David Nicholls
(4/5)
Sinopse: Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas – vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.
Opinião: Até agora não sei se eu gostei, amei ou odiei o livro. Foi um dos livros mais diferentes que eu já li.
A narração é boa e a forma como a história foi contada é bem diferente. Gostei dessa coisa de a cada ano contar um pedacinho da história dos dois.
O início eu fiquei bem impolgada p/ ler, pois já tinha lido várias resenhas e pessoas falando que amaram o livro e coisa e tal. E as primeiras páginas eu devorei nessa impolgação querendo saber o que tinha de bom, mas pouco tempo depois isso esfriou. E até achei um pouco chato. Li várias páginas arrastando e não sentia aquele tesão em ler. Esfriei minha relação com o livro na viagem para Grécia e só fui fazer as pazes com ele de novo lá no final, quando aparece a Silvye.
Não que a leitura fosse ruim, mas é que eu não achei nada que me prendesse na história, nesse trecho. Sorry, não achei o livro tão perfeito assim.
Então meu relacionamento com o livro melhorou e eu voltei a ficar toda feliz e impolgada para ler quando de repente: puft! Meu chão desaba e o autor ferra com a história toda. Por que? Por que? Por que?

*/INÍCIO SPOILER/*
Eu tive que reler umas 5 vezes que a Emma morreu e mesmo assim não acreditei e só lendo as páginas futuras para perceber que era verdade. Como assim?! Na hora que eles finalmente ficaram juntos e estavam felizes de verdade essa desgraça foi acontecer? Fiquei em choque! Queria tanto que eles tivessem um bebê e continuassem felizes e terminasse o livro com vontade de saber mais da vida deles… mas não ¬¬
Não achei o livro ruim por causa disso. Aliás, no meu filme favorito (Cidade dos Anjos) a protagonista morre no final e nem por isso deixo de gostar da história.
Eu gosto de finais felizes e esperava um final feliz em Um Dia também, mas não foi isso que não me fez gostar do livro.
O que eu não gostei mesmo foi do marasmo e da narração arrastada em algumas partes. O Dexter beberrão e suas farras e drogas eram um saco de aturar!
*/FIM DO SPOILER/*

Mas continuando… eu me identifiquei bastante com a Emma em algumas partes e lendo a história dela com o Dexter, no início, com ela mandando cartas enormes para ele, me fez lembrar da minha adolescencia, enviando cartas gigantes para meu “amigo”, os telefonemas que duravam horas e tudo mais, quase me fez chorar ao lembrar disso tudo. Mas fora isso, minha história foi completamente diferente da história de Em e Dex.
É um bom livro sim, mas na minha opinião não tem nada demais. Não achei um livro tão marcante assim, apesar da ótima narrativa e do bom enredo.