2053
Acordei cedo, como se eu acordasse depois das 8 atualmente, dei uma volta pelo bairro e comprei os ingredientes que faltavam para fazer meu bolo de chocolate especial.
Hoje é aniversário da minha netinha e queria satisfazê-la com o que eu melhor sei fazer: cozinhar.
Coloquei o bolo para assar e aproveitei para fazer salgadinhos (nunca é demais mimar os netos com comida). Fiz uns croquetes que aprendi com a minha mãe quando eu ainda era criança. Podem parecer muito antiguados atualmente, mas ainda são saborosos e todo mundo gosta de uma boa comida caseira.
Está aí uma coisa que eu aprendi em todas essas décadas vividas: comida nunca sai de moda.
Algumas podem até ter sua fase de glamour e fazerem sucesso em festas e restaurantes, mas ao paladar, elas sempre são atuais.
Na minha época criança comia cachorro-quente feito com molho de tomate de verdade, churros vendidos de origem suspeita, feitos por vendedores sem a menor noção de higiene, pipoca feita na panela. Todas eram felizes e comiam o quanto queriam. Hoje tudo é industrializado, cheio de frescura e com gosto de papel. Poucas pessoas gostam de “perder tempo” na beira do fogão cozinhando para seus queridos.
Mas eu acho que cozinhar para alguém é uma grande demonstração de afeto e vou continuar fazendo isso até morrer.
Victoria, minnha filha, me chama de louca por passar tanto tempo na cozinha, ela não tem paciência para isso e cria minha neta com essas porcarias sem gosto e cheia de nutrientes. Parece ração de cachorro.
Ela até reclama da minha mania de cozinhar, mas bem que ela gosta de comer meus quitudes.
Estava esperando Victoria e Rubi para o almoço, mas elas só apareceram no meio da tarde. Disseram que estavam ocupadas. Não sei com o que elas se dizem ocupadas, nem cozinhar elas cozinham…
A carinha de felicidade delas quando chegaram e sentiram o cheiro de comida aqui de casa foi a coisa mais linda de se ver. Mamãe, você não existe! Foi a primeira coisa que Victoria disse quando viu o bolo e os salgadinhos.
Rubi só me deu um abraço tímido e já saiu correndo e atacando os croquetinhos. Adoro a carinha feliz dela quando come comida mesmo e não ração de cachorro.
Cantamos parabéns as 3 juntas, comemos o bolo e ficamos conversando.
Rubi queria saber como eram comemorados os aniversários na minha época: com comida, é claro! E quando contei de alguns detalhes ela soltou um QUE BREGA! tão sonoro que achei melhor perguntar a ela como ela iria comemorar o dia dela. Com as melhores amigas, é claro!
Victoria fechou o salão de beleza que elas frequentam só para Rubi e as amiguinhas comemorarem o dia com um spa só para garotas.
Não sei por que criança precisa de um dia de spa, mas achei melhor não perguntar.
Como, para variar, eu não sabia o que dar para Rubi, entreguei um dinheiro para Victoria comprar alguma coisa que ela queira. Provavelmente alguma tecnologia nova, que ficará absoleta na semana que vem, mas que ela “vai morrer se não tiver hoje”.
Victoria me chamou para ir ao salão e passear no shopping enquanto as meninas se divertem, mas não tenho mais ânimo para ficar andando pelo shopping. Prefiro ficar em casa lendo um livro e tomando um chá.
Quando elas sairam peguei meu gato, Félix, outro pedaço de bolo e meu livro para continuar a leitura. Hoje só levanto da cadeira quando chegar ao fim da página 1052.

Compartilhe seu link