BC: Gosto sim, e daí?

E a Blogagem Coletiva da vez dos Roots é para falar dos nossos guilty pleasures nacionais. Afinal, todo mundo gosta de uma bagaceira e não devemos julgar ninguém por isso, mau gosto também é gosto, não é verdade?
Mas vamos lá assumir meus gostos toscos para toda sociedade:

Mais Você (Namaria Braga)

maisvoce
A parte de reportagem do programa é meio tosca e a Namaria parece uma tia velha usando o Facebook, mas ela paga mico ao vivo (quem mais foi atropelado ao vivo, minha gente?), come de verdade (e várias receitas que ela dá no programa são boas – já fiz, testei e repeti) e tem o Louro José (que é tão tudo, que o nome do papagaio deveria ser um elogio, tipo, aquele apresentador do Jornal é tão “Louro José”).
namaria

Mulheres Ricas

Logotipo_de_Mulheres_Ricas
Confesso que eu não gosto de reality shows e faço a pseudo-intelectual reclamando de quem assiste BBB e A Fazenda, mas eu não resisto a Mulheres Ricas.
Não existe nada mais tosco do que ver mulheres ricas e fúteis torrando dinheiro na TV. Eu só consigo pensar: com a minha inteligência e esse monte de dinheiro eu dominaria o mundo.
Quase entrei em depressão porque em 2014 não terá uma temporada do programa #chatiada.
gays

Angélica

Quando eu era criança existia um tipo de “preconceito” com quem não gostava da Xuxa, então eu sempre escondi que eu gostava mais da Angélica do que da Xuxa.
O único momento em que eu demonstrei meu amor verdadeiro pela Angélica foi durante a exibição de Caça Talentos. Mas olhando para trás, não tem como não gostar da Angel! Além de apresentadora, a moça ainda cantava, dançava e atuava.
Pena que agora ela adotou a profissão de esposa e mãe de família e ficou boring.
Volta, Fada Bela!

Novelas

Eu gosto, mas não assisto a todas as novelas. Algumas são tão boas que eu acompanho, separo horário na agenda, revejo no VAPVDN e no Viva.
A última que eu gostei foi Lado a Lado e até hoje sinto falta de ver Laura e Edgar na telinha na hora da “janta”.
ladoalado

Comédias

Eu sobrevivi aos tensos anos em que o cinema nacional só valorizava drama (vide Central do Brasil), nada contra os filmes do gênero, mas de uns tempos para cá ando gostando muito mais das comédias do que dos dramas. Felizmente essa minha fase coincidiu com a boa fase das comédias nacionais. Não é só Hollywood que tem comédias bonachonas, Brasil também tem coisas boas do gênero, baby.
Meus favoritos são Se Eu Fosse Você (1 e 2) e De Pernas Pro Ar (1 e 2 também).
seeufossevc
suruba

Continue Reading

Livro: Anjo Caído

ANJO_CAIDODaniel Silva
(3/5)
Editora Arqueiro
2013
272 páginas

Sinopse: Após quase ser morto em sua última missão, o ex-agente israelense Gabriel Allon não quer mais pensar no serviço de inteligência. Dedicando-se a seu trabalho como restaurador de arte, ele se refugia no Vaticano para dar nova vida a uma das maiores obras-primas de Caravaggio. Certa manhã, ele é chamado à Basílica de São Pedro pelo monsenhor Luigi Donati, o poderoso secretário pessoal do papa Paulo VII. Sob o magnífico domo de Michelangelo, jaz o corpo de uma linda mulher. A polícia suspeita de suicídio, mas Donati não acredita nessa hipótese e pede a Gabriel que investigue discretamente o caso. Ele só recomenda que Allon fique atento à regra número um do Vaticano: “Não faça perguntas demais.”
Gabriel logo fica sabendo que a mulher descobriu segredos perigosos que ameaçam uma organização global envolvida com o comércio ilegal de antiguidades. Sem saber aonde sua caçada o levará, ele precisa impedir um atentado devastador que mergulharia o mundo em um conflito apocalíptico.
Uma inebriante mescla de arte, intriga e história, Anjo caído conduz o leitor por câmaras obscuras do Vaticano, pistas de esqui glamourosas de St. Moritz e avenidas graciosas de Berlim e Viena, até alcançar o inesperado clímax nos subterrâneos do território mais sagrado e disputado do mundo.

