A_HISTORIA_DE_NOS_DOIS

Livro: A história de nós dois

A_HISTORIA_DE_NOS_DOISDani Atkins
(5/5)
Editora Arqueiro
2016
352 páginas

Emma é uma jovem de 27 anos, feliz, de bem com a vida e noiva do amor de sua vida. Quando está voltando de sua despedida de solteira juntamente com suas amigas acontece um terrível acidente de carro.
Emma é salva por Jack, um estranho que aparece e a tira do carro poucos minutos antes deste explodir. Jack poderia ter seguido com sua vida e desaparecido da vida de Emma para sempre, mas ele resolveu ficar.
Jack se sentia responsável pela vida de Emma e queria se certificar de que ela estivesse bem, então foi se aproximando dela aos poucos e dando todo o conforto pós-traumático que ela poderia receber.
Emma, abalada pelo acidente, decide adiar seu casamento com Richard, mas conforme o tempo vai passando ela começa a colocar seu relacionamento em cheque. Emma não sabe mais se está se casando pelos motivos certos.
Ao mesmo tempo que questiona o relacionamento com Richard ela começa a se interessar mais por Jack, o homem mais gentil, lindo e divertido que já conheceu.

– Vai melhorar – assegurou ele, dando um leve aperto na mão que eu nem havia percebido que ele ainda segurava. – Sei que não é o que parece agora, mas, confie em mim: vai, sim.
P. 85

QUE LIVRO FOFO! A começar pela capa delicada, com ilustrações encantadoras e uma fonte linda. Já me apaixonei pelo livro só na capa.
Outra coisa que me fez interessar por ele foi a autoria. Tinha lido ótimas resenhas do livro Uma curva no tempo, da Dani Atkins e fiquei bastante curiosa para ler algo da autora. Então, assim que saiu A história de nós dois eu quis ler e conhecer a narrativa dela.
Felizmente, minhas expectativas foram superadas.
A história é uma delícia e envolvente. Romance na medida certa, com direito a muitos *awwwwnns* e algumas lágrimas derramadas.
Diferente de outros livros, esta narrativa não segue a ordem cronológica. O livro começa do final da e a sensação de ficar perdida na história é perfeitamente normal. Pouco a pouco vamos conhecendo os personagens e entendendo o que está acontecendo.
Confesso que achei que seria tudo muito clichê, mas alguns detalhes não são assim tão óbvios. E eu gostei de tudo.
Sou fã de romances e gosto histórias leves, divertidas, clichês e que me deixam com a alma leve após terminar a leitura.

[…] Isso tinha de estar ligado ao fato de ele ter salvado a minha vida, não tinha? No entanto, não explicava a curiosa sensação que eu experimentava: como se tivesse acabado de encontrar o caminho para a casa, após uma jornada muito longa.
P. 124

Com certeza um dos meus livros favoritos. Agora necessito ler Uma curva no tempo, com a certeza de que também me encantarei com a história.

O quarto dia

Livro: O quarto dia

O quarto diaSarah Lotz
(3/5)
Editora Arqueiro
2016
352 páginas

O quarto dia conta a história dos passageiros do cruzeiro O Belo Sonhador, em uma viagem de Réveillon. Entre os passageiros estão Celine, uma vidente famosa (e fajuta); Maddie, assistente de Celine; Xavier, um blogueiro que quer desmascarar a vidente; Helen e Elise, duas senhoras que querem cometer suicídio; Althea, a camareira; Jesse, o médico, entre outros.
Tudo corre bem muito bem durante os três primeiros dias de viagem, mas no quarto dia um incêndio na casa de máquinas faz o navio ficar à deriva e fatos estranhos começam a acontecer.
Acaba a energia do navio e eles não conseguem nenhum contato terrestre ou com outros navios. Conforme o tempo passa a situação fica caótica, os passageiros começam a se comportar de modo estranho e a tripulação começa a ver coisas.

