Então eu fui para SP assistir a um show da Madonna sozinha. Não totalmente sozinha, pois eu estava o tempo todo no celular com vários amigos, mas fisicamente sozinha.
Minha aventura começou quando entrei no avião com destino a Guarulhos – SP. Fui sentada sozinha ao lado de dois estudantes que foram para SP fazer prova de vestibular. Não puxei assunto com eles, porque fui dormindo, mas peguei alguns trechos de conversa que tinham prova e PUC no meio e deduzi que fosse isso.
Para pegar a bagagem mais gente que estava lá para fazer prova, mas dessa vez era para residência em medicina.
Só sei que peguei minha mala e fui em direção aos ônibus que fazem a linha Guarulhos x Metrô Tatuapé. Na saída do aeroporto eles te informam onde fica o ônibus, mas como eu já sabia o caminho mais ou menos, saí do aeroporto e virei à esquerda e fui andando até encontrar uma plaquinha que indicava que o ônibus iria para o Tatuapé.
Paguei a passagem (R$4,30) e fui sentadinha até o metrô. Desembarquei no Tatuapé, subi a escada rolante, enfrentei a zona da estação entre dois shoppings às 18h30 de um sábado, comprei meus bilhetes e fui em direção ao embarque do metrô.
Como eu estava hospedada próximo à avenida Paulista, peguei o metrô sentido Barra-Funda, desci na estação República, fiz a transferência para a linha amarela do metrô e desci na estação Paulista. Para minha sorte, meu hotel (Ibis Budget Paulista – antigo Formule 1) ficava exatamente do lado da estação. Gastei R$7,30 e demorei cerca de 1h30 no percurso que sairia bem mais caro se fosse de táxi.
Fiz o check-in no hotel, que já estava reservado, e fui para o meu quarto. Já fiquei hospeda inúmeras vezes em hotéis, mas completamente sozinha foi a primeira vez e recomendo a experiência. Eu que não sou acostumada a dividir nada (filha única) aprovei a ideia de continuar não precisando dividir nada.
O meu quarto era bonitinho, pequenininho, limpinho e arrumadinho. Só tinha a cama, a TV, uma mesa com cadeira, o sanitário com porta, uma pia e o chuveiro. Nada além do necessário.
Ibis Budget Paulista
A única desvantagem era a falta do frigobar no quarto, toda vez que eu queria beber água gelada ou comer alguma coisa precisava descer na recepção e comprar as coisas. A vantagem era que a recepção contava com uma loja de conveniências cheia de produtos.
O café da manhã no hotel era a parte, mas como eu não sou muito de comer de manhã, nem paguei os R$10,00 da refeição. No primeiro dia fui tomar café da manhã na padaria Bella Paulista, que fica bem pertinho de lá, e aproveitei e comprei uns pãezinhos para deixar no quarto e comer caso sentisse fome. Foi o que garantiu meu café da manhã nos próximos dias. Comia ali, assistindo TV, antes mesmo de levantar da cama. Maravilha!
Nunca tinha ido na Bella Paulista, mas quando vi pela internet que era uma padaria que tinha de tudo, decidi que deveria visitar! Para quem mora em um lugar que padaria é lugar de pão e fim de história, uma no nível de ficar aberta 24h, ter pizza, sanduíches e sorvetes é quase o paraíso. E o mais incrível é que ela fica constantemente cheia (inimaginável por aqui!). Mas apesar disso tudo, não achei as coisas assim tão mais saborosas. Comi um pão de queijo que tem o mesmo gosto dos pães de queijo vendidos nos aeroportos e tomei um suco de laranja, esse pelo menos era docinho e gostoso, mesmo sem adicionar açúcar. Os pãezinhos de coco que comprei não eram nada de outro mundo, apesar de terem uma aparência ótima e serem gostosinhos.
Bella Paulista
No domingo dia 03 eu decidi almoçar no America, pois era bem perto do hotel e do metrô Consolação e de lá eu poderia ir para outros lugares facilmente.
Pedi o prato Liberty, um filé de frango ao molho de champignon, salada de alface e batatas fritas para acompanhar. Não gostei das batatas, estavam encharcadas e com gosto de gordura, mas o frango estava muito gostoso. O atendimento foi maravilhoso e não precisei esperar quase nada.
De sobremesa pedi um frozen iogurte com calda de chocolate e farofa crocante de amendoim com chantili. É tão bom que tive orgasmos gustativos múltiplos!
America
De lá fui ao Shopping Bourbon Pompéia (fui de metrô até a estação Barra-Funda/Palmeiras e peguei um taxi do metrô até o shopping) só para matar minha curiosidade de conhecer o Café da Hello Kitty. Comi um pão de mel L-I-N-D-O lá. E tomei um macchiato. Achei o pão de mel bem gostoso, mas tirando o formato fofo, não tem nada de diferente dos que eu já comi por aí. O café eu achei que estava um pouco frio. Na hora eu nem reparei na temperatura, mas quando penso que eu o tomei rapidamente sem esperar esfriar percebo que estava apenas morno (eu sou a pessoa mais fresca para tomar bebidas quentes, demoro décadas para beber). E eu só tomei o café porque o único sabor de chá que tinha era de limão. E o estoque das comidinhas estava no fim, então nem me animei de comer muitas coisas.
foto do Just Lia
E no fim do dia para encerrar a comilança, fui no restaurante japonês Irori, que fica na Alameda Jaú. O lugar é bonitinho, mas o atendimento é péssimo. Quase fui chutada de lá quando terminei de comer e pedi a conta.
irori
Tirando a foto do hotel que eu mesma fotografei quando cheguei, nenhum das fotos é de minha autoria. Tudo do Google, dos sites dos lugares que fui e do Just Lia.