Opinião: Assim que li a sinopse do livro me empolguei e achei que seria um ótimo thriller policial, com investigações estilo livros do Dan Brown, mas me decepcionei profundamente.
O livro não se assemelha em nada com os títulos do Dan Brown. A narrativa, apesar de ser tão bem detalhada quanto a do Dan, não tem a mesma emoção.
Logo no início já sabemos quem é o assassino e depois de muitas voltas, chegamos ao final do livro apenas para confirmar quem foi mesmo que matou e saber os motivos do crime e entender as ligações.

– Regra número um do Vaticano: não faça perguntas demais.
P. 32

Gabriel Allon, abandona a vida de agente e passa a se dedicar exclusivamente à restauração de obras de arte. Ele é contratado pelo Vaticano para restaurar uma obra de Caravaggio e logo no início do seu trabalho, acontece um crime dentro da Basílica de São Pedro.
Claudia Andreatti, uma curadora de antiguidades do Vaticano é encontrada morta dentro da Basílica. A primeira hipótese é de suicídio, mas o monsenhor Luigi Donati não acredita nessa hipótese e pede, juntamente com Sua Santidade, o Papa Paulo VII, para que Gabriel investigue o caso, enquanto a Guarda Suíça e o Vaticano divulgam para a imprensa a versão de suicídio.

– Mulheres mortas são como cofres de banco… – respondeu ele, com uma sinceridade surpreendente – quase sempre contêm segredos desagradáveis.
P. 89

Gabriel descobre que Claudia, antes de morrer tinha investigado por seis meses a corrupção e o comércio ilegal de peças antigas. A partir daí ele começa suas investigações e descobre um grande esquema internacional.
Eu achava que a história se passava toda no Vaticano e em Roma, mas não, a história se passa em diversos lugares, como Viena e Jerusalém, e até mesmo a Dinamarca é palco de alguns acontecimentos.

Gabriel consultou mais uma vez o relógio e, precisamente às seis horas, tocou a campainha da galeria. Ele esperava escutar um som suave, mas o que ouviu foi uma explosão. Viu um clarão ofuscante de luz branca e o adolescente romano sem membros voando em sua direção através de uma parede de fogo, e juntos eles caíram na escuridão.
P. 132

A narrativa é toda em terceira pessoa e não há tantos diálogos quanto eu gostaria. Acho que por isso, apesar do livro ter apenas 272 páginas, a leitura é um pouco mais demorada e sem a fluidez que eu gosto.
É o primeiro livro do Daniel Silva, quer acreditem, apesar do nome não é um autor nacional. Daniel Silva é filho de açorianos (daí o sobrenome em português), nasceu em Michigan e foi criado na Califórnia. Esse é o 12º livro com o personagem de Gabriel Allon, então não posso falar muito sobre o personagem, porque acredito que ao longo desses 12 livros ele foi crescendo e amadurecendo até chegar ao ponto em que está e seria injusto eu avaliar isso tudo com contato em apenas um livro.

No entanto, um fato comprometia o contentamento do Escritório: Sua Santidade, o papa Paulo VII, estaria no Aeroporto Ben Gurion em menos de uma semana. Dada a turbulência geral na região, Navot considerava sensato um adiamento da viagem, uma opinião compartilhada pelo primeiro ministro e pelo restante de seu rebelde gabinete. Mas quem diria ao papapara não ir à Terra Santa? Eles só tinham um candidato. Um anjo caído. Um pecador na cidade dos santos.
P. 193

Gostei de viajar pelos lugares e imaginar as cenas narradas, mas a investigação e o crime em si eu não fiquei tão curiosa e interessada em resolver.
Achei que seria algo escandaloso e que me deixaria de queixo caído, mas não foi tão impactante assim.
Só no final, com o possível ataque e a explosão da bomba que eu fiquei mais apreensiva, mas até chegar lá eu confesso que “penei” um pouco para ler. Não foi um livro que me conquistou e me fez esquecer do resto da vida enquanto eu lia, por isso a avaliação mediana.
Gostei bastante da capa e da organização interna dos capítulos. Tem mapas nas primeiras páginas mostrando o Vaticano e a Cidade Antiga de Jerusalém é muito bacana para quem gosta de história e de geografia para conhecer e se situar melhor durante a leitura.