Os pelos da nuca de Althea se arrepiaram. Ela fechou os olhos, fez outra vez o sinal da cruz, e pela primeira vez em muitos meses, rezou.
P. 48

Após cinco dias O Belo Sonhador é encontrado a deriva no Golfo do México, mas com um detalhe: não há uma pessoa viva no cruzeiro. Todos os passageiros e tripulantes sumiram e apenas dois corpos foram encontrados a bordo.
Várias teorias da conspiração surgem, mas a única certeza é de que 2.962 pessoas simplesmente sumiram.
Confesso que comecei a leitura esperando momentos cheios de suspense e terror, mas isso ficou apenas na expectativa.

– Eles querem jogar o corpo no mar. Dizem que é a morta que está assombrando o navio.
P. 207

O início do livro é bom e a narrativa inicial indicava que seria uma leitura agradável e cheia de surpresas, mas à partir da metade a leitura ficou agarrada e não consegui ler com tanto gosto. Terminei o livro por uma questão de honra (e pela curiosidade quanto ao final do enredo).
A história se encerra aberta a interpretações, o que pode agradar muitos leitores.
Apesar de não ter sido um livro que gostei, a experiência foi boa. Não conhecia a narrativa da Sarah Lotz e foi bom ter uma ideia de como ela trabalha.

“Não existe morte”, pensou Maddie. Ou talvez tivesse dito em voz alta, não sabia. Então o piso desapareceu sob ela.
P. 267

Se por um lado a narrativa não me encantou, o material gráfico foi de tirar o fôlego! O livro é lindo! Capa preta e azul e as bordas das páginas em um azul escuro, dando um visual incrível à obra. A capa é de um material que dá uma sensação de emborrachado. Simplesmente perfeito o trabalho dos designers.

Penny Dreadful
Video

Penny Dreadful: uma review sobre a decepção

Não é segredo para ninguém que eu sou fã da série Penny Dreadful e quem me acompanhou nas redes sociais nas últimas 7 semanas sabe o tamanho do meu vício (ou talvez obsessão). Nunca uma série tinha me tirado do sério e me feito passar 90% do tempo online vendo e revendo episódios, vídeos de bastidores e montagens feitas por fãs.
Para mim ela é a melhor série dos últimos tempos.
Penny Dreadful
Quando falei da série aqui no blog em 2014 eu só tinha assistido aos primeiros episódios e não tinha noção do tamanho que ela se tornaria, dos detalhes envolvidos e tudo mais que foi me conquistando episódio após episódio. Ela não é uma série de terror, é uma série sobre o amor.
As temporadas eram gravadas em cerca de 6 meses. Havia uma enorme preocupação com detalhes dos figurinos e no comportamento dos personagens. Tudo deveria levar os telespectadores à Londres vitoriana. No vídeo a seguir podemos ver um pouco do trabalho nos bastidores e é de encantar qualquer um.

