ele não tenha feito nada para isto.
Em apenas quinze dias Cam deve conquistar a garota e leva-la para o baile, mas ela parece irredutível. Se as coisas já estavam difíceis o bastante para ele, imagine então o que acontece quando o próprio Lúcifer decide dar as caras e se meter na história.
Apenas o amor pode salvar a alma de Cam e Lilith deste martírio.

Lute por ela, diriam eles. Mesmo quando tudo parecer perdido, não desista do amor.
P. 147

Assim como os outros livros da Laren Kate, O Livro de Cam possui uma narrativa gostosa e de fácil compreensão. Gostei muito de ver Cam fragilizado e sem toda aquela pompa que possui nos demais livros da série Fallen.
É uma história previsível, mas para quem curte a série vai se amarrar no livro e na proposta da narrativa.

– Acredito piamente que podemos mudar o mundo para melhor, mas, às vezes, Lilith, as coisas não dependem só de nós. […]
P. 140

A capa e o design seguem a mesma linha de todos os demais livros da série. A capa possui aquela textura gostosa que dá vontade de apertar e o miolo utiliza aquela fonte serifada que lembra máquina de escrever.
Uma leitura obrigatória para todos os fãs da série e da Lauren Kate.

Continue Reading

Livro: Cidade dos anjos caídos

CIDADE_DOS_ANJOS_CAIDOSCassandra Clare
(4/5)
Galera Record
2012
362 páginas

Os integrantes do submundo e os Caçadores de Sombra parecem estar em paz. Clary voltou à Nova York e está treinando seus poderes e tudo parece bem até que aparece um assassino matando Caçadores e reacendendo à tensão entre eles e os seres do submundo. Se não bastasse isso Jace começa a se afastar de Clary e o mundo da garota parece estar próximo de desmoronar.

Nunca se alimentou de um humano, não é? Ainda vai. E quando o fizer, não vai se esquecer.
P. 98

Eu sei que eu estou quatro anos atrasada com esta leitura, mas na época não era prioridade terminar de ler a série. Só que depois do lançamento da série Shadowhunters meu vício em Os Instrumentos Mortais aumentou muito e eu fui “obrigada” a terminar de ler todos os livros da Cassandra (calma, tia! Até o fim do ano leio tudo. Prometo!).
Como tem muito tempo desde que eu li Cidade de Vidro, não lembrava de alguns detalhes. Sem contar que há umas pequenas diferenças entre a série da Netflix e os livros, então muitos fatos estavam confusos na minha cabeça. Não quis recomeçar a ler a série desde o início porque tenho muitos livros na fila da leitura para reler outros então fui lendo de forma bem truncada. Parece que eu não desenvolvia a leitura, mas no final consegui encaixar as peças que faltavam na minha cabeça e entendi a história.
Eu criei uma expectativa muito grande em relação a este livro, acho que por causa da série eu estava esperando a mesma emoção, mas este livro em geral não tem nada espetacular.

– O poder é um ímã. Atrai aqueles que o desejam. Camille é um deles, mas haverá outros.
P. 139

O foco da narrativa deixa de ser Clary e os Caçadores e há muito mais de Simon e sua vida de vampiro. Cidade dos anjos caídos mostra Simon encarando a realidade de ser vampiro e tendo que sair da vida de sua família. Além disso, o garoto deixou de estar apaixonado por Clary e mostra indeciso entre Mia e Izzy. Um triângulo amoroso bem improvável.
Achei que tem menos drama por não ter o foco na Clary, mas Simon também não fica para trás no quesito mimimi.
As melhores partes de romance eram as de Alec e Magnus, mas agora o relacionamento deles estar passando por uma fase conturbada e o nível de drama deles está do mesmo jeito que Jace e Clary, pena porque este é o melhor casal da série toda.

Há sete semanas Clary vinha treinando para encarar uma batalha demoníaca, ainda que fosse gigantesca. Mas agora que estava acontecendo de fato, tudo o que conseguiu fazer foi gritar.
P. 190

Novos personagem aparecem neste livro, inclusive novos vilões, para dar novo gás à história.
Jace começa a ficar estranho e se afasta de Clary (o que leva ao dramalhão rotineiro da moça). Mas com isso ele se aproxima de Simon. Eu sei, é estranho, mas gostei de ver os dois se dando bem juntos.
Achei a narrativa bem parada, com pouca ação ou acontecimentos relevantes.
As melhores partes ficaram para os capítulos finais, começando com Clary e Jace contando o que fizeram em Idris e terminando com muitas dúvidas em relação a Sebastian e Valentim.

– Sou ruim em ser vampiro – disse Simon. – Mas isso não significa que eu também não seja ruim como namorado.
P. 258

Eu comprei o box especial com a capa holográfica. Então todos os meus livros estão com a capa linda. A melhor parte dos livros da Cassandra são essas capas holográficas lindas. Acho que a editora deveria investir e lançar todas as edições assim. Não só algumas (geralmente é a primeira).
Vejo muita gente reclamando de erros de revisão, mas por eu estar tão focada na história não percebi nenhum (talvez por eu ter a 26ª edição isso tenha sido corrigido).
Agora estou lendo loucamento o resto da série Os Instrumentos Mortais para começar a ler As Peças Infernais e ver se acompanho Os Artifícios das Trevas na ordem de lançamento e não mil anos depois.

Continue Reading