Continue Reading

Livro: Uma prova de amor

UMA_PROVA_DE_AMOREmily Giffin
(4/5)
Editora Novo Conceito
2013
432 páginas

Sinopse: Primeiro vem o amor, depois vem o casamento e depois… os filhos. Não é assim? Não para Claudia Parr. A bem-sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe, e até desistiu de encontrar alguém que aceite esta sua escolha, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e — assim como Claudia — também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos? Uma Prova de Amor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não servem mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Opinião: Já sabia que o livro seria bom só por ser da Emily Giffin, mas não imaginava que seria uma leitura tão gostosa assim.
Comecei a ler de manhã, à caminho da aula e terminei de ler de tarde, depois do almoço. A escrita da Emily tem uma linguagem muito fácil e gostosa de se ler e como a história é boa, tudo flui bem.
O livro conta a história de Claudia, uma moça bem sucedida na carreira, que já passou dos 30 anos de idade, mas não quer ter filhos. Ela é casada com Ben, um homem também bem sucedido profissionalmente, que ama viajar e curtir a vida ao lado de Claudia, mas que muda de opinião a respeito de ter filhos.

Eu nunca quis ser mãe. Mesmo quando eu era pequena e brincava de boneca com minhas duas irmãs, sempre fazia o papel da tia Claudia boazinha, que dava banho, trocava fraldas, embalava seus bebês de plástico e depois ia embora, à procura de coisas mais animadas para fazer no quintal ou no porão.
P. 11

Achei bem interessante essa abordagem da autora. Acho que é difícil encontrar uma mulher que não quer ter filhos, ainda mais com uma personalidade tão forte quanto a de Claudia. Geralmente quem não quer saber disso são os homens, então me surpreendi bastante com a temática.
Desde o início da história, dava para notar que Ben e Claudia eram almas gêmeas. Ben é um fofo, o tipo de marido que toda mulher idealiza e mesmo quando decide que quer ter um bebê e Claudia não, ele mantém a calma e a paciência com ela.

– Claudia, se tivermos um filho, prometo que você será a primeira mulher na história do mundo a não perder nenhum minuto de sono.
P. 50

Mas Claudia é tão imparcial e inflexível que só diz “não” e “nunca” para Ben. Ela não quer conversar sobre o assunto e não está aberta para possibilidade de ter um filho no futuro. A personalidade dela é tão fácil que tinha horas que eu tinha vontade de esbofetá-la e dizer, como todos os outros personagens no livro, que ela estava perdendo o amor da vida dela.
Por causa disso, o inevitável acontece e eles se divorciam, apesar de se amarem.

– É por que você não quer ter filhos ou por que você não o ama?
P. 109

Apesar do assunto principal do livro ser a questão de ter ou não ter filhos do casal Claudia e Ben, os personagens secundários estão sempre presentes e enriquecendo a história com seus exemplos de vida.
Claudia tem duas irmãs Maura e Daphne. Ambas são casadas. Maura tem três filhos, dois meninos e uma menina de 6 anos, Zoe, que é uma graça e me encantou todas as vezes que apareceu na história. Ela casada com Scott, que é um canalha e a trai. Daphne é casada com Tony e eles estão tentando ter filhos sem sucesso.
Além da presença constante das irmãs de Claudia na história, há também a melhor amiga dela, Jess. Claudia conheceu Jess quando estavam na faculdade e moraram juntas durante o curso e depois de formadas. O problema de Jess é que ela tem um dedo podre para homem, só namora os caras incertos para ela.

Quero meu marido de volta sem a condição do filho. Daphne quer um bebê e nem se importa com o marido. Maura quer que seu marido pare de traí-la. Jess quer que o marido de outra a traia ainda mais.
P. 148

Não foi o melhor livro da Emily que eu já li, mas eu gostei bastante. O que eu mais gostei foi de ter identificado nos personagens pessoas que eu conheço na vida real e que assim como Claudia preferem manter sua opinião a ser feliz.

– Bom, você faria qualquer coisa para ter sua alma gêmea de volta, não faria? Quero dizer, essa é a essência das almas gêmeas. Romeu e Julieta tomaram veneno para ficar juntos… Então, se Ben é realmente o único homem feito para você não acha que deveria ir em frente e ter um filho dele?
P. 313

Não gostei muito da capa. Ela é bem simples, só com um brilho no título do livro e no nome da autora, mas o que eu não gostei foi da sobreposição das imagens, achei que deixou o visual um pouco poluído. Acho que se não fosse o livro de uma autora que eu conheço eu passaria batido por ele na livraria. Mas a lombada é linda na estante. O coraçãozinho separando o nome da autora do título do livro ficou muito fofo. Simples e harmoniosa.
O miolo não tem nada de excepcional, é bem simples e os capítulos se iniciam todos na página da direita (meu TOC agradece).
Os capítulos não são muito longos e isso facilita ainda mais a leitura.

Continue Reading