Sinopse

Na primeira temporada conhecemos os personagens principais da trama: Vanessa Ives, Sir Malcolm Murray e Ethan Chandler. Tudo começa com Sir Malcolm procurando sua filha Mina, que foi levada pelas forças do mal. Vanessa, que era a melhor amiga de Mina, o ajuda nesta missão. Ethan, um ótimo atirador, entra na trama por causa de suas habilidades com armas de fogo. Conforme a história começa a evoluir conhecemos o Dr. Victor Frankstein (e sua criatura) e Dorian Gray, que se envolvem no enredo principal, mas têm seus próprios plots.
Na segunda temporada Vanessa é alvo de perseguição de bruxas e Lúcifer e a missão dos demais personagens é protegê-la.
Na terceira e última temporada cada personagem toma um rumo diferente para enfrentar seus próprios demônios.
Esta é a história da série. Simples e objetiva e sem contar nenhum spoiler.
penny-dreadful
Mas não é uma série de terror? Sim, é. Tem possessões demoníacas? Tem, várias, inclusive aparece a língua do diabo (Verbis Diablo) no meio. É uma série sombria? Muito. Sombria, dramática e depressiva. NOUSSA SENHORA! VOU TER PESADELOS, VOU DORMIR COM A LUZ ACESA PRA SEMPRE DEPOIS DE ASSISTIR! Não, não vai.
Não é uma série popular, com clichês e histórias felizes. Não tem sexo e nudez desnecessários. Não tem carnificina só porque o público gosta de batalhas. Não tem sustos o tempo todo.
Mas você pega o roteiro e se apaixona. É simplesmente impossível não querer pegar todas as citações e colocar em caderno para ler e reler. Dentro do contexto da série as frases possuem um significado, mas fora dele também. Várias citações maravilhosas me tocaram na alma. Algumas frases ficaram martelando na minha cabeça porque era tudo o que eu precisava ouvir.
Os personagens praticamente declaram poesias enquanto conversam, mas não é forçado, é tudo tão natural que parece música para os ouvidos.
Ela não fala sobre Lúcifer, bruxas, vampiros e seres sobrenaturais que assombram a era vitoriana. Ela fala sobre nossos demônios internos, aqueles que lutamos diariamente e não admitimos nem para nós que os temos.
E fala sobre o amor. Amor fraterno, paterno, romântico, divino… O amor que existe e não é correspondido, o amor que não é expressado, o amor que decepciona, o amor que não existe, o amor que busca o perdão.
O amor não é perfeito, a vida não é perfeita, ninguém é inteiramente feliz e a série nos leva justamente para este lado. Vemos os personagens lutando contra os demônios e aprendemos com eles como lidar com os nossos próprios.
A série é uma terapia com 27 horas de duração.
Por isso que eu fiquei sem chão quando eu soube que a série tinha acabado. Acabado, não cancelada. Cheguei ao último episódio da terceira temporada e me deparei com um The End no final. E aquilo acabou com a minha vida.
in Penny Dreadful (season 3, episode 3). - Photo: Jonathan Hession/SHOWTIME - Photo ID: PennyDreadful_303_0046
A PARTIR DAQUI TEREMOS MUITOS SPOILERS, SÓ LEIA SE VOCÊ JÁ TERMINOU DE ASSISTIR ÀS TRÊS TEMPORADAS.
Assim que eu terminei de assistir ao 7º episódio da terceira temporada eu já estava ansiosa para os últimos episódios porque a Showtime resolveu exibi-los juntos, um após o outros. Duas horas de Penny Dreadful! E aquilo era maravilhoso!
A terceira temporada toda me deixou ansiosa. Todos tinham ido embora e deixado Vanessa sozinha em Londres. Sir Malcolm foi para a África enterrar Sembene, o que era de se esperar.
Ethan voltou para os EUA, sua terra natal. Ele tinha medo de ficar com Vanessa e “fugiu”. Ele achava que seria problema demais para Vanessa que já tinha sofrido muito. Ele se sentia amaldiçoado e foi embora.
Após a derrota de Lúcifer na segunda temporada eles acreditaram que Vanessa ficaria bem. Mas ela não ficou. Lúcifer não deu as caras, mas ela entrou em depressão e começou a se tratar. Ela tinha perdido a família (Sir Malcolm), o amado (Ethan) e a fé (deixou de acreditar de Deus) e estava perdida.
Seguindo o tratamento ela começou a sair de casa e conheceu o lindo e charmoso Dr. Sweet. Ela se apaixonou e decidiu se entregar a ele. Mas então ela descobriu que ele a enganou. Ele era o Drácula e só se aproximou dela porque ela era a reencarnação de Amunet. Ele queria Amunet, a mãe do mal e por consequência Vanessa.
A vida inteira ela vinha lutando contra as forças do mal e eles a perseguiam. Ela não tinha paz e sabia que enquanto vivesse ela seria uma ameaça para a humanidade. Ela desencadearia o Apocalipse.
E eu fiquei com raiva.
ethan
Eu sabia que a Vanessa nunca seria feliz e que a série nunca teria um final feliz, mas eu shippava tanto Ethan e Vanessa (Ethanessa) que meu coração doía. Eu queria dois minutos deles juntos, se declarando, se abraçando e se beijando. Dele pedindo desculpas por tê-la abandonado, dela ouvindo ele entregar seu coração como ela tinha feito, mas o reencontro deles não foi assim. Eles só reencontraram para que ela morresse pelas mãos dele.
Não queria que ela morresse daquele jeito. Não queria que ela morresse agora. Não queria ter que me despedir dos personagens agora.

