Diário de Viagem: Reino Unido – Londres 1

Continuando meu diário de viagem no Reino Unido. Vou falar um pouquinho do meu primeiro dia em Londres.

Eu cheguei no hostel, tomei banho e fui bater perna (óbvio). Andei alguns quarteirões e caí na Leicester Square abarrotada de gente. Parecia a Avenida Paulista em um domingo. Muita gente, muito artista de rua, várias pessoas deitadas ou sentadas no sol.

Leicester Square
M&M’s World ali na esquina

Alguns lugares estavam no meu roteiro, outros eu apenas dei de cara a aproveitei a oportunidade. A loja gigante da M&M foi um desses lugares. Estava ali na minha frente, entrei, tirei foto, fiz alguns stories e fui continuar o meu tour. É uma loja gigante e bem interessante para adultos e crianças. Uma parada obrigatória, junto com a Lego Store. É ali na região, não custa nada entrar, não é mesmo?

A dica é não comprar guloseimas na M&M, ali pertinho tem um supermercado Tesco’s, lá os chocolates são bem mais baratos.

Olha! Brotou a Agatha Christie na minha frente

Saindo de lá, segui para Covent Garden, que desde 1999 estava no meu roteiro de viagem. Literalmente 1999, quando eu comprei meu primeiro guia de viagem Michelin e tinha informações sobre Covent Garden.

Covent Garden é lindo, muitas plantinhas penduras, flores, comida, música e bastante gente. Neste dia, tinha um cantor de ópera. Achei incrível.

Depois de dar muitas voltas procurando o que comer, não consegui me decidir e voltei todo o caminho passando por Leicester Square e fui parar na Picaddilly Circus.

Letreiro luminoso + ônibus + táxi. Quer coisa mais londrina?
Estátua de Eros. Nem vem olhar pra mim, cupido

O lugar onde eu mais fiquei parada no meu dia foi ali. Sentei embaixo desse cupido malandro e fiquei admirando a cidade. Tinha um artista tocando Shallow e foi uma trilha sonora muito linda para ser recebida.

Eu tenho uma história muito interessante com Picaddilly Circus. Eu tenho um sonho recorrente onde eu estou com minha mãe em um lugar, eu já tinha procurado em vários lugares onde era o local do sonho, mas eu nunca achava. Dia 08 de junho eu achei. Em alguma vida passada eu e minha mãe andamos muito por lá.

Com a trilha de fundo, a paisagem e essa lembrança na mente eu quase desabei a chorar no meio da rua.

Sem tempo, Eros.
Eu fui, eu tava.

Aí minha barriga começou a reclamar de fome porque minha última refeição tinha sido o café da manhã no avião e já estava de noite (com sol sim, porque no verão os europeus têm sol até 9 da noite). Fui procurar algo para comer. Meu objetivo era chegar no Poppie’s Fish & Chips, mas eu falhei miseravelmente, me perdi pela primeira vez usando o Maps.Me (pior aplicativo que usei na viagem) e decidi pegar um meal deal de £3 no Tesco’s.

Dica de comida para quem quer economizar: meal deal. Por £3 você pega uma bebida (água, café, refrigerante, suco…), uma comidinha (eu geralmente pegava um sanduíche, mas tinha outras coisas) e um snack (podia ser frutas, barra de cereal ou salgadinho).

PS: quem foi ao Poppie’s (ou quem for), por favor, me diga sua experiência gastronômica.

Peguei meu lanchinho e já fui me encaminhando para o hostel, mas no meio do caminho tinha Chinatown.

Chinatown
Japão, você perdeu um Pikachu

Se perder em Londres é maravilhoso, se perder em Chinatown foi maravilhoso também porque eu dei de cara com a Bubblewrap, uma sorveteria. Com certeza é um dos sorvetes mais instagramáveis que existem. Fiquei uns 30 minutos na fila (sem brincadeira) para uma casquinha de crepe em formato de bolas (??) recheado com sorvete, morango e Nutella. São diversos sabores e achei o preço ok (£6-7).

Bubblewrap

Depois da minha calórica refeição eu continuei meu passeio (com o mapinha me indicando o caminho errado do hostel) e dei uma parada no Ben’s Cookies porque me indicaram muito bem a loja. Não lembro o que peguei, mas foram cookies demais para uma pessoa só e paguei £8.

