O_PRESENTECecelia Ahern
(5/5)
Editora Novo Conceito
2013
317 páginas

Sinopse: Todos os dias, Lou Suffern luta contra o tempo. Ele tem sempre dois lugares para ir, tem sempre duas coisas a fazer. Quando dorme, sonha com os planos do dia seguinte, e, quando está em casa, com a esposa e os filhos, sua mente está, invariavelmente, em outro lugar. Numa manhã de inverno, Lou encontra Gabe, um morador de rua, sentado no chão, sob o frio e a neve, do lado de fora do imenso edifício onde Suffern trabalha. Os dois começam a conversar, e Lou fica muito intrigado com as informações que recebe de Gabe; informações de alguém que tem observado uniões improváveis entre os colegas de trabalho de Lou, como os encontros da moça de sapatos Loubotin com o rapaz de sapatos pretos… Ansioso por saber de tudo e por manter o controle sobre tudo, Lou entende que seria bom ter Gabe por perto — para ajudá-lo a desmascarar associações que se formam fora de suas vistas — e lhe oferece um emprego. Mas logo o executivo arrepende-se de ajudar Gabe: sua presença o perturba. O ex-mendigo parece estar em dois lugares ao mesmo tempo, e, além disso, Gabe lhe fala umas coisas muito incomuns, como se soubesse do que não deveria saber… Quando começa a entender quem é realmente Gabe, e o que ele faz em sua vida, o executivo percebe que passará pela mais dura das provações. Esta história é sobre uma pessoa que descobre quem é. Sobre uma pessoa cujo interior é revelado a todos que a estimam. E todos são revelados a ela. No momento certo.

Opinião: A história é contada pelo sargento O’Reilly na manhã de Natal. Ele prende um menor por jogar um peru congelado contra a vidraça de uma casa e enquanto aguardam a chegada da mãe do menino resolve contar a história de Lou e Gabe.

Esta história é sobre pessoas, segredos e tempo. Sobre pessoas que, assim como os embrulhos, guardam segredos, escondem-se sob várias camadas, até encontrarem as pessoas que poderão desembrulhá-las e ver o que há dentro.
P. 14

Lou Suffern é um empresário bem sucedido que nunca tem tempo para nada. Ele está sempre correndo de um lado para o outro e algumas vezes precisando estar em mais de um lugar ao mesmo tempo.
A vida dele é uma loucura, como a vida de muitas pessoas.
Em um dia à caminho do trabalho ele decide parar e dar um café para um sem-teto que está sentado próximo ao prédio de seu trabalho. Eles trocam algumas palavras e Lou fica impressionado em como Gabe é observador e possui informações relevantes para seu trabalho.

Talvez nem ele mesmo conseguisse sentir, mas o medo estava ali, estava ali o tempo inteiro disfarçado de outra coisas, escondido dos olhares de todo mundo.
P. 55

Por uma feliz coincidência, no prédio de Lou estão precisando de uma pessoa para trabalhar entregando correspondência e Lou resolve dar uma chance a Gabe e o indicar.
Gabe é contratado e começa a trabalhar imediatamente. Gabe é tão eficiente que algumas vezes Lou acredita que ele se locomove por meio de mágica.
Gabe começa a se intrometer na vida de Lou, dando-lhe conselhos e o ajudando a ser uma pessoa melhor, mas Lou acha que isso tudo é porque Gabe quer prejudica-lo no trabalho.

– Ei, é engraçado como a vida funciona, não é? – disse ele, cutucando Lou.
– O que você quer dizer com isso?
– Bem, pense em como é possível você estar aqui em cima num minuto e, no seguinte, estar lá embaixo?
P. 248

Lou é uma pessoa que pensa e respira trabalho e tudo que ele quer é uma nova promoção na empresa, então batalha muito para isso.
De tanto pensar no trabalho ele não tem tempo para família. Segundo ele, a família não pode te demitir, enquanto a empresa pode. Então ele deixa todos os assuntos familiares em segundo plano.
Não comparece às apresentações da filha na escola, não sabe nada sobre o filho bebê e não dá a menor atenção à sua esposa, Ruth.
Lou é infiel e desrespeitoso e deixa qualquer coisa relacionada à família para depois.

Lou passara tantos anos movendo-se tão rápido pelos minutos, pelas horas, pelos dias, pelos momentos da vida, que parou de percebê-la. Os olhares, os gestos e emoções das outras pessoas, há muito tempo já não eram importantes ou visíveis para ele. A paixão era o que o impulsionava, a princípio; posteriormente, enquanto trilhava o caminho até onde queria chegar, acabou por deixá-la para trás também. Andava rápido demais, nunca parava para tomar fôlego; seu ritmo era veloz, e seu coração mal era capaz de acompanhá-lo.
P. 255

Lou não se importava nem com a festa de aniversário de 70 anos que sua irmã estava para seu pai. Como ela estava sempre ligando para saber a opinião dele, Lou decidiu entregar os cuidados da festa para sua secretária, que não tinha nenhuma relação com o senhor e não sabia de nenhuma de suas preferências.

– Tudo o que aconteceu foi para lhe dar sua oportunidade, Lou. Todos merecem uma oportunidade. Até mesmo você, apesar do que pensa.
P. 293

Gabe via o modo como Lou agia e tentava ajuda-lo a mudar e a se tornar uma pessoa melhor, mas frequentemente era ignorado. Até que Gabe ofereceu um comprimido a Lou, um presente que resolveria todos os problemas do empresário.
O comprimido fez Lou se transformar em dois e assim ele conseguia realizar mais facilmente todas as tarefas.
Gabe tinha intenção de que com o comprimido Lou conseguisse ter mais tempo para a família e aprendesse a diminuir o ritmo, mas a ganância fala mais alto em diversas vezes.

– A lição de um homem é o conto de outro homem, mas, frequentemente, o conto de um homem pode ser uma lição para outro.
P. 312

A história é linda, tem todo aquele clima natalino (lembra muito Um conto de Natal, de Charles Dickens) e é de fácil leitura. A narrativa flui muito bem e o enredo é tão mágico que agrada a todas as idades.
É um desses livros que nos toca profundamente de um modo positivo.
Cecelia Ahern é uma de minhas autoras favoritas e eu já sabia que iria adorar o livro, mas não esperava que fosse gostar tanto. Li em apenas uma tarde e nem vi o tempo passar durante a leitura.
A capa é linda e a minha edição veio na caixa natalina para presente, que é ainda mais bonita. A diagramação interna também é linda. As letras são grandes e tem detalhes no rodapé das páginas e no início dos capítulos.
Um trabalho belíssimo para uma obra belíssima.