Câmera nova

Quando eu tinha uns 12 anos, mais ou menos, a Spice Mania estava no seu apogeu. Meu sonho como Spice fã era ter uma Spice Cam, desde a primeira vez que soube da existência dela. Na época que não existiam câmeras digitais, uma polaroid era o máximo, pois vc podia ver a foto na hora e isso era ótimo!

O preço do filme não era acessível, a Spice Cam não era fácil de encontrar, mas eu queria tanto que ela foi meu presente de aniversário. Depois de meses namorando aquela belezinha preta, roxa e rosa, fui ao shopping com minha mãe e a trouxe para casa. Estreiei-a no mesmo dia tirando fotos de todo mundo e de todos os gatos (eu tinha uns 10 felinos) da casa. Foi um dos dias mais feliz da minha vida de pré-adolescente. Tinha realizado um sonho e tinha um produto oficial das Spice Girls (o que era raro por aqui).

Guardava a câmera com todo carinho e cuidado, era minha relíquia e só queria usar em ocasiões especiais. Só gastei um filme e meio com ela e depois de seis meses aconteceu uma tragédia: ela parou de funcionar.

Não lembro mais qual era o defeito, mas a levei na loja e a loja mandou para fábrica e eu fiquei na angustia esperando por notícias e pelo conserto da minha querida SpiceCam. Acho que ela ficou bastante tempo no conserto (e eu sem ter notícias do ‘estado’ dela), pois um dia voltamos na loja e a vendedora informou tragicamente que não tinham peças na fábrica para consertar minha câmera e eles me dariam uma câmera nova, melhor e mais cara em troca.

Fiquei triste, pois não teria de volta a minha SpiceCam. A câmera que tanto pedi, esperei para ter e no fim, foi embora sem que eu pudesse me despedir. Demorei um tempo para amadurecer a ideia de que eu saí no lucro, pois a câmera nova, que não era uma Polaroid, tinha mais recursos e a qualidade das fotos era bem melhor. No fim acabei me apaixonando pela nova câmera, que me acompanhou por muito tempo, e consegui superar a ideia de perder a SpiceCam.

Fazendo um paralelo com relacionamentos… não vejo a hora de “me oferecerem uma ‘câmera nova'”.

Continue Reading

Just like a pill…


Murphy me ama e vive rindo de todas que ele apronta contra minha pessoinha.
Já contei dos meus problemas fóbicos sociais em algum post perdido por aí e o que mais me impressionava era a capacidade que eu tinha de resistir aos tranquilizantes. Sério! Tomei dois e nenhum deles me deu sono.
Passava noites acordadas como se tivesse tomado café ao invés de calmante. E era desses calmantes conhecidinhos de tarja preta que todo mundo toma e anda na bolsa para casos de síndromes de pânico e afins.
Fazia efeito para todo mundo, menos para mim e eu achava graça disso.
Mas aí que o tempo vai passando, a gente vai melhorando e trocando de medicamentos e meu médico me receitou esse comprimidinho fraquinho p/ tomar à noite, que não é calmante, mas serve p/ me deixar mais relaxada no convívio com pessoinhas. No primeiro dia que tomei ele me derrubou com um soco de direita.
Acordei na manhã seguinte e só consegui falar: “mãe, não tenho condições de levantar hoje, estou morta.”
Tirei um cochilo e acordei novamente as 12h40. Almocei (eu acho) e voltei à dormir pra acordar as 19h, tomar banho e voltar à dormir.
Na manhã seguinte me empurrei pra fora da cama e fui p/ aula arrastada. Deveria ter ficado em casa, nem sei o que escrevi no caderno de tão horrível ficou minha letra nas partes que eu consegui copiar. Cheguei em casa naquele dia e caí na cama, pra acordar no dia seguinte às 12h.
Claro que minha mãe foi avisar pro doutor o que ele tinha aprontado e ele mandou eu reduzir a dose, mas e os dias de estudo e compromomissos perdidos? Onde ficam?!
Te garanto que no dia que eu tomei a primeira cacetada com o remédio Murphy ficou rindo da minha cara entoando um “bem feito” bem sonoro… mas deixe estar Murphy, seu dia está chegando seu felodaputa

Continue Reading

Saia dessa Sacolão!