via GIPHY


Senti raiva do Ethan por tê-la abandonado e fugido e por só ter dado conta do amor que sentia quando já era tarde demais.
Senti raiva do autor por ter escondido que seria a última temporada da série. Senti raiva da Eva Green por querer sair da série para não ficar com o estereótipo de gótica. Fiquei com raiva da Showtime por ter feito um trabalho péssimo de divulgação, marketing e exibição da temporada (domingo, na mesma época de Game of Thrones, logo depois da exibição da série atual de maior sucesso). Raiva por ter personagens novos na terceira temporada que praticamente fizeram figuração. Raiva, muita raiva. E decepção.
vanessa
Decepção por ter acabado quando eu não estava pronta para me despedir. Decepção por saber que esta poderia ter sido a última temporada e mesmo assim ter alimentado esperanças. Decepção por me envolver tanto com uma ficção.
Quando comecei a assistir ao último episódio eu já estava com um pressentimento de que seria o fim da série e já fiquei com um nó na garganta e um frio na espinha. Conforme os minutos finais foram chegando o frio da espinha se espalhou pelo resto do corpo e eu fiquei sem ação. Não conseguia parar de assistir, pois queria saber o final (que eu já previa), mas também não queria assistir pois não queria ter a confirmação da minha teoria. E então eu desabei.
Chorei e fiquei pior do que quando terminei com meu namorado. Não consegui dormir sem ter pesadelos. Desencadeei uma crise de ansiedade e perdi totalmente o chão.
Ver ou ouvir qualquer coisa sobre a série me machucava, então fugi das redes sociais, mas eu precisava das redes sociais para falar sobre isso com pessoas que também estavam tão mal quanto eu. Foi um dilema difícil de lidar. Não conseguia nem ficar deitada em posição fetal esperando a morte, porque isto não aliviava minha dor.
O assunto do início da semana foi só esse e eu não sabia lidar.
van
Eu tinha tantas teorias em mentes, tantas histórias para serem desenvolvidas em uma quarta temporada. Eu estava acreditando que Vanessa seguiria o conselho de Catriona e seria uma agente espiã para acabar com Drácula. E contava que Sir Malcolm, Ethan e os outros viriam ao socorro dela. Pensei em uma quarta temporada explorando mitos egípcios (com o Mr. Lyle trazendo muitas novidades). Queria Catriona no plot principal destilando poder feminino junto com Vanessa. Esperei o momento em que Sir Malcolm contasse para Vanessa que na verdade ele era o pai dela. Ansiei por Ethan brigando com o Dr. Frankstein pelo o que ele fez com Brona. Pensei em Brona se encontrando com Mr. Clare e os dois falando sobre o sofrimento de perder um filho…
Tantas teorias e sonhos que não levaram a lugar nenhum.
A morte “precoce” da Vanessa me deixou indignada porque ela lutou tanto, sofreu tanto e no final acabou se entregando. E Ethan que sempre lutou por ela, que disse que enquanto vivesse não deixaria ela se entregar ao mal não conseguiu salva-la. Parece que os três últimos anos foram em vão.
E ainda tenho tantas dúvidas e indagações que nunca serão esclarecidas. Nunca saberei se a série terminou agora por causa da baixa audiência, se ela já tinha sido planejada para acabar, se a Showtime estava esperando premiação no Golden Globes (que acontece durante as gravações finais do seriado) para dar ou não continuidade a série, se Eva Green queria mesmo sair…
Vanessa Ives morreu, levou a série junto e me deixou viúva.
finale
Gifs: Penny Dreadful | Fotos: Fernando