O_RESGATENicholas Sparks
(4/5)
Editora Arqueiro
2014
316 páginas

Sinopse: Confrontado com situações de extremo perigo, Taylor McAden, bombeiro voluntário, expõe-se até ao limiar do perigo. Denise é uma jovem mãe solteira, cujo filho de cinco anos sofre de um inexplicável atraso de desenvolvimento e a quem ela devota a sua vida numa tentativa de o ajudar. Mas o caso vai aproximar estes seres. Numa noite de tremendo temporal, Denise sofre um acidente de automóvel e é Taylor quem vem socorrê-la. Embora muito ferida, a jovem depressa toma consciência de que o filho já não se encontra na sua cadeirinha do banco traseiro. Taylor irá até ao fim de uma angustiante noite de buscas para o encontrar. Foram tecidas as primeiras malhas que os irão unir – o pequeno Kyle desabrocha ao calor da ternura daquele homem. Denise abandona-se à alegria de um amor nascente. Mas Taylor tem em si cicatrizes antigas, que o não deixam manter compromissos de longa duração. Nicholas Sparks, esse talentoso contador de histórias, intervém com a sua magia redentora e a sua inigualável capacidade de aprofundar a complexidade das relações e dos afetos.

Opinião: Eu vivo falando que não gosto do Nicholas Sparks, mas estou sempre lendo livros do autor. Não é que eu não goste, eu gosto sim, mas não sou fã, nem acho ele o melhor escritor do mundo. Ele é um bom escritor com uma fórmula que dá certo e tem dias que eu gosto desses romances água com açúcar.
Denise é uma mulher solteira e mãe do adorável menino Kyle, de quase 5 anos que tem dificuldades em compreender a linguagem oral.
Durante uma densa tempestade, eles estão tentando voltar em segurança para casa quando sofrem um acidente de carro. Uma corça entra na frente no veículo, Denise perde o controle da direção e o carro bate. Denise fica desacordada por alguns instantes, mas nada de muito grave. Em pouco tempo, ela é socorrida por Taylor McAden, um voluntário do corpo de bombeiros.
Mas então eles notam que Kyle não está na cadeirinha do banco traseiro, nem em nenhum lugar por perto. A tempestade ainda está caindo e os bombeiros então reúnem o maior número de pessoas para resgatar o garotinho.

Sentada na cozinha, Denise Holton chegou à conclusão de que a vida era como esterco.
Quando usado em um jardim, o esterco era fertilizante. Eficaz e barato, nutria o solo e ajudava as plantas a ganhar toda a sua beleza. Mas fora do jardim – em um pasto, por exemplo -, quando sem querer você pisava nele, o esterco era apenas um monte de bosta.
P. 82

Denise foi levada ao hospital e os bombeiros continuaram a busca por Kyle. Ainda demorou um pouco até que finalmente Taylor encontrou o garotinho, mas ele finalmente foi levado em segurança para os braços da mãe.
Após o acidente, Denise voltou a se encontrar com Taylor e o agradeceu pessoalmente por tudo o que tinha feito. Aos poucos eles foram se aproximando. Kyle adorava Taylor e apresentava uma incrível melhora na comunicação quando estava perto do moço e isso encantava Denise.

[…] As pessoas vêm e vão. Elas entram e saem da sua vida, quase como personagens de um livro. Quando você finalmente o fecha, os personagens continuam suas histórias e você recomeça outro livro, cheio de novos personagens e aventuras. Então se vê concentrando-se nos novos, não nos do passado.
P. 102

Eles se apaixonaram e começaram a namorar. Diferentemente dos outros livros do autor, o romance deles não é regado a juras de amor e palavras bonitas. O casal tem tantas outras preocupações e problemas que o sentimento não é traduzido em palavras.
Posso dizer que amei? Sério, me quebra todo o clima da história quando após o primeiro beijo o casal já está trocando juras de amor eterno e essa coisa toda bem típica do Sr. Sparks.

[…] Minha mãe acreditava qu as pessoas eram destinadas umas às outras. É uma ideia romântica que algumas mulheres têm, e acho que parte de mim acredita nisso.
P. 193

Outra coisa interessante é que a história não gira apenas em torno do romance dos dois, gostei bastante do foco principal não ser o romance. Tem o problema de comunicação de Kyle (que na nota do autor descobrimos que foi um problema que o filho dele também teve), o passado de Denise e seus problemas pessoais e o misterioso problema de Taylor em se envolver com as pessoas.
A história é belíssima e muito rica, com vários detalhes e muitos ensinamentos. Me emocionei bastante nas últimas páginas e chorei mais do que em todos os outros livros do Nicholas Sparks juntos.

[…] Tenho uma notícia para você. Todo mundo passa por coisas ruins, coisas que gostariam que não tivessem acontecido. Mas a maioria das pessoas não anda por aí fazendo o possível para estragar sua vida atual por causa disso.
P. 264

A narrativa é em terceira pessoa e é um livro cheio de diálogos e pensamentos. Prefiro livros em primeira pessoa, principalmente romances, mas gosto dos livros em terceira pessoa do Nicholas.
Não gostei muito da capa, mas é apenas minha opinião pessoal. Prefiro capas mais coloridas e com detalhes. O miolo também é bem simples, mas eu gosto da simplicidade nas páginas internas para não desviar muito o foco na leitura.
Ao fim do livro, vale a pena ler as notas do autor sobre a execução do mesmo. É emocionante.