Finalizei meu dia no hostel comendo meu meal deal e um cookie. Ben’s Cookies é ótimo, definitivamente imperdível.

No próximo post tem mais diário de viagem :)

Endereços

Bubblewrap
24 Wardour Street, Chinatown,London, W1D 6QJ

Ben’s Cookies
35-36 Great Marlborough St, Soho, London W1F 7JF

M&M Store
1 Leicester Square, Swiss Ct, London W1D 6AP

Continue Reading

Diário de Viagem: Reino Unido

Eu nunca imaginei na vida que escreveria um post de viagem com “Reino Unido” no título, mas é real oficial: EU FUI PARA O YUKEEEE!!!

Se quiserem faço um post contando os preparativos da viagem e tudo mais, por hora, vou contar um pouquinho do que rolou.

Mas antes, vamos voltar lá para o final de 2018 quando as Spice Girls anunciaram que fariam uma turnê em 2019:

Com esse anúncio, meus amigos do Spice World começaram a surtar e já começamos a ter sonhos sobre isso. O problema é que as Spice Girls são as Spice Girls: vivem iludindo os fãs. Elas não deram corda para a gente criar expectativas desta vez. Disseram que fariam uma turnê no Reino Unido, com Emma, Geri, Mel B e Melanie C e só. E na nossa cabeça, essa seria a última oportunidade dos fãs verem elas ao vivo no palco. Então montamos um plano de guerra, que não era nenhum plano. Era só um sonho louco.

Primeiro tentaríamos comprar os ingressos para as datas limitadas. Depois a gente pensaria no assunto.

Na dia e na hora certa, tentamos e conseguimos os ingressos (que se esgotaram rapidamente). Tinha dinheiro? Nenhum. Mas estava com o ingresso em libras (+IOF e tudo) no meu cartão. Agora estava tudo certo, só faltava passaporte, passagem, hospedagem e dinheiro (inclusive dinheiro para pagar o ingresso). Mas vamos por partes, porque o ingresso já estava em mãos.

Eu consegui ingresso para o show de Bristol, dia 10 de junho. Nem sabia onde era Bristol, mas tudo bem, o importante era o ingresso.

E aproximadamente 7 meses depois peguei o avião sozinha aqui em Vitória e fui conhecer o Reino Unido.

Saí de Vitória dia 07 de junho e cheguei em Londres dia 08 de junho à tarde (horário local). Meu voo foi maravilhoso. Só fiz uma conexão no Rio de Janeiro e fui direto, de British Airways.

Já fui com minha brusinha das Ispáice Guéls e na imigração a agente já chegou “Você vai no show das Spice Girls?” Aí falei que sim, ela pediu os ingressos, a passagem de volta e carimbou meu passaporte. Todo mundo me tocou o terror da imigração britânica e eu não fiquei 5 minutos com a agente. Ela ainda perguntou pela Victoria e disse que esperar 22 anos por um show valeria à pena.

Entrei linda e plena, comprei meu Oyster card e não soube mais o que fazer porque eu só tinha aprendido o caminho do aeroporto para o hostel de metrô e a Piccadilly line estava fechada.

Então saí seguindo uma brasileira que morava há 11 anos na Inglaterra, estávamos no terminal 5 de Heathrow, fomos para o 3 e de lá pegamos o TFL para a região central. Não entendi a confusão toda, mas fiquei muito feliz por conseguir chegar no Soho (onde estava hospedada).

Decidi fazer uma viagem low cost porque meu objetivo era conhecer a cidade e ir ao show das Spice Girls. Só precisaria do hotel para dormir e tomar banho, então escolhi ficar em hostel boa parte da viagem.

No meu primeiro dia em Londres eu fiquei no SoHostel. Eu fui com as expectativas bem baixas porque eu nunca dividi quarto com ninguém e estava bem preparada para o pior (luzes acesas, barulhos, roncos, etc), mas me surpreendi. O staff que me atendeu, me levou até o meu quarto e me mostrou todas as áreas comuns do hostel.

