Livro: A Corte de Espinhos e Rosas (ACOTAR)

A Corte de Espinhos e Rosas (ou série ACOTAR, como é conhecida) é uma série escrita por Sara J. Maas. Já foram lançados três livros na série principal e um spin-off que fará a ponte com mais 3 livros que darão sequencia à história.

Em Corte de Espinhos e Rosas conhecemos a vida de Feyre, uma jovem humana que teve que assumir sozinha o sustento de sua família. Vivem com ela em um pequeno chalé suas duas irmãs mais velhas e seu pai, que está ‘doente’porém realmente não se esforça para ajudar em nada.

O mundo onde se passa a Corte de Espinhos e Rosas é um mundo divido. 500 anos antes, uma guerra terrível entre feéricos (seres místicos semelhantes aos elfos em aparência) e humanos quase levou à extinção de ambas as raças. Desde então, eles vivem separados por uma muralha mágica e invisível. Um tratado garante que ninguém passe para o outro lado da muralha, assegurando a paz.

Mas um dia, enquanto caçava, Feyre acaba matando um feérico. E na mesma noite, uma fera bestial aparece em sua porta cobrando a dívida. Sem escolha, Feyre é arrastada para o outro lado da muralha. Lá ela lutará para sobreviver, se adaptar e compreender um mundo mágico do qual ela não sabia absolutamente nada.

Uma releitura de um clássico

Primeiramente, o leitor deve terem mente que ACOTAR é uma releitura da A Bela e a Fera. Feyre, é uma protagonista forte, um pouco mesquinha e devido à seu passado, tem grande dificuldade em aceitar ajuda. Ela não gosta de deixar a mostra seus pontos fracos, porque durante muito tempo a fraqueza representava não ter o que comer naquela noite.

Já seu par romântico, Tamlin, a mantém cativa em sua mansão como pagamento por ter tirado a vida de um feérico. No entanto, ao mesmo tempo que a prende, ele a cerca com todo tipo de conforto. Seria ele um herói ou vilão? E afinal de contas, por que ele a trata tão bem?

Para alguns leitores o começo pode parecer lento, mas eu garanto, vale a pena ler até o final. Muitas das coisas que não fazem sentido encontram uma explicação conforme a narrativa avança e ficam poucas pontas soltas para o volume seguinte.

Nem tudo são flores

Ouro ponto positivo foi o cuidado em problematizar relacionamentos abusivos e deixar claro que amor é diferente de sentimento de posse. Isso foi melhor desenvolvido na sequencia da série e me deixou feliz, pois é comum vermos nesse gênero a romantização de atitudes violentas como se fosse “fofo”.

Minha única ressalva fica por conta dos gatilhos: violência e relacionamentos abusivos são os principais.

“- (…) não se case com Tomas Mandray. O pai dele bate na mulher, e nenhum dos filhos faz nada para impedir. – Os olhos de Nestha se arregalaram, mas acrescentei – Hematomas são mais difíceis de esconder do que a pobreza”

Para os interessados, a boa notícia é que as capas brasileiras são muito mais bonitas que as gringas e pra quem, assim como eu, gosta de ler no kindle, os ebooks estão em promoção. =]

Fica minha recomendação de leitura para todos aqueles que estão à procura de um universo mítico interessante cheio de plot twists inesperados.

#polypopfaz13 Esse post faz parte de uma série de posts em colaboração com outros amigos blogueiros

Continue Reading

13 anos de Polypop

Hoje é aniversário do blog: 13 anos. Se fosse uma criança, ele estaria entrando na adolescência. Yay!

Eu escrevo em blogs desde 2001, mas neste endereço estou oficialmente presente desde 13/11/2007. Eu comemoro no dia 12 de novembro porque foi o dia em que eu decidi comprar o domínio e a hospedagem e paguei o boleto.

Sem nenhum glamour, o Polypop nasceu dentro da sala de informática da faculdade no meu intervalo de almoço, antes do estágio.

Começou como um blog bem pessoal, estilo diário, depois mudei um pouco o foco abrangendo outras coisas que eu gosto, como música, filmes, séries e livros. Mas sempre o considerei um blog pessoal, mesmo com a diminuição de conteúdos pessoais.

