Khaled Hosseini
(5/5)
Sinopse: Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rasheed, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos.
Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela História, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós.
E a partir desse momento, embora a História continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.
Opinião: Apesar da história ser bastante triste é um livro lindo! Me emocionei com a história das duas.
O que eu gosto no Khaled é que ele fala da cultura do Afeganistão com tantos detalhes e paixão que até me dá vontade de visitar Cabul. Além de contar a história principal ele também aborda temas históricos e conta muito sobre o povo afegão.
Senti muita pena da Mariam e quase chorei nas últimas páginas do livro com o desfecho de sua história. Por outro lado, foi reconfortante ver o fim da história e como as coisas aconteceram com Laila.
Adorei o realismo do livro com finais tão diferentes para ambas personagens, não é um daqueles livros que a gente termina de ler e fica feliz com o final e sonhando que possa acontecer o mesmo final feliz para nossas vidas. Assim como na vida real, nem sempre os finais são felizes e nem sempre a gente consegue o que sonha e nas páginas d’ A cidade do sol a gente consegue perceber nitidamente isso.
Recomendadíssimo!