* Sacolão é como Richard, amigo da Elizabeth Gilbert, a chama no livro Comer, Rezar, Amar
** Texto adaptado do livro Comer, Rezar, Amar
*** Dedicado a todas as mulher que já ficaram, estão ou ficarão de “luto” por causa de um homem

Se você não consegue deixar de pensar obssessivamente nele, mesmo depois de tempos e de achar que já tinha esquecido, espere mais seis meses que você se sentirá melhor.
Vá somando seis meses até esquecer. Essas coisas levam tempo.
Algum dia você vai olhar para trás, para este momento da sua vida, e pensar que época deliciosa de luto ele foi. Vai ver que estava lamentando a sua perda, e que seu coração estava despedaçado, mas que sua vida estava mudando.
Você se apaixonou por uma pessoa. Esse cara tocou um lugar do seu coração mais profundo do que você pensava que era capaz de alcançar. Em outras palavras, você foi fisgada, menina. Mas esse amor que você sentiu foi só o começo. Isso é só o amor mortal, limitado, café com leite. Espere para ver como você é capaz de amar mais profundamente do que isso. Você tem a capacidade de um dia amar o mundo inteiro.
As pessoas acham que a alma gêmea é o encaixe perfeito, e é isso que todo mundo quer. Mas a verdade alma gêmea é um espelho, a pessoa que mostra tudo que está prendendo você, a pessoa que chama a sua atenção para você mesmo para que você possa mudar a sua vida. Uma verdadeira alma gêmea é provavelmente a pessoa mais importante que você vai conhecer, porque elas derrubam as suas paredes e te acordam com um tapa. As almas gêmeas só entram na sua vida para revelar a você uma outra camada de você mesmo e depois vão embora. Acabou!
O problema é que você não consegue aceitar isso, que esse relacionamento tinha um prazo de validade.
Ame-o, sinta saudade dele. Mande um pouco de amor e de luz sempre que pensar nele. Depois esqueça. Você só está com medo de largar os últimos pedaços dele porque aí vai estar sozinha de verdade e você morre de medo de ficar realmente sozinha. Mas o que você precisa entender é que se você liberar todo esse espaço na sua mente que está usando agora na sua obsessão por esse cara, vai descobrir um vazio ali, um espaço aberto… uma entrada. E adivinhe o que o universo vai fazer essa entrada? Ele vai entrar… Deus vai entrar… e vai encher você com mais amor que jamais sonhou. Então pare de tapar a entrada com esse cara. Esqueça isso.
Você queria um futuro com ele? Você quer coisas demais! Você precisa parar com essa mania de querer controlar tudo. Você é uma mulher que está acostumada a conseguir o que quer da vida, e não conseguiu o que queria da vida no seu último relacionamento e isso te deixou travada. A vida não fez o que você queria dessa vez. E nada deixa uma controladora mais puta da vida do que a vida não fazer o que ela quer.
Você precisa aprender a se soltar. Senão vai ficar doente. Nunca mais vai conseguir ter uma boa noite de sono. Vai passar a vida inteira rolando de um lado para o outro, se culpando por ter sido tamanho fiasco na vida. “Qual é o meu problema?” “Como é possível eu estragar todos os meus relacionamentos?” “Por que eu sou um fracasso tão total?”
Pare de pensar assim, tire-o de sua mente e de seu coração como se arranca um band-aid usado. Deixe o buraco aberto para a luz entrar e esse vazio se preencher por um amor que realmente valha a pena.
Saia dessa Sacolão!

Continue Reading