Eu sei que ando bastante sumida e às vezes tento tirar a teia de aranha, mas não adianta eu postar apenas por postar, criar um conteúdo aleatório só para dizer que o blog está na ativa. Se é pra voltar e ter post, os posts precisam ser escritos com amor e carinho. Eu comecei a postar porque gostava, se virar uma obrigação, para mim, perde todo o sentido do blog existir.

Teremos novos conteúdos nos próximos dias, então fiquem atentos.

Obrigada a todo mundo que passou por aqui nos últimos anos e a quem continua visitando mesmo quando nem eu o faço. Vocês arrasam!

Fiz alguns Top 13 porque eu amo fazer Top qualquer coisa.

13 posts para relembrar

(Em ordem aleatória)

Dido em São Paulo

Vi as Spice Girls ao vivo

Como foi realizar meu sonho de adolescente e conhecer uma Spice Girl

7 coisas que eu aprendi com as Spice Girls (talvez eu goste de Spice Girls, caso alguém não tenha percebido)

O caixão vazio (esse post gerou uma mega treta offline)

Penny Dreadful: uma review sobre a decepção (esse post eu escrevi com tanta dor no coração que merece ser lido)

Bolo de chocolate SGSL (todo aniversário tem bolo, certo?)

Faça teatro! (ode ao teatro)

Segunda Pop: MDNA Tour em SP

Saia dessa, Sacolão!

Madonna no RJ (talvez eu também goste de Madonna, caso alguém não tenha percebido)

Escrevendo Fanfics: guia completo (fiz uma live sobre isso, bati papo com os alunos do Núcleo de Línguas da UFES… e condensei os pontos mais importantes em um post)

Como estudar inglês sozinha (post de utilidade pública)

13 músicas para celebrar

Dê o play aí e vamos comemorar!

Continue Reading

Escrevendo FanFics: guia completo

Escrevendo Fanfics

Ok. Eu sei que eu abandonei o blog, mas tudo o que eu queria nessa quarentena era tempo para ficar ociosa (e postar). Como querer não significa poder, só voltei hoje para falar de um assunto que já queria ter falado há muito tempo: FANFICS.

Conheci esse universo quando estava no ensino fundamental, mas recentemente ele voltou com força para minha vida.

Escrevendo Fanfics

O que é?

Fanfics (ou simplesmente fics) são contos ficcionais inspirados em histórias já existentes. Esse movimento teria se iniciado na década de 1960 com histórias inspiradas em Star Trek.

Hoje podem ser inspiradas em absolutamente qualquer coisa, até mesmo pessoas reais (famosas ou não).

Alguns autores apoiam, enquanto outros como George R.R. Martin e Anne Rice não gostam.

Diversos autores começaram sua carreira escrevendo fanfics: E.L. James, Carolina Munhoz, Cassandra Clare e Babi Dewet são alguns exemplos.

A maior vantagem das fanfics é a democratização da escrita. Todos podem escrever, basta ter uma ideia boa. Correção de ortografia e vocabulário vêm com o tempo, mas o foco principal é a criatividade.

Outra coisa que eu gosto é o feedback rápido. Você posta um capítulo e já sabe se o leitor está gostando ou não.

Sobre o que escrever?

Como eu disse, absolutamente qualquer coisa. O que eu acho mágico no universo das fanfics é que você não precisa ter uma história que seja coerente, qualquer tipo absurdo é aceito. Para onde sua imaginação mandar você vai. Quer fazer um crossover envolvendo Harry Potter, Jogos Vorazes e Riverdale? Só vai. Coloque suas ideias no papel e escreva.

Como escrever?

Bom, minhas dicas são:

  1. Tenha uma ideia.
  2. Organize e desenvolva.
  3. Pesquise sobre a história: onde acontecerá? Quando acontecerá? Por que o evento acontecerá? Quem são os personagens? Qual o objetivo dos personagens?
  4. Leia muito: ler é ótimo para você aprender a desenvolver a escrita, além de exercitar a criatividade.
  5. Pratique: escreva, escreva e escreva!