Fiquei em um quarto feminino compartilhado com mais 3 pessoas. O quarto não era suíte, mas o banheiro era em frente, então foi bem tranquilo. Quarto muito limpo e banheiro também. Todas as vezes que eu entrei estavam terminando de limpar. Dividi o quarto com asiáticas (coreanas ou japonesas, não lembro agora) e elas eram tão organizadas que eu quero ser assim na minha próxima vida. Elas eram level hard na arte de se hospedar em hostel e não era porque eu era novata no ramo.

O café da manhã era bem farto, várias bebidas (café, chá, chocolate quente, cappuccino), sucos, torradas, croissant, cereais, leites, geleias, Nutella, frutas, frios…

Eu juro que eu não esperava nem um pouco por um café da manhã tão gostoso. Fiquei muito feliz quando cheguei para a refeição e vi um buffet com tanta variedade.

Dentro do meu quarto e do hostel eu achei bem silencioso, mas como eu estava bem no meio do Soho (uma região de Londres com a vida noturna bem agitada), tinha bastante ruído da rua, mas eu moro na avenida principal do meu bairro, estou acostumada com barulho.

Bem, eu cheguei à tarde do dia 08 de junho, tomei banho e fui para a rua passear. Estava a alguns quarteirões da Leicester Square e andando um pouquinho chegava em Covent Garden e na Piccadilly Circus.

Primeira visão mais “londrina” que eu tive quando saí do hostel. Infelizmente não pude assistir.

Na minha cabeça, eu sempre achei que Londres teria um cheiro mais ocre. Uma mistura de poluição, mofo e umidade, mas não. É bem bizarro porque eu não sei de onde eu tirei essa imaginação do cheiro e na verdade é só poluição misturada com lavanda.

Eu não sei o que eles têm com lavanda, mas tudo na Inglaterra tem muito cheiro lavanda e verbena. Eu até tirei foto do Air Wick de lavanda e postei nos meus stories para provar minha teoria.

Falando em Stories, tem bastante coisa nos meus destaques do Instagram. Muita falação e passeios pela cidade. Quem quiser conferir, me segue lá no @polypop.

Anyway… o post já está enorme e como eu tenho várias coisas para contar das minhas aventuras na terra das Spice Girls, vou dividir os posts por dias e conto aos poucos.

Hi Ci Ya. Hold Tight!

Continue Reading

Filme: Mary Shelley

(5/5)
Mary Shelley
Elenco: Elle Fanning, Douglas Booth, Bel Powley, Maisie Williams, Joanne Froggatt, Stephen Dillane, Tom Sturridge, Ben Hardy, Hugh O’Conor, Jack Hickey, Ciara Charteris, Donna Marie Sludds, Michael Cloke
Distribuição Netflix
2017

O filme Mary Shelley é inspirado na vida de
Mary Wollstonecraft Godwin, mais conhecida como Mary Shelley e seu conturbado relacionamento com Percy Shelley.

Mary é uma moça extremamente criativa e que adora escrever histórias de terror e contar para os irmãos. Aos 16 anos ela conhece o jovem e sedutor escritor Percy Shelley e se apaixona por ele e sua visão de mundo.

Percy, além de casado, possui um comportamento fora dos padrões exigidos pela época e Mary foi proibida de se envolver com ele, mas ela desobedece ao pai e foge com Percy, levando junto sua irmã, Clara.

Mary e Percy Shelley

O relacionamento dos dois era intenso como o fogo, mas aos poucos ela começa a conhecer o lado desajustado e irresponsável de Shelley e passa a questionar se fugir com ele foi a melhor decisão.

Elle Fanning consegue sua delicadeza transmitir todas as nuances da Mary Shelley, uma mulher que é forte e doce ao mesmo tempo. O filme mostra com maestria as angustias femininas.

As falas são poéticas e sutilmente mostra como o machismo estava presente na sociedade.

Mary e Percy Shelley

Mary Shelley mostra como os tormentos da autora criaram o livro Frankenstein.

É incrível ver como Mary tentou publicar o livro por conta própria, mas apesar da grandiosidade de sua obra ninguém queria publicar porque foi escrito por uma mulher.

Na primeira edição Frankenstein foi publicado como sendo escrito por Percy Shelley e apenas na segunda edição é que a obra foi devidamente creditada a Mary.

É um filme belíssimo, que está disponível na Netflix. E eu já recomendei pra todo mundo desde quando assisti. Se você gosta de literatura ou de história este filme é imperdível.

Continue Reading