Onde ler/publicar?

Há diversos sites por aí, mas vou citar os que eu conheço: Wattpad, Spirit, Nyah!, Archive of our own, Fanfiction

Para ler em inglês eu gosto muito do Archive of our own e do Fanfiction.

Minha experiência

Eu comecei a escrever no Ensino Fundamental, escrevi umas 3 fics com as Spice Girls. Naquela época não tinha sites ou fóruns sobre fanfics e eu escrevia em folhas de fichário e trocava os capítulos com minhas amigas. A frequência de “postagem” dependia da quantidade de dever de casa e do grau de dificuldade das provas. Então veio o Ensino Médio e a necessidade de estudar para o vestibular, depois faculdade, cursinhos… vida de adulta e eu abandonei por um tempo.

Em 2017 decidi voltar a escrever. Eu estava com uma ideia fixa, já tinha os personagens e a história e comecei a escrever. Demorei para terminar a história? Demorei, mas finalizei. Agora estou com outras duas em andamento e eu não faço a menor ideia quando irei finaliza-las.

Meu processo de escrita funciona assim:

Eu imagino a cena, pesquiso sobre a ambientação (onde está acontecendo? é verossímil?), escolho uma trilha sonora, escrevo e reviso. Todas minhas histórias têm trilha.

Dicas

Tenha uma frequência de postagem e ganhe leitores fieis. Se possível, tenha um ou dois capítulos já escritos ao publicar um. Assim quando você tiver um bloqueio criativo você já tem conteúdo para os seus leitores enquanto novas ideias não surjam.

Ao receber um comentário positivo agradeça. Mantenha um bom relacionamento com os seus leitores.

Se receber um comentário negativo, não guarde aquilo com você. Apague e ignore. Não alimente os haters. Só tenha atenção: o comentário foi realmente negativo ou a pessoa quis te dar uma dica e acabou usando palavras brutas?

Vendendo meu peixe

Quem quiser ler minhas histórias, eu gosto muito de postar no Spirit. Ainda estou tentando entender o Wattpad. Mas cliquem nos links para irem direto ao meu perfil.

Falando um pouquinho das minhas histórias:

Após a escuridão abençoada

A história acontece após o último episódio da terceira temporada de Penny Dreadful (The Blessed Dark – daí o nome estranho). Na verdade, a fic começa quando Ethan aperta o gatilho (quem assistiu sabe o que aconteceu), mas o alvo dele foi outro. Ainda segue o clima vitoriano, misturando terror, sobrenatural, todos os personagens originais. Eu tentei dar um fim mais digno para a série. Coloquei bastante citações de poesias, busquei muita inspiração no John Logan e na série em si. Coloquei cenas que eu quis tanto que acontecessem que meu coração doía. Está finalizada.

Alice in wonderland

Os mais antigos na internet lembram de uma menina que tinha um blog com fonte verdana, escrevia todas as palavras com letra minúscula e o topo era uma ilustração de Alice no País das Maravilhas. A Alice era minha amiga e tinha uma vida que dava uma novela, então por que não escrever sobre ela? Fatos reais, fatos da minha cabeça e totalmente escrita em formato de blog. Ainda em processo de escrita. Reestruturei alguns capítulos e voltei a escrever capítulos originais há pouco tempo.

Underground

Baseada na série Penny Dreadful (Hello darkness my old friend). Uma profecia antiga conta que o Diabo procura sua noiva e assim que ele a reencontrar o mundo se transformará em caos e terá início o apocalipse: Toda luz chegará ao fim e o mundo viverá na escuridão. Os escondidos subirão e comandarão. A história se passa em Londres, 2019 e
Vanessa Ives ainda não sabe, mas este foi o último ano normal na história da humanidade. Ela é a peça chave nesse embate entre luz e trevas. Totalmente inspirada nas desgraças de 2020. Atualização semanal e o fim depende da nossa realidade (estou falando sério, misturo bastante realidade e fantasia, com links de reportagens para provar meu ponto).